Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Mostrem essa coragem toda!

Mostrem essa coragem toda!

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Não há mais o que falar, esmiuçar ou palpitar sobre a intervenção federal na Segurança do Rio de Janeiro. Entre especialistas da área, especialistas do nada, gente se fingindo de especialista e os inevitáveis especialistas em ser-do-contra, tudo já foi dito. Menos o necessário: 1) Como o Rio chegou a esse ponto? 2) Quem está reclamando tem alguma outra solução?

Noves-fora a interminável masturbação sociológica dos especialistas em nada, assessorados pela nata dos intelectualóides de boteco, é inegável que essa situação não começou, mas tornou-se catastrófica por obra de Leonel Brizola, um maluco travestido de sábio que governou o Rio por duas vezes: Entre 1983/87 e 1991/94. Entre as muitas barbaridades que praticou, instituiu uma espécie de trégua com o tráfico; como todo populista de esquerda (perdão pela redundância) se achava um gênio e dividia o povo em classes. Daí nasceu sua brilhante ideia de “isolar” os traficantes nos morros e favelas (não, não é “comunidade”, é favela mesmo; eufemismo não melhora a realidade), deixando o “asfalto” aparentemente incólume. A ilusão durou o suficiente para os trafiquentos perceberam que não estavam isolados, muito pelo contrário: Estavam fortificados, seguros num castelo inexpugnável, presenteado pelo governador. Para coroar a desgraça, Brizola prometeu leniência da polícia, que ia fazer vista grossa nessa ocupação territorial promovida por um exército extremamente bem armado, mimetizado, conhecedor do território e infiltrado entre moradores.

O tráfico cresceu como nunca, armas de grande poder de fogo chegaram aos milhares às mãos de bandidos e facções enormes, cruéis, instalando ali uma espécie de poder paralelo sob o beneplácito do governo real – uma espécie de República Popular da Droga.

Contando com a proteção de entidades de “paz” e “direitos humanos”, além da falsa sensação de segurança da classe alta refugiada nos nobres enclaves cariocas, aliados ao assistencialismo praticado pelos bandidos junto à população (fruto do absoluto desinteresse do estado e da miséria espalhada pelo populismo esquerdizante), a coisa se transformou nisso aí: Completa e confessada falência da segurança pública nesse Estado da Federação.

Não há como deixar de fora desse sucesso às avessas o patrocínio dos piores governadores do Rio de Janeiro: Garotinho e Rosinha, a dupla inesquecível, e Sérgio Cabral. O trio dispensa comentários, e suas folhas corrida falam por si à falta de melhor currículo. Interessante lembrar que, durante o desgoverno deles e dos amigos e aliados  Lula & Dilma, o quinteto do inferno jactava-se de existir ali um exemplo para o Brasil e para o mundo; as favelas, ops, “comunidades”, estavam pacificadas, o tráfico era coisa do passado, e o céu era o limite para a felicidade carioca, comandada pelos melhores governantes que o planeta podia fornecer. Deu no que deu.

Mas lembrar tudo isso não é só incômodo para os vendedores de ilusão; também cansa. Haja vista a turma que imita pombinhas com as mãos e “abraça” praças e lagoas em luta por uma paz utópica que, acreditam, virá como a chuva redentora em suas passeatas “do bem”. Tudo se resolveria com muito amor ao próximo e compreensão às pobres vítimas de uma sociedade capitalista sem coração.

Essa mesma gente, aliada aos lulistas de sempre, esgoelam-se, furiosos, alegando que o Exército vai subir o morro para exterminar o povo e os direitos civis, que nada disso vai funcionar – embora tenham achado a ideia sensacional em 2014, durante o podre governo Cabral – com militares nos morros e mandados de busca coletivos, que antes a lulada amava e hoje classifica como “guerra contra pobres e pretos”. Hipócritas.

Terminam sua arenga dizendo que intervenção militar “não resolve” o problema do narcotráfico. Ora, ninguém disse que vai resolver, mas é a saída possível no momento.

Bom, esses sábios da paz estão convidados a apresentar alguma solução para o problema que eles mesmos criaram com tanto “amor” dispensado às “pobres vítimas da sociedade”. Por outro lado, os militares certamente convidariam, com muito prazer, todos esses defensores de traficantes a subir o morro na frente deles. Desarmados, claro; afinal violência só gera violência, camaradas. Poderiam usar camisetas brancas, flores, convencendo os bandidos a baixar os fuzis e se entregar na moral. Os demais 80% da população que apoiam a incursão do exército vão assistir pela TV à performance dessa gente que vende discursinho barato como solução pra qualquer coisa. Boa sorte na subida; a descida será com os pés pra frente.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes