s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Que tempo de medos, não? Mas será um medo ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus
Michel Torres
Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas Um detalhe sobre a pandemia do coronavírus em curso é que as áreas com focos concentrados são ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Forjado na derrota
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Forjado na derrota “A um escritor, assim como a um armador, não era permitido sentir medo.” Pat Conroy Conversando por telefone com minha irmã, depois de meses sem nos vermos por ...

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Ser capaz de detectar as merdades deveria ser a ...

Ver mais

Motivos de orgulho

Motivos de orgulho

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Motivos de orgulho

Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, sociais e psicológicas não é fácil encontrar razões capazes de gerar otimismo, e que, mesmo em quantidade insuficiente para contrabalançar o sentimento geral amplamente negativo, possam pelo menos se constituir em motivos de orgulho.

Nesse sentido, inspirado no documentário Orgulho de ser brasileiro, dirigido pelo jornalista Adalberto Piotto, e nostálgico do excepcional futebol da Seleção Brasileira de 1970 que conquistou o tricampeonato no México, ficando definitivamente com a Taça Jules Rimet[1], resolvi me ater neste artigo a dois casos brasileiros que são motivo de orgulho e que têm dado uma enorme contribuição para que a situação não seja ainda pior do que já é.

Vou usar como primeiro exemplo a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária). A rigor, o mérito cabe ao Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária. Enfatizo, porém, a Embrapa por ser a integrante mais conhecida desse sistema.

A partir do Ato de Autorização assinado pelo presidente Médici em 1972, a Embrapa foi criada em 26 de abril de 1973, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Seu desafio era desenvolver um modelo de agricultura e pecuária tropical genuinamente brasileiro, superando as barreiras que limitavam a produção de alimentos, fibras e energia no Brasil.

Menos de cinquenta anos depois, é possível afirmar com absoluta convicção que a Embrapa não apenas conseguiu cumprir seu desafio, mas o fez superando as expectativas mais otimistas, pois foi essencial para a transformação de cerrado numa das regiões mais produtivas do mundo para a produção de grãos e para fazer da agricultura e da pecuária do Brasil referências internacionais, sendo o País líder no ranking mundial de diversos produtos, como se vê na tabela 1.

Tabela 1

O Brasil no ranking mundial

Produção – Safra 2019/2020

Produto Classificação Participação
Milho 9,1%
Soja 36,8%
Café 38,3%
Açúcar 16,9%
Algodão 10,8%
Laranja 40,8%
Maçã 1,7%
Uva 4,2%
Leite Fluido 4,4%
Leite em Pó 12,2%
Carne Bovina[2] 16,8%
Carne Suína 4,4%
Carne de Frango[3] 3 13,7%
Fonte: Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de MC[4]
Elaboração do autor

Graças à maciça participação da produção agropecuária o Brasil tem conseguido expressivos superávits em sua balança comercial, num dos poucos indicadores positivos da nossa economia.

Meu segundo exemplo de motivo de orgulho é o Sistema Único de Saúde, mais conhecido como SUS, denominação do sistema público de saúde brasileiro, criado pelos constituintes de 1988 no dia 17 de maio, na 267ª sessão da Assembleia Nacional Constituinte.

Inspirado no modelo inglês, o National Health Services, o SUS tem como princípios fundamentais a universalização, a equidade e a integralidade e como princípios organizativos a regionalização e hierarquização, a descentralização e comando único e, por fim a participação popular.

Seguindo esse conjunto articulado de princípios, o SUS transformou o Brasil no único país do mundo com mais de 200 milhões de habitantes a possuir um sistema de saúde pública universal, que tem sido capaz de enfrentar de maneira satisfatória o duro desafio representado pela demanda brutalmente ampliada por leitos hospitalares em função da pandemia do Covid-19.

Essa extraordinária capacidade de resposta do SUS, acompanhada evidentemente da eficiência de nossa rede hospitalar privada, impede que a situação atinja ainda maior gravidade num país que em junho assumiu a triste condição de segundo do mundo em quantidade absoluta de mortos e primeiro em número de mortes diárias.

Não fosse isso, a combinação de: (i) desinformação e desorientação decorrentes da falta de coordenação entre os discursos e as ações das diferentes esferas de governo; (ii) elevado grau de desigualdade que continua prevalecendo entre e dentro de diversas regiões do País; (iii) baixo nível de consciência e de cidadania de parte da parcela mais esclarecida da sociedade brasileira fariam – e talvez ainda façam, considerando que não se sabe como será a evolução daqui em diante – com que a situação fosse ainda mais trágica.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referência cinematográfica

Orgulho de ser brasileiro

Direção: Adalberto Piotto

Gênero: Documentário

Ano de lançamento: 2013

Duração: 87 minutos

[1] Dia 21 de junho, próximo domingo, essa conquista completará 50 anos.

[2] Ocupante do 2° lugar no ranking da produção de carne bovina, o Brasil lidera o ranking de exportação.

[3] Ocupante do 3° lugar no ranking da produção de carne de frango, o Brasil lidera o ranking de exportação.

[4] SECRETARIA de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais. Perfil Mundial. Disponível em http://www.reformaagraria.mg.gov.br/images/documentos/perfil_mundial_abr_2020[1].pdf.

 

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado