Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Olha, os dias andam um saco! Todo mundo nervoso, ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

5 ações de marketing para ajudar a superar a crise do coronavírus
Michel Torres
Negócios em todo o mundo estão sentindo os efeitos da pandemia: menos clientes, menor receita e o medo de não ter condições de aguentar esse tempo de prejuízo. Precisamos salvaguardar a saúde e o ...

Ver mais

Brasis
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Brasis  “Quanto tempo um homem deve virar a cabeça, fingindo não ver o que está vendo?” Bob Dylan Minha primeira lembrança pra valer do que vou focalizar neste artigo é de quando li Os dos ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Qual janela você escolheu para ver o mundo?

Ver mais

Cafezinho 291 – Indignite
Cafezinho 291 – Indignite
- Tão pagando bem! Faz o seu e fica quieto!

Ver mais

Nossa riqueza étnica

Nossa riqueza étnica

Jota Fagner - Origens do Brasil -

Minha mãe havia chegado para passar o Natal conosco. A cidade estava cheia, contagiada com o clima festivo. Numa época em que as ligações interurbanas ainda eram muito caras – e ter uma linha telefônica era algo impensável para pessoas pobres como nós – a comunicação com ela se dava por cartas. Muitas informações sobre os acontecimentos dos meses anteriores foram omitidas. As missivas contavam superficialmente o ocorrido.

Eu estava sentado no meu carro de pedal em frente à casa do Murilo. Aproveitávamos a sonatinha e os discos trazidos de São Paulo. Não podíamos mexer em nada para não quebrar, mas costumávamos pedir para alguém mais velho colocar os discos para a gente. Entre os LPs que o Murilo gostava de repetir estava um do Jimmy Cliff intitulado: Follow my mind. Era um disco de 1976, mas o Murilo agia como se fosse a maior novidade. Na capa o Jimmy Cliff parecia estar sentado numa cadeira velha com o encosto voltado para a frente. O Murilo nem ouvia o lado A completo, ficava repetindo a primeira canção, Look at the mountains. Eu já estava meio enjoado. Toda vez que ele ouvia:

♫ Mama look at the mountain ♪

O poliglota tentava acompanhar cantando:

♪A maluca do mangue ♫

Mas é maldade minha fazer deboche do inglês do meu amigo. Não só pelo fato dele ser apenas dois anos mais velho do que eu, mas também porque era assim que todos no bairro cantavam a música naquela época.

– Jota Efe! – Gritou minha mãe, lá do meio da ladeira.

Eu sabia do que se tratava. Era hora de tomar banho para visitar Vó Santa, minha bisavó.

Seu nome cristão era Maria Santa Souza, por isso eu a chamava de Vó Santa, para diferenciar da minha avó. Contam os mais velhos que no dia do casamento o padre perguntou o nome da noiva. Como ela – índia do tronco macro gê – não possuía registro cristão, meu bisavô (um português recém-chegado à Terra Brasilis) teria dito: “Maria”.

– Maria de quê? – Perguntou o padre.

– Maria Santa. – Respondeu José Alves de Souza, meu bisavô.

A tara dos portugueses pelas nativas de Pindorama já havia sido registrada na carta de Pero Vaz. Caminha escreveu que nessa nova ilha os nativos possuíam “corpos formosos” e moças “tão bem-feitas (…) que a muitas mulheres da nossa terra, vendo-lhe tais feições, lhes faria vergonha por não terem a sua como a dela”. Mas essa foi apenas a primeira observação. Durante o período colonial se tornou comum o casamento entre portugueses e índias.

A Igreja Católica encontrava dificuldades para catequizar um povo adepto da poligamia. Os colonos, por sua vez, buscavam fortalecer as relações de poder. Para isso uniam-se às filhas dos mais respeitáveis membros das tribos. Um bom exemplo dessas relações está na história de João Ramalho. Ele foi um dos que sobreviveram aos primeiros 30 anos de colonização. Havia deixado esposa em Portugal, mas, aqui na boa terra, se casou com Bartira, filha do cacique Tibiriçá. Segundo o Padre Manoel de Nóbrega, Ramalho teve outras esposas e muitos filhos; andava nu e deixava a barba grande e descuidada.

Pelo sim ou pelo não, assim ficou batizada a minha bisavó desde aquele dia. O padre aceitou as informações que lhe foram passadas e celebrou o casamento. Tiveram sete filhos. Mas José Alves, barbeiro sem muitos recursos, morreu antes da minha mãe nascer. Maria Santa morava agora com a filha caçula, e era para lá que iríamos.

Ver Todos os artigos de Jota Fagner