s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Música por quilo

Música por quilo

Chiquinho Rodrigues -

Cara… tive um sonho muito maluco esta semana!

Mas antes de te contar o sonho, vou te falar do estado de espírito em que eu me encontrava um pouco antes de me deitar nessa noite.

Eram umas onze horas e o telefone tocou.

Era meu amigo Laércio (músico) me contando que estava dando graças pelo fato de ter arranjado um trabalho para o fim de semana.

Como ele toca vários instrumentos (violão, guitarra, contrabaixo), eu perguntei:

– Ô Laércio, qual instrumento você vai tocar?

E ele: – Piano.

Eu, sem entender: -Ué! Desde quando você toca piano?

Ele com naturalidade: – Nunca toquei, vou dublar.

Deu pra entender? (vou explicar)

Ele toca de vez em quando em uma banda onde o dono arma os playbacks no teclado ou grava em MD. O cara coloca o pai tocando guitarra, arregimenta uma cantora, e com ela divide o repertório cantando durante a noite toda.

Quando um cliente mais exigente (sic!) reclama do pouco número de músicos no palco, o dono da banda chama meu amigo pra dublar o piano… o motorista da Kombi pra dublar o contrabaixo…. e de vez em quando ele chama também uma dupla de zagueiros do time do Parque da Mooca pra dublarem os metais.

Você dá risada, né?

Eu também dei (no começo). Fiz até umas piadas com meu amigo Laércio, dizendo que já que era pra dublar, poderiam ter arranjado alguém mais bonito e tal…

Mas depois dessa conversa, eu fui dormir e tive então esse sonho perturbador.

O sonho era sobre um jovem casal de noivos, que durante os preparativos da sua festa de casamento, foi até o mercado comprar a música que seria servida aos convivas após a cerimônia religiosa. (já começa estranho, né?)

Passeavam por imensos corredores desse felliniano mercado onde a gente podia perceber vários tipos de guitarristas, bateristas, contrabaixistas e tecladistas, pendurados como se fossem salames.

Em enormes gôndolas, podiam se ver amontoados alguns cantores e pacotes de ofertas de meninas pra backing vocals ou bailarinas.

Naquelas barricas de madeira que a gente encontra cheias de azeitonas na feira, havia alguns saxofonistas, trombonistas e trumpetistas curtindo no vinagre. (acompanhados de picles e aquelas horrorosas sardinhas no palito).

E lá foram eles, escolhendo e enchendo o enorme carrinho. Colocaram um tecladista, um guitarrista, um baixista, um batera, umas meninas pro backing, um cantor e uma cantora, alguns metais (que pegaram naquela barrica) e um mestre de cerimônias que já vinha com algumas frases já programadas do tipo:

-Viva os noivos!

-Oi pessoal… é hora da valsa!

-Atenção… todo mundo chegando aqui… vamos cortar o bolo!

E por mais alguns reais, (na oferta) você poderia programar o mestre de cerimônias pra cantar uma seleção de carnaval, e na hora da valsa…“Champagne… per brindare un encontro….”

Depois disso, passaram por uma barraquinha onde uma menina de minissaia fazia degustação de seleções de músicas que poderiam ser “aplicadas” (ou dar um download) nos músicos escolhidos. Para animar a festa o casal escolheu então algumas coisas de MPB, axé, internacionais, rock, anos 60, aquela bosta de seleção de “volta ao mundo”, sambas, boleros, alguns teminhas de bossa nova pra serem servidos de entrada, e… começou então uma puta discussão!

O noivo queria por todo meio levar uma seleção dos Beatles (que não estava na oferta) com a desculpa que era pra “agradar os velhos”.

E a futura esposa achava que se era pra agradar a velharada, melhor então era levar algo do tipo Ray Conniff.(que estava na promoção junto com um pout-porri do Elvis) – Porra amorzinho…

– Disse o cara. — O Ray é muito velho!

E ela com as mãozinhas na cintura e batendo o pezinho:

-Ah é? E os Beatles? São o que?

Nisso, um guitarrista (com a cara do Aurélio) que estava espremido no carrinho por debaixo das backing disse:

– Epa! Ninguém fala assim do Beatles na minha frente!

– Vai se fuder você, que ninguém te chamou na conversa -disse a finíssima noiva.

Daí pra frente (como acontece em todos os meus sonhos), a coisa começou a ficar esquisita e sem sentido.

O noivo (tomando as dores da noiva) se indispôs com o guitarrista e ameaçou trocá-lo por um acordeonista (que era bem mais em conta).

O trombonista (com um pedaço de sardinha na gola) “se doeu” pelo guitarrista e fez um comentário sobre algo que faria com a vara do trombone naqueles dois ingratos…

Dentro do carrinho a cacofonia era geral!

As backing começaram a emular a Mariah, com aqueles defectíveis e insuportáveis agudos…  O batera dando porrada nos pratos… o guitarrista plugou sua Fender num pedal de distorção e daí direto num enorme amplificador Marshal, onde só se ouvia microfonia… o baixista estilingava um baixo de 19 cordas e a bunda das cantoras… e no meio de tudo isso, EU era a menina do caixa que perguntava o número do RG do noivo pra colocar atrás da porra de um cheque (só eu mesmo!).

Acordei.

E a primeira coisa que me veio à lembrança foi a imagem do meu irmão Vitché em frente ao espelho, de smoking, se preparando pra mais um sábado a noite memorável, onde ele estaria presente à um baile de formatura no Pinheiros.

Bailes cujos convites eram disputados a tapa.

Palcos inundados de boa música, ocupados por Simonettis… Mazzucas… Supersons… muita gente de Sampa… e 3 do Rio.

Meu amigo Aurélio um dia disse: Já não fazem mais milk-shake e banana-split como antes, nem tomamos mais gasosas! Maísa foi viver sua vida com outro alguém e o banho de lua da Cely Campelo virou banho de assento. Nat King Cole, Ray Charles, Elis, Beatles, Bee-Gees e tantos outros… foram-se!  Foram-se também a Ducal, A Mesbla, A Eletroradiobrász, o Mappin e todas as boas casas do ramo. O Dodge Charger, o Galaxie,  Maverick, Fusca, Opala, Brasília…estão engarrafados no passado. Minister, Hollywood, Lincoln, Luís XV, Continental sem filtro viraram fumaça… juntos com O Cruzeiro, Manchete e O Pasquim. Foram-se Big Boy, Excelsior e Difusora, Sábado Som,Vicente Leporace, Arrelia e Pimentinha. Dançaram pelos bailes da vida… o Círculo Militar, o Juventus, O Espéria, formatura no Aeroporto, no Pinheiros e a música ao vivo.

Lú, lembra de eu lhe ter dito: “Há muito eu tirei o pé do passado”?

Mentira né?

Ver Todos os artigos de Chiquinho Rodrigues