s
Iscas Intelectuais
O Lado Cheio
O Lado Cheio
Aqui é o lugar onde você encontrará análises sobre o ...

Ver mais

Pelé e os parasitas.
Pelé e os parasitas.
Meu herói está lá, a Copa de 1970 está lá, o futebol ...

Ver mais

Branding a preço de banana.
Branding a preço de banana.
Quanto vale o branding? Pelo que estou vendo acontecer ...

Ver mais

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
Um grande comentário sócio-político sobre a divisão em ...

Ver mais

Café Brasil 765 – Foxes and Fossils
Café Brasil 765 – Foxes and Fossils
 Você já sabe que a Perfetto patrocina o Café Brasil ...

Ver mais

Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Medidas restritivas desproporcionais impostas pelos ...

Ver mais

Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Você já sabe que a Perfetto patrocina o Café Brasil,  ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

John Williamson e o Consenso de Washington
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
John Williamson e o “Consenso de Washington” “O Consenso de Washington já foi “aquela babaquice” reproduzida por Marcos Lisboa no início do governo Lula, citando a famigerada entrevista de Maria ...

Ver mais

Comércio Eletrônico no Brasil e que fazer em 2021
Michel Torres
No início de abril passávamos pela primeira experiência de fechamento do comércio na maioria das cidades no Brasil em função da pandemia do COVID-19. Esse grande desafio global estava apenas ...

Ver mais

Três livros sobre corrupção e como combatê-la
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A corrupção e o desafio de combatê-la em três livros “Ao contrário da maioria dos crimes violento ou passionais, a corrupção em larga escala é um crime absolutamente racional, baseado na análise ...

Ver mais

Richard Feynman desancando a universidade brasileira… de 1951
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Como acabar com o mito de que a educação brasileira dos anos 50 tinha boa qualidade…   Em 1951, o físico norte-americano Richard Feynman (que posteriormente ganharia o Nobel de Física) veio ...

Ver mais

Cafezinho 377 – Uma onda de crimes
Cafezinho 377 – Uma onda de crimes
“Notícia” é tudo aquilo que o jornalista ou editor ...

Ver mais

Cafezinho 376 – Amizades supérfluas
Cafezinho 376 – Amizades supérfluas
Não tenho tempo de vida para amizades supérfluas.

Ver mais

Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Dias 26, 27 e 28 de abril vai acontecer o DESAFIO AS ...

Ver mais

Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Não brigue com seu amigo por causa da política. Depois ...

Ver mais

Não existe ‘o melhor caminho’

Não existe ‘o melhor caminho’

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -
Amigos, há quem nos exija uma declaração explícita de posicionamento diante das lutas políticas do nosso tempo, como se fosse necessário sustentar um discurso únivoco sobre tudo isso.
 
O problema é que vejo a realidade política como inevitavelmente dialética.
 
Por isso, não consigo me alinhar por completo às fileiras de um grupo nem às do outro. Ambas me parecem mais a expressão de uma ou de outra ideologia do que a conseqüência da análise prudente e racional sobre as nossas circunstâncias.
 
* * *
 
Por exemplo: a questão da abertura das escolas.
 
Vejo justificativas para a sua abertura: a saúde emocional de muitas crianças está em risco com a convivência contínua com as suas famílias – que eventualmente são compostas por pessoas agressivas, ou sádicas, ou indiferentes. A saúde física, e mesmo a própria vida, de algumas outras crianças, especialmente daquelas em situação de risco social, está seriamente ameaçada: sem as escolas, que, juntamente com os Conselhos Tutelares, compõem o olhar protetor da sociedade sobre o bem-estar infantil, há crianças completamente à mercê de todo tipo de abuso.
 
Sob esse viés, é urgente que as escolas recebam os equipamentos de segurança e reabram, e que a presença escolar seja obrigatória para crianças e profissionais que não estejam em grupo de risco.
 
Todavia, enxergo também razões para a manutenção do atendimento exclusivamente online: não conhecemos completamente os fatores de risco da infecção pelo vírus, e ao que tudo indica há mutações que o tornam mais agressivo e mortal. Embora a proporção de crianças que demandam cuidados hospitalares devido à infecção seja muito baixa, existem casos de óbito infantil; e, mesmo que as crianças absolutamente não fossem afetadas pelo vírus, tanto as famílias quanto os funcionários das escolas o são.
 
Sob esse viés, as escolas devem permanecer fechadas até que o risco de morte pelo vírus se torne insignificante.
 
Em suma: há excelentes argumentos de um lado e de outro. Recuso-me a declarar apoio a uma dessas posições – e a ignorar, ou menosprezar, a outra. É muito claro, para mim, que neste caso, e em tantos outros, não existe a alternativa correta: ambas são más. Essa é a natureza dialética das questões políticas.
 
* * *
 
A responsabilidade do intelectual é a de tentar apreender, a partir dos seus lugares existenciais, a dialética dos processos que diante de nós se desdobram. Por isso, não devemos nos encantar pelo espetáculo das luzes coloridas que tão facilmente entorpecem, nem nos deixar embriagar – de amor ou de ódio – pelo discurso que ouvimos; em vez disso, precisamos investigar, dentro de nós, as sombras por essas luzes criadas, e descobrir aquilo que o discurso ilumina ao silenciar.
 
Por essa razão, sempre que estamos prestes a propor uma utopia, descobrimos que, nela, está implicada uma distopia; sempre que estamos prontos para levantar a voz a favor de uma transformação do mundo em um lugar mais justo, percebemos que a nova justiça será infalivelmente sangrenta e atroz.
 
O que fazer diante da inevitável condição dialética da existência humana? Gritar por uma das teses, gritar tão alto que o sussurro do daemon se torne inaudível? Ou reconhecer, vencido, a aporia?
 
Talvez a síntese possível da dialética do pensamento seja o reconhecimento que não há possibilidade de síntese. Ou o reconhecimento de que a própria aporia é sintética. A certeza da nossa incapacidade de escolher o melhor caminho, ao mesmo tempo em que necessariamente escolhemos algum caminho, é a conclusão a que a nossa condição nos permite chegar quando nos deparamos com algum problema social, político, humano.
 
Assim, se devemos escolher um caminho – sempre um caminho que, a rigor, não deveríamos ter escolhido, pois todos, ao fim, são maus –, que nos seja dado o direito de percorrê-lo com o silêncio necessário, o silêncio que é a canção do trágico, o silêncio que nos permite seguir ouvindo, noite adentro, as advertências desesperadas do nosso daemon.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche