s
Iscas Intelectuais
Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Como se proteger da manipulação das mídias
Como se proteger da manipulação das mídias
Descubra o passo a passo para se proteger das mentiras, ...

Ver mais

Café Brasil 774 – Adversário x Inimigo
Café Brasil 774 – Adversário x Inimigo
Publiquei um post em minha página do Facebook, dizendo ...

Ver mais

Café Brasil 773 – Falando sobre nação – Revisitado
Café Brasil 773 – Falando sobre nação – Revisitado
O Brasil é um grande país, que precisa de um povo unido ...

Ver mais

Café Brasil 772 – ComunicaAgro – Live com Tejon
Café Brasil 772 – ComunicaAgro – Live com Tejon
Um dia, descobri que grande parte dos ouvintes do ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Há muito tempo tínhamos a ideia de trazer para o ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Entulho? Só quando convém
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Nestes tempos estranhos, algumas expressões da moda são muito ridículas, reverberadas principalmente pelas redes sociais; as politicamente corretas geralmente são as piores. Mas há outras, como o ...

Ver mais

Conhecendo a história do Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Conhecendo a história do Brasil… por meio dos que contaram a história “A história é a justiça imparcial, mas tem a mania de chegar tarde.” Roberto Campos[1] Em artigo intitulado Livros para ...

Ver mais

Tributo a Jaime Lerner
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Tributo a Jaime Lerner Recebi, com enorme tristeza, a notícia do falecimento de Jaime Lerner, ocorrido em Curitiba, dia 27 de maio. Seu trabalho como urbanista é merecedor de reconhecimento tanto ...

Ver mais

Macrotendências
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Macrotendências: mudanças em curso  “As mortes totais causadas pelo terrorismo em todo o mundo despencaram 59% desde seu pico em 2014. No Ocidente, a ameaça presente é menos da violência islâmica ...

Ver mais

Cafezinho 395 – Ervas daninhas
Cafezinho 395 – Ervas daninhas
Afinal, em que tipo de solo você acha que brota a ...

Ver mais

Cafezinho 394 – Seu trabalho não nos interessa
Cafezinho 394 – Seu trabalho não nos interessa
Isso é o que eu chamo de “celebrar o fracasso”: ...

Ver mais

Cafezinho 393 – Velhos Ranzinzas
Cafezinho 393 – Velhos Ranzinzas
Se no reino animal é a degeneração física que torna os ...

Ver mais

Cafezinho 392 – Eu vou matar a rainha
Cafezinho 392 – Eu vou matar a rainha
Tem tanta mentira em volta da gente, que acabamos ...

Ver mais

Não existe novo normal

Não existe novo normal

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Não, não existe o “novo normal” propalado por alguns construtores de expressões de efeito, apelando mais para o sentimento (desespero, histeria e terror, se possível) do que para os fatos, esses acontecimentos chatíssimos, que insistem em manter as vítimas – digo, pessoas – teimosamente dentro da realidade inescapável.

Num Brasil onde facções de todos os tipos vendem mais ilusão que mágico de festa infantil, fica cada vez mais difícil separar os histéricos dos bem intencionados, os estúpidos dos inocentes úteis, os desesperados dos precavidos, mesmo porque frequentemente são a mesma pessoa. Entre eles estão os inteligentinhos. O inteligentinho, define o filósofo pernambucano Luiz Felipe Pondé, é aquele que tem a certeza de ser mais evoluído do que os outros, seja pregando o veganismo extremo, a terapia quântica, o patinete e outras soluções geniais vindas dos três únicos livros que leu na vida, tendo a plena certeza de ser uma máquina a favor do bem, entendendo profundamente todos os problemas do mundo.

Por isso, o inteligentinho tem o dever moral de criar “soluções” tão mágicas como idiotas para os problemas que ele crê que nós, todos os idiotas que habitam o planeta, temos. Haja paciência.

Algum inteligentinho resolveu classificar o plano de proteção à Covid como um “novo normal”; segundo ele, devemos classificar como parte da vida, e de nosso futuro, o álcool gel, as máscaras, o isolamento e outras chatices que infelizmente são necessárias, inevitáveis. Mas o inteligentinho quer tudo. E por uns 30 anos, no mínimo. Portanto, até 2050, viva como se estivesse à beira do apocalipse, de preferência vestindo roupa de astronauta e a 25 metros de sua mãe, sempre sorrindo e achando ótima uma quarentena que nem mesmo a Organização Mundial de Saúde consegue mais fingir dar resultados suficientemente positivos. A OMS deveria pedir perdão à humanidade por ter empurrado o planeta à falência, insistindo na burrice do lockdown selvagem, mas ela é formada em grande parte pelos mesmo inteligentinhos mencionados por Pondé. Caso perdido. Aliás, irremediavelmente perdido, como diria Arthur Azevedo.

Em 1940 os franceses tentaram forçar um “novo normal”. Invadidos pelas forças nazistas, em vez de lutarem por cada palmo de seu país, resolveram render-se de forma humilhante, entregando seu povo e suas riquezas aos exércitos de Hitler. Por quatro longos anos conviveram amigavelmente com seus captores. Forneceram soldados, dinheiro e material bélico aos nazistas, enquanto a polícia francesa perseguia seus próprios compatriotas judeus para mandá-los aos campos de concentração do inimigo-amiguinho. Foram capachos por quatro anos, fingindo conviver bem, quase alegremente, com seus coleguinhas que falavam alemão. Covardemente, colaboraram com uma máquina de matar, tudo em nome de um “novo normal”, que alegavam não ser tão ruim assim. Se não fossem os libertadores americanos e britânicos, estariam ouvindo (e falando) alemão em Paris até hoje.

A Grã Bretanha combateu sozinha, por meses, os países do Eixo, rejeitando a rendição e um “novo normal” de ocupação por um exército inimigo. Os generais franceses riram da coragem britânica, tentando mostrar vantagens na subserviência humilhante, gabando-se de serem inteligentinhos. O resto a História conta: Os britânicos conseguiram repelir os ataques alemães, e a França hoje finge não ter se rendido, dando uma de Kátia cega e fazendo a egípcia.

Antes que as pedradas comecem: A Covid é uma doença grave e todos os cuidados preventivos devem ser tomados; mas daí a nos acomodarmos numa situação absurda de abdicar da vida é coisa de inteligentinho. Ou de francês. Vírus é inimigo, e não sócio. Que venham as vacinas o mais rápido possível.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes