s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Ni nóis não

Ni nóis não

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A história todo mundo conhece, pelo menos no enredo do samba: Criminosos de extenso currículo (estelionatários, ladrões, traficantes) foram contratados para espionar telefones privados de autoridades, variando de promotores até o presidente. De posse do material ilegal, os bandidos trataram de leiloá-lo; segundo eles próprios, ao confessar os crimes, foi por puro “patriotismo”, sem a menor intenção de auferir lucro sórdido. Só não explicaram como completar mais de seis meses dedicados a isso, sem trabalhar, invadindo mais de mil telefones. Por amor à Pátria, provavelmente. Nós é que somos maldosos demais, gente… bandido-patriota tá na moda.

De posse desse produto de crime, colhido com alta tecnologia, entregaram-no (!?) ao “jornalista” Glenn Greenwald, um mero editor de blog político, militante de esquerda radical, casado com um deputado do PSOL, partido de extrema esquerda. Ou seja… uma espécie de soviete digital tupiniquim que se arvorou defensor dos brasileiros, tudo de graça e sem o menor interesse… claro. Aham. Agora conta a do papagaio.

Resumo da ópera: Greenwald, genialmente apelidado de Verdevaldo pela verdadeira imprensa, escondeu o material fruto de crime, não procurou a polícia (pois alegava que fora procurado por fonte “anônima”, que engraçadão), e passou a publicar pedaços, como capítulos, do bagulho em qualquer imprensa comunistoide que se oferecesse para tanto. Em pouco tempo comprovou-se que o material fora adulterado (nomes inventados, datas trocadas, três mensagens enviadas no mesmo dia, hora, minuto e segundo – pior ainda que o recibo de Lula datado de 30 de fevereiro); mesmo assim, a farsa continua, para deleite da extrema esquerda caviarista do Brasil e exterior. Sem provas, todos sambando no produto de um crime… e felizes.

Pois bem: Eis que a polícia federal encontrou e prendeu os bandidos, que rapidamente confessaram seus crimes (ainda não cuspiram o nome de quem pagou pelo trabalho sujo), mas mesmo assim a lulada grita histérica, comemorando as “verdades” expostas em sites e jornais militantes de esquerda ou a soldo de personagens ainda por descobrir. Lembrados de que não se pode utilizar provas obtidas de modo ilegal, a lulada diz que isso “não interessa”. Dane-se a lei, o que importa é o conteúdo. Como sempre, desde Karl Marx, o vabagundo mais famoso da história, a esquerda alega que os fins justificam os meios, mesmo que seja matando e roubando, para alcançar seus intentos – sempre ilegais.

Porém, ficam mais histéricos ainda quando lembram dos crimes durante a ditadura militar. Ni mim não, cumpanhêro! A ditadura não podia roubar informações, mas a esquerda pode. Simples assim. Ora, porque não “legalizar” também o assassinato, o estupro, a tortura, para conseguir informações? Afinal, a esquerda sempre fez isso, de Stalin a Fidel, passando por Mao Tsé Tung, Pol Pot e Nicolás Maduro. Sim, a esquerda pode tudo, camaradas. E traz o champagne gelado, por favor – os vermelhos só gostam de pobreza para os outros.

O diabo é que só eles “podem” ser desonestos em nome da honestidade. Ni mim não, endossaram os ministros do STF Dias Tófolli e o emblemático Gilmar Mendes, quando os jornais aventaram suspeitas de crime financeiro envolvendo suas nobres esposas; fizeram silêncio obsequioso, quando não apadrinhante, quanto às falcatruas aproveitadas por Verdevaldo, mas reagiram indignadíssimos quando o fogo veio parar em seu colo. Ni mim não!

Eis que as tais informações reveladoras atingiram ministros do STF, vindas, aparentemente, de funcionários da Receita Federal. Aí não pode, cumpanhero. Ni nóis não! Rapidamente as informações foram enterradas embaixo de montanhas de liminares, cadeados jurídicos e discursos inflamados sobre “segurança das informações”, entre outras manifestações dramáticas. Inacreditável a cara de pau dessa gente.

Resumo da ópera 2: Pra tentar aleijar o governo Bolsonaro e soltar Lula, qualquer crime pode ser justificado. Qualquer um. Já para descobrir os segredos subterrâneos da República e as artimanhas urdidas na calada da noite, a cadeia é pouco para quem tentar – qualquer um que não seja lulista empedernido. Essa é a lógica dos lulistas verdevaldeanos.

Os lulistas ainda vão defender o assassinato como forma de defesa – mas só para eles, claro. Vão institucionalizar e legalizar o “justiçamento” que a esquerda terrorista praticava durante o regime militar? Celso Daniel que o diga. Antônio Palocci sabe disso tudo e tá que não passa nem pensamento nos aconchegos.

A quem duvidar dessa tendência, basta uma simples leitura do Manual do Guerrilheiro Urbano, escrito pelo assassino, assaltante e terrorista Carlos Marighella, monstro que a lulada classifica como “herói”: https://www.plural.jor.br/documentosrevelados/wp-content/uploads/2015/08/carlos-marighella-manual-do-guerrilheiro-urbano.pdf?source=post_page—————————

Resta saber o que um lulista diria se tivesse seu telefone invadido e o conteúdo exposto em capítulos na mídia mundial, sem provas e com o conteúdo adulterado. Hipócritas.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes