s
Iscas Intelectuais
O Lado Cheio
O Lado Cheio
Aqui é o lugar onde você encontrará análises sobre o ...

Ver mais

Pelé e os parasitas.
Pelé e os parasitas.
Meu herói está lá, a Copa de 1970 está lá, o futebol ...

Ver mais

Branding a preço de banana.
Branding a preço de banana.
Quanto vale o branding? Pelo que estou vendo acontecer ...

Ver mais

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
Um grande comentário sócio-político sobre a divisão em ...

Ver mais

Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Medidas restritivas desproporcionais impostas pelos ...

Ver mais

Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Você já sabe que a Perfetto patrocina o Café Brasil,  ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Café Brasil 761 – O viés nosso de cada dia
Café Brasil 761 – O viés nosso de cada dia
Você já ouviu falar em autoilusão? A forma como nós ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Três livros sobre corrupção e como combatê-la
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A corrupção e o desafio de combatê-la em três livros “Ao contrário da maioria dos crimes violento ou passionais, a corrupção em larga escala é um crime absolutamente racional, baseado na análise ...

Ver mais

Richard Feynman desancando a universidade brasileira… de 1951
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Como acabar com o mito de que a educação brasileira dos anos 50 tinha boa qualidade…   Em 1951, o físico norte-americano Richard Feynman (que posteriormente ganharia o Nobel de Física) veio ...

Ver mais

Exemplos positivos da sociedade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Exemplos positivos da sociedade O início do outono foi marcado pela publicação de dois documentos apresentados por diferentes segmentos da sociedade com considerações críticas e sugestões para o ...

Ver mais

Efeito da pandemia na economia mundial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Efeito da pandemia na economia mundial “O PIB brasileiro se apresentou melhor do que o de muitos países da Europa, por exemplo. No início da pandemia, a expectativa era de que o PIB brasileiro ...

Ver mais

Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Dias 26, 27 e 28 de abril vai acontecer o DESAFIO AS ...

Ver mais

Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Não brigue com seu amigo por causa da política. Depois ...

Ver mais

Cafezinho 373 – oladocheio.com
Cafezinho 373 – oladocheio.com
Venha para o lado dos que querem construir.

Ver mais

Cafezinho 372 – (des)Equilíbrio
Cafezinho 372 – (des)Equilíbrio
Após anos de condicionamento recebendo más notícias, ...

Ver mais

Não existe novo normal

Não existe novo normal

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Não, não existe o “novo normal” propalado por alguns construtores de expressões de efeito, apelando mais para o sentimento (desespero, histeria e terror, se possível) do que para os fatos, esses acontecimentos chatíssimos, que insistem em manter as vítimas – digo, pessoas – teimosamente dentro da realidade inescapável.

Num Brasil onde facções de todos os tipos vendem mais ilusão que mágico de festa infantil, fica cada vez mais difícil separar os histéricos dos bem intencionados, os estúpidos dos inocentes úteis, os desesperados dos precavidos, mesmo porque frequentemente são a mesma pessoa. Entre eles estão os inteligentinhos. O inteligentinho, define o filósofo pernambucano Luiz Felipe Pondé, é aquele que tem a certeza de ser mais evoluído do que os outros, seja pregando o veganismo extremo, a terapia quântica, o patinete e outras soluções geniais vindas dos três únicos livros que leu na vida, tendo a plena certeza de ser uma máquina a favor do bem, entendendo profundamente todos os problemas do mundo.

Por isso, o inteligentinho tem o dever moral de criar “soluções” tão mágicas como idiotas para os problemas que ele crê que nós, todos os idiotas que habitam o planeta, temos. Haja paciência.

Algum inteligentinho resolveu classificar o plano de proteção à Covid como um “novo normal”; segundo ele, devemos classificar como parte da vida, e de nosso futuro, o álcool gel, as máscaras, o isolamento e outras chatices que infelizmente são necessárias, inevitáveis. Mas o inteligentinho quer tudo. E por uns 30 anos, no mínimo. Portanto, até 2050, viva como se estivesse à beira do apocalipse, de preferência vestindo roupa de astronauta e a 25 metros de sua mãe, sempre sorrindo e achando ótima uma quarentena que nem mesmo a Organização Mundial de Saúde consegue mais fingir dar resultados suficientemente positivos. A OMS deveria pedir perdão à humanidade por ter empurrado o planeta à falência, insistindo na burrice do lockdown selvagem, mas ela é formada em grande parte pelos mesmo inteligentinhos mencionados por Pondé. Caso perdido. Aliás, irremediavelmente perdido, como diria Arthur Azevedo.

Em 1940 os franceses tentaram forçar um “novo normal”. Invadidos pelas forças nazistas, em vez de lutarem por cada palmo de seu país, resolveram render-se de forma humilhante, entregando seu povo e suas riquezas aos exércitos de Hitler. Por quatro longos anos conviveram amigavelmente com seus captores. Forneceram soldados, dinheiro e material bélico aos nazistas, enquanto a polícia francesa perseguia seus próprios compatriotas judeus para mandá-los aos campos de concentração do inimigo-amiguinho. Foram capachos por quatro anos, fingindo conviver bem, quase alegremente, com seus coleguinhas que falavam alemão. Covardemente, colaboraram com uma máquina de matar, tudo em nome de um “novo normal”, que alegavam não ser tão ruim assim. Se não fossem os libertadores americanos e britânicos, estariam ouvindo (e falando) alemão em Paris até hoje.

A Grã Bretanha combateu sozinha, por meses, os países do Eixo, rejeitando a rendição e um “novo normal” de ocupação por um exército inimigo. Os generais franceses riram da coragem britânica, tentando mostrar vantagens na subserviência humilhante, gabando-se de serem inteligentinhos. O resto a História conta: Os britânicos conseguiram repelir os ataques alemães, e a França hoje finge não ter se rendido, dando uma de Kátia cega e fazendo a egípcia.

Antes que as pedradas comecem: A Covid é uma doença grave e todos os cuidados preventivos devem ser tomados; mas daí a nos acomodarmos numa situação absurda de abdicar da vida é coisa de inteligentinho. Ou de francês. Vírus é inimigo, e não sócio. Que venham as vacinas o mais rápido possível.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes