s
Iscas Intelectuais
Por dentro das Big Techs
Por dentro das Big Techs
Alguma coisa está mudando na cultura do trabalho, e ...

Ver mais

Um pouquinho de história
Um pouquinho de história
Um pouquinho de história só para manter as coisas em ...

Ver mais

Não olhe para cima
Não olhe para cima
Não olhe para cima é uma comédia para ser levada a ...

Ver mais

Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Café Brasil 805 – O Estupro da Mente
Café Brasil 805 – O Estupro da Mente
Muito bem! No episódio passado, eu introduzi o conceito ...

Ver mais

Café Brasil 804 – Psicose de formação em massa
Café Brasil 804 – Psicose de formação em massa
O termo Mass Formation Psychosis, psicose de formação ...

Ver mais

Café Brasil 803 – Enquanto houver sol
Café Brasil 803 – Enquanto houver sol
E aí? Pronto pro ano novo? Tá complicado, é? Muita ...

Ver mais

Café Brasil 802 – A Lei de Lindy
Café Brasil 802 – A Lei de Lindy
Olhe pela janela... o que restará daqui a 100 anos, de ...

Ver mais

LíderCast 227 – Leticia Zamperlini e Cristian Lohbauer
LíderCast 227 – Leticia Zamperlini e Cristian Lohbauer
No programa de hoje temos Leticia Zamperlini e Cristian ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Hoje bato um papo muito interessante com Leandro Bueno, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Predicáveis: Classificação e Números (parte 4)
Alexandre Gomes
Os PREDICÁVEIS representam a mais completa classificação das relações que podem ser afirmadas DE UM PREDICADO. em relação a um sujeito, TANTO QUANTO as categorias (do ser) são a mais completa ...

Ver mais

Expectativas em relação à China
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Expectativas em relação à China “Embora ainda seja prematuro especular sobre os delineamentos básicos de uma nova e inevitável ordem internacional, a evolução dos acontecimentos parece apontar ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Formas Proposicionais A E I O (parte 3)
Alexandre Gomes
As distinções apresentadas na lição anterior são as bases da CONCEITUAÇÃO e do MANEJO das proposições. Usando a qualidade, ou tanto a quantidade quanto a modalidade, como base, TODA PROPOSIÇÃO ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Características das Proposições (parte 2)
Alexandre Gomes
As PROPOSIÇÕES podem ser agrupadas por cinco características; e cada uma dessas se divide em duas classes. As cinco características são: a) referência à realidade, b) quantidade, c) qualidade, d) ...

Ver mais

Cafezinho 457 – Eu não sabia
Cafezinho 457 – Eu não sabia
O jornalista, crítico da mídia e filósofo amador ...

Ver mais

Cafezinho 456 – Humildade na liderança
Cafezinho 456 – Humildade na liderança
Quando você mistura ignorância com arrogância, pitadas ...

Ver mais

Cafezinho 455 – Para pensar direito
Cafezinho 455 – Para pensar direito
George Orwell escreveu: "Se as idéias corrompem a ...

Ver mais

Cafezinho 454 – A tecnologia mata a paciência
Cafezinho 454 – A tecnologia mata a paciência
A vida é curta demais pra gente ficar esperando. Mas ...

Ver mais

Não existe ‘o melhor caminho’

Não existe ‘o melhor caminho’

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -
Amigos, há quem nos exija uma declaração explícita de posicionamento diante das lutas políticas do nosso tempo, como se fosse necessário sustentar um discurso únivoco sobre tudo isso.
 
O problema é que vejo a realidade política como inevitavelmente dialética.
 
Por isso, não consigo me alinhar por completo às fileiras de um grupo nem às do outro. Ambas me parecem mais a expressão de uma ou de outra ideologia do que a conseqüência da análise prudente e racional sobre as nossas circunstâncias.
 
* * *
 
Por exemplo: a questão da abertura das escolas.
 
Vejo justificativas para a sua abertura: a saúde emocional de muitas crianças está em risco com a convivência contínua com as suas famílias – que eventualmente são compostas por pessoas agressivas, ou sádicas, ou indiferentes. A saúde física, e mesmo a própria vida, de algumas outras crianças, especialmente daquelas em situação de risco social, está seriamente ameaçada: sem as escolas, que, juntamente com os Conselhos Tutelares, compõem o olhar protetor da sociedade sobre o bem-estar infantil, há crianças completamente à mercê de todo tipo de abuso.
 
Sob esse viés, é urgente que as escolas recebam os equipamentos de segurança e reabram, e que a presença escolar seja obrigatória para crianças e profissionais que não estejam em grupo de risco.
 
Todavia, enxergo também razões para a manutenção do atendimento exclusivamente online: não conhecemos completamente os fatores de risco da infecção pelo vírus, e ao que tudo indica há mutações que o tornam mais agressivo e mortal. Embora a proporção de crianças que demandam cuidados hospitalares devido à infecção seja muito baixa, existem casos de óbito infantil; e, mesmo que as crianças absolutamente não fossem afetadas pelo vírus, tanto as famílias quanto os funcionários das escolas o são.
 
Sob esse viés, as escolas devem permanecer fechadas até que o risco de morte pelo vírus se torne insignificante.
 
Em suma: há excelentes argumentos de um lado e de outro. Recuso-me a declarar apoio a uma dessas posições – e a ignorar, ou menosprezar, a outra. É muito claro, para mim, que neste caso, e em tantos outros, não existe a alternativa correta: ambas são más. Essa é a natureza dialética das questões políticas.
 
* * *
 
A responsabilidade do intelectual é a de tentar apreender, a partir dos seus lugares existenciais, a dialética dos processos que diante de nós se desdobram. Por isso, não devemos nos encantar pelo espetáculo das luzes coloridas que tão facilmente entorpecem, nem nos deixar embriagar – de amor ou de ódio – pelo discurso que ouvimos; em vez disso, precisamos investigar, dentro de nós, as sombras por essas luzes criadas, e descobrir aquilo que o discurso ilumina ao silenciar.
 
Por essa razão, sempre que estamos prestes a propor uma utopia, descobrimos que, nela, está implicada uma distopia; sempre que estamos prontos para levantar a voz a favor de uma transformação do mundo em um lugar mais justo, percebemos que a nova justiça será infalivelmente sangrenta e atroz.
 
O que fazer diante da inevitável condição dialética da existência humana? Gritar por uma das teses, gritar tão alto que o sussurro do daemon se torne inaudível? Ou reconhecer, vencido, a aporia?
 
Talvez a síntese possível da dialética do pensamento seja o reconhecimento que não há possibilidade de síntese. Ou o reconhecimento de que a própria aporia é sintética. A certeza da nossa incapacidade de escolher o melhor caminho, ao mesmo tempo em que necessariamente escolhemos algum caminho, é a conclusão a que a nossa condição nos permite chegar quando nos deparamos com algum problema social, político, humano.
 
Assim, se devemos escolher um caminho – sempre um caminho que, a rigor, não deveríamos ter escolhido, pois todos, ao fim, são maus –, que nos seja dado o direito de percorrê-lo com o silêncio necessário, o silêncio que é a canção do trágico, o silêncio que nos permite seguir ouvindo, noite adentro, as advertências desesperadas do nosso daemon.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche