s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Nem toda unanimidade é burra

Nem toda unanimidade é burra

Paulo Rabello de Castro - Iscas BrasilEficiente -

Nelson Rodrigues, grande crítico da estupidez humana, considerava o pensamento homogêneo como sinal da ignorância coletiva: “Toda unanimidade é burra”, ele pontificava. Provocador profissional do Brasil e frasista sem igual, Nelson tinha aversão à burrice, uma das maiores vítimas de sua acidez. Para ele, a burrice, além de vasta, seria também eterna.

Se estivesse vivo na última terça-feira (1), Nelson talvez estivesse decepcionado. Não apenas com o Fluminense, seu time do coração. Mas também com a contraprova de sua máxima, pois, nem sempre, qualquer unanimidade é estúpida em suas decisões.

No primeiro dia de dezembro, os Senadores da República, por unanimidade, aprovaram em plenário uma medida relevante para a recuperação do País, o PLS 141/2014, de autoria do senador catarinense Paulo Bauer, que amplia as atribuições do futuro Conselho de Gestão Fiscal (CGF) e viabiliza sua instalação.

O órgão, ao ser criado, auxiliará o governo no controle do orçamento e já provou sua importância em outros países. É um Conselho previsto no artigo 67 da Lei de Responsabilidade Fiscal mas, por incrível que pareça, até que Bauer aparecesse em cena, nenhum parlamentar saíra da inércia para votar a instalação do órgão. O CGF deverá normatizar e padronizar práticas contábeis aplicáveis ao setor público, inibindo conhecidas manobras dos governos federal ou locais conhecidas como “contabilidade criativa”. Ou seja, um projeto inteligente para impedir que gestores tomem medidas espertas para eles, mas muito burras para o público que depois paga a conta.

Foram 15 anos esperando nas gavetas do Congresso Nacional para que os nobres políticos avançassem em sua aprovação. Mas agora, o Senado deu um recado unanime para assegurar que, no futuro próximo, as contas do aís estejam mais claras e bem organizadas e os desperdício de dinheiro público seja duramente combatido, antes que a fraude e a corrupção dominem o contexto da Administração pública. Afinal, quem poderia ser contra esse objetivo, votando de modo aberto em favor da escuridão fiscal?

Agora, precisamos ir até o fim e mostrar ao grande Nelson que nem toda burrice é eterna.

Provaremos aos céticos que o Brasil está preparado, receptivo e ansioso por um sistema tributário simples e funcional. Outra unanimidade à espera de votação. Também precisamos esquecer a ideia de que o “Brasil é impopular no Brasil”, expressão até hoje verdadeira, do mestre Nelson Rodrigues. Eventos como a sessão do Senado que aprovou o Conselho de Gestão Fiscal reacendem a esperança de que, em meio ao lamaçal político, ambiental e a tantas outras mazelas, seremos mais capazes de pensar de maneira moderna, harmoniosa, séria, e fazer reformas estruturais finalmente acontecerem.

A Previdência Social, por exemplo, também deve sofrer mudanças construtivas em prol dos participantes que, no regime atual, só têm a perder. E não precisamos esperar mais 15 anos para que elas aconteçam. O artigo 68 da mesma lei de Responsabilidade, vizinho do 67 que ordena o CGF, será a “salvação da lavoura” para os contribuintes do INSS que hoje só sabem quanto têm a pagar mas não têm nem noção do que poderão vir a receber como benefícios futuros. O artigo 68 manda o governo constituir um fundo, com recursos palpáveis, para garantir a previdência de todos em contas individuais e que irão acumulando os recursos contribuídos pelo empregados e seus empregadores.

Infelizmente, a maior corrupção de todas é a que hoje nos rouba a esperança no futuro. Com descrença geral, esta sim, a maior de todas as unanimidades burras, o Brasil nunca dará a volta por cima. E os desafios, apesar de enormes, são sanáveis, se a maioria da população não permanecer inerte e silente. Mas esse é um assunto para outra coluna. Por hoje, vamos saborear a primeira vitória de uma nova era que vamos fazer chegar.

Colaborou Agatha Justino.

Quer ajudar o Movimento Brasil Eficiente na luta por mais retorno pelos impostos que pagamos? Conheça a proposta e participe do abaixo-assinado em www.assinabrasil.org.

Ver Todos os artigos de Paulo Rabello de Castro