s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Não pode xingar, filho da puta!

Não pode xingar, filho da puta!

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                                   Em show realizado dia 8 em Cuiabá, o grupo Titãs teve uma atitude no mínimo curiosa: Lá pelas tantas, uma parte dos fãs presentes puxou um coro de “fora Dilma”. Os músicos não gostaram, e depois do discurso moralizador do vocalista Paulo Miklos, pedindo respeito à presidonta, à democracia (?!) incluíram no repertório a música Desordem, não prevista naquela noite. A letra dela recrimina quem deseja “criar desordem”. Alguns (os de sempre) elogiaram a “educação” e a “elegância” do grupo. Ora vejam só.

                                   Bons tempos em que os Titãs tinham uma postura muito diferente; não sempre correta, nem sempre perfeita, mas verdadeira. Não essa, comprada em prateleira de supermercado fuleiro com o rótulo de Banda Chapa Branca. Na verdade, houve tempo, não distante, em que esses senhores, atuais defensores empedernidos da moral e dos bons costumes, pensavam de maneira muito diferente, como expressaram na música Vossa Excelência, de 2005:

Estão nas mangas dos Senhores Ministros
Nas capas dos Senhores Magistrados
Nas golas dos Senhores Deputados
Nos fundilhos dos Senhores Vereadores
Nas perucas dos Senhores Senadores
Senhores!
Senhores!
Senhores!
Minha Senhora!
Senhores!
Senhores!
Filha da Puta!
Bandido!
Corrupto!
Ladrão!

Sorrindo para a câmera
Sem saber que estamos vendo
Chorando que dá pena
Quando sabem que estão em cena
Sorrindo para as câmeras
Sem saber que são filmados
Um dia o sol ainda vai nascer
Quadrado

Isso não prova nada!
Sob pressão da opinião pública
É que não haveremos de tomar nenhuma decisão!
Vamos esperar que tudo caia no esquecimento
Aí então…
Faça-se a justiça!
Estamos preparando vossas acomodações, Excelência.
Filha da Puta! Bandido!
Corrupto! Ladrão!

                                   Como se vê, a letra é de um respeito a toda prova, próprio de quem o exige de terceiros. Muito justo, claro. Muito coerente com a aula de educação ministrada aos cuiabanos, não?

                                   Mas não só eles mudaram radicalmente em relação ao poder. Muita gente ficou amiguinha de Dilma & Lula nos últimos anos. Luis Fernando Veríssimo, por exemplo, abandonou o tom crítico e irônico em relação a governos passados e, por pura e absoluta coincidência, é hoje o escritor vivo que mais vende livros ao Ministério da Educação e Cultura. Chegou a “matar” sua personagem A Velhinha de Taubaté, sempre a ironizar ex-presidentes – até 2003. Depois tornou-se franco adesista, alcançando as glórias e benesses afeitas a todos os que enveredam por tais caminhos.

                                   Duas frases, emblemáticas, decodificam muito bem tais intenções. Uma é do grande Millôr, que dispensa apresentações: “Desconfio de todo idealista que lucra com seu ideal”. A outra é do brasilianista americano Richard Moneygrand: “O Brasil só vai sair do atoleiro quando aceitar que existe realidade”. Com alto poder de síntese, os dois aforismos se bastam, sendo o restante apenas a velha gravitação geral dos insetos ao redor da lâmpada, de uma interminável e estéril variação sobre o tema.

                                   Engraçado: Fora Collor era muito democrático e a lulada pedia (e conseguiu!), como exigiu fora FHC, fora Sarney, fora tudo. Mas fora Dilma, com todas as provas de corrupção e incompetência escancaradas… aí é golpe. Julgam-se professores de Deus. Devem descansar no sétimo dia.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes