s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Nosso Pearl Harbor

Nosso Pearl Harbor

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Quando o Japão atacou os Estados Unidos, em 1941, destruindo a base aeronaval de Pearl Harbor, o então presidente Franklin D. Roosevelt discursou no congresso, externando toda a sua revolta pelo ataque. Foram palavras memoráveis, dignas de um estadista. Roosevelt classificou aquele fatídico dia 7 de dezembro como um dia que viveria na infâmia. Demorou, mas os japoneses pagaram caríssimo pela ousadia – o resultado todo mundo sabe, incluindo as duas bombas atômicas sobre Hiroshima e Nagasaki em 1945.

Estamos perto de um dia da infâmia, e o ataque não virá de fora. Virá de um castelo em Brasília, distante de nós, pobres mortais, habitado por uma nobreza que não se mistura com a ninguenzada aqui embaixo, a plebe fedorenta que atende pelo nome de povo. Enquanto vivem lá, no fausto, entre vinhos caríssimos, queijos importados e recebendo a atenção de uma verdadeira corte de serviçais, assessores, motoristas, médicos, massagistas, seguranças, garçons e puxa-sacos em geral, nós ficamos aqui embaixo aguardando uma migalha que caia das beiradas de pedra da torre mais alta, habitada pelas figuras míticas que formam o Supremo Tribunal Federal.

Quinta-feira começa o julgamento de mais uma insanidade pelo STF; mais do que uma insanidade, um crime para lesar o Brasil, a Nação, o povo. Um desastre que, caso aprovado, soltará de imediato, uma legião que varia entre 90 e 190 mil assassinos, traficantes, estupradores, assaltantes e marginais dos mais perigosos, pelo motivo mais absurdo que as mentes jurídicas do País todo puderam conceber. Parte dos ministros do STF, assediados pela turba lulista, quer torcer a lei e a Constituição para, espremendo bem, numa decisão digna de hospício, soltar Lula e impedir que o corrupto e lavador de dinheiro seja condenado novamente. Como? Proibindo que qualquer bandido (não só Lula) cumpra pena sem antes esgotar todos os degraus e recursos de nosso judiciário, algo que pode levar 30, 40 anos – ou até mais. Pouco importa a esses nobres, enclausurados numa torre de marfim, que a “solução” encontrada para impedir que a Justiça seja feita resulte na soltura imediata de todos os criminosos que tenham sido julgados “só” em segunda instância; afinal, essa gente (semideuses?) está rodeada por batalhões de seguranças armados, viajando em jatinhos e carros blindados. Estão se lixando se a criminalidade vai quintuplicar ou não. Sem contar os demais futuros bandidos gozando de verdadeiro salvo-conduto para matar, roubar, traficar e estuprar, respondendo por isso soltinhos da silva, sem o menor medo da Justiça, até serem julgados em penúltima ou mesmo última instância. Ou seja, o risco de nos transformarmos no paraíso do crime é real e palpável. A partir de quinta-feira, dia 17 de outubro, vamos saber se essa manobra apocalíptica vai funcionar ou não.

Para surpresa de ninguém, lulistas de todos os tipos apoiam plenamente tal loucura, alegando pensar nos “pobres”, presos injustamente. Quanta cara de pau, quanto cinismo. Nunca defenderam um pobre na vida (embora de fato adorem bandidos), mas utilizam isso como justificativa para rasgar a constituição e colocar na rua o maior corrupto da História, que movimentou uma quantidade de dinheiro público diretamente para bolsos privados sem precedentes no mundo. É pouco?

Enquanto dá ouvidos ao cinismo da lulada, o STF novamente aplica um passa-moleque no povo; para parte do Supremo, há todo o tempo de mundo para prestar vassalagem a Lula, mas nem um segundo para julgar demandas das quais o povo realmente depende, como as ações abrangendo planos econômicos de expurgo de poupança (Collor/Verão/Bresser), prejudicando centenas de milhares de brasileiros. Para estes, nem um segundo do precioso tempo da suprema corte. Que aguardem; já esperaram trinta anos, por que não mais uns quarenta? Os bancos aplaudem, felizes, mais esse jeitinho para não pagar os antigos poupadores, assaltados na mão grande. É simplesmente inacreditável saber disso tudo e depois assistir Gilmar Mendes na Globo, se justificando. Meu Deus do Céu. É impressionante como lulistas e demais interessados no trem da alegria maquiam um plano para a volta retumbante da impunidade no Brasil, enquanto cospem aquele discursinho calhorda em defesa dos “inocentes presos”. E o Brasil que se vire com os milhares de bandidos na rua – fora os que passarão anos cometendo todos os crimes sem serem aprisionados, muitas vezes beneficiados pela prescrição. A lulada chega a se emocionar com esse caos que tanto bem lhes fará.

Não se sabe se o dia da infâmia, libertando Lula e outros milhares de criminosos, virá; mas se vier, o povo não vai admitir. E bombas atômicas virão também, mesmo que metafóricas. Resta saber onde será a nossa Hiroshima.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes