s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Não temos golfinhos, mas temos toninhas

Não temos golfinhos, mas temos toninhas

Bruno Garschagen - Ciência Política -

No fim dos anos 1920, René Magritte apresentou um quadro que ficou famoso por negar aquilo que mostrava. A traição das imagens exibia o desenho de um cachimbo com a afirmação “isto não é um cachimbo”. Ao negar que o cachimbo fosse um cachimbo, o pintor mostrava que a representação da coisa não era a própria coisa.

A reação dos petistas e dos coronéis da esquerda à apresentação da denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na semana passada foi simbólica da ironia representada no quadro de Magritte. Diante da acusação de que Lula era o comandante do “esquema delituoso de desvio de recursos públicos”, a esquerdalha pinçou duas palavras (“convicção” e “provas”) de dois procuradores diferentes para forjar uma frase mentirosa que representasse uma coisa (a inocência de Lula por ausência de provas) para negar a própria coisa (a acusação dos crimes cometidos por Lula).

Você deve ter acompanhado a história: o procurador Deltan Dallagnol afirmou, em sua apresentação, que “provas são pedaços da realidade, que geram convicção sobre um determinado fato ou hipótese”. Em seguida, em resposta aos jornalistas, disse que “dentro das evidências que nós coletamos, a nossa convicção, com base em tudo que nos expusemos, é que Lula continuou tendo proeminência nesse esquema, continuou sendo líder nesse esquema mesmo depois dele ter saído do governo”.

Depois, ao apresentar sua parte, o procurador Roberson Pozzobon explicou que, “em se tratando da lavagem de dinheiro, ou seja, em se tratando de uma tentativa de manter as aparências de licitude, não teremos aqui provas cabais de que Lula é o efetivo proprietário no papel do apartamento, pois justamente o fato de ele não figurar como proprietário do tríplex, da cobertura em Guarujá, é uma forma de ocultação, dissimulação da verdadeira propriedade”.

Duas falas distintas, sobre crimes distintos, com o uso de palavras distintas foram convertidas no mantra “não temos provas, mas temos convicção”. Na falta de argumentos para rechaçar a denúncia, os petistas aplicaram a técnica do cachimbo: “isto não demonstra o crime”.

No dia da apresentação dos procuradores, o repórter do BuzzFeed Brasil Alexandre Aragão foi ligeiro ao descobrir a origem por trás da frase que ganhou as redes sociais: o site esquerdista Conexão Jornalismo, que usou aspas de forma malandra no título do texto “Não temos como provar. Mas temos convicção” para criar a impressão de que era uma frase dita por um dos procuradores. Em seguida, a frase e suas derivações viralizaram nas redes sociais.

Iniciou-se a partir daí a segunda Batalha das Toninhas. A denúncia passou a ser atacada não pelo seu conteúdo, mas pela suposta ausência de provas. Uma grave acusação jurídica foi convertida em instrumento de perseguição política.

O publicitário Alexandre Borges, articulista da Gazeta do Povo, não cansa de alertar para a necessidade de se investigar a verdade “toda vez que a imprensa e as redes sociais forem invadidas por um tsunami de hashtags e textões engajados”. Por qual razão? Porque “a mentira e a gritaria histérica viraram armas extremamente eficientes da luta política num mundo hiperativo, à beira de um ataque de nervos e sem tempo para pensar”. E assim muita gente se torna instrumento útil de uma causa infame.

Se no quadro de Magritte o objeto não é um cachimbo, na guerra ideológica no Brasil, a toninha não é um golfinho.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen