s
Iscas Intelectuais
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Atividades no Ecossistema Café Brasil de 25/07/20 a 31/07/20

Ver mais

Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Quatro aulas gratuitas sobre Produtividade que ...

Ver mais

Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 730 – Um massacre cultural revisitado
Café Brasil 730 – Um massacre cultural revisitado
Você acha que a música popular brasileira acabou, hein? ...

Ver mais

Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Se você está feliz porque estão sendo caladas as vozes ...

Ver mais

Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Já se sentiu perseguido ou discriminado por conta de ...

Ver mais

Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Houve um tempo em que a censura vinha do Estado ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Minha viagem pela Economia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Minha viagem pela Economia “Mais importante que as riquezas naturais são as riquezas artificiais da educação e tecnologia.” Roberto Campos Em março de 1974 embarquei numa viagem na estação ...

Ver mais

Cloroquina. Ou: Da necessidade da Filosofia
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
“Eu tomei cloroquina e fiquei curado”. Quantas vezes não ouvimos ou lemos alguém dizendo isso? Não duvido: muitos devem ter superado o Covid após o uso da cloroquina. Isso significa ...

Ver mais

Um sentido para a vida
Jota Fagner
Origens do Brasil
Esta semana eu completo 41 voltas em torno do Sol. Confesso que nunca entendi o motivo de se parabenizar alguém que faz aniversário. Parabéns pelo quê? Por continuar vivo? Como se pudéssemos ...

Ver mais

A real história do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A real história do Plano Real Uma moeda cunhada no consenso democrático Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século ...

Ver mais

Cafezinho 307 – O Otário
Cafezinho 307 – O Otário
Quase não há mais espaço para o deleite.

Ver mais

Cafezinho 306 – Sem treta
Cafezinho 306 – Sem treta
Empatia com quem produz o conteúdo que você curte

Ver mais

Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Bote sua energia em mudar a realidade para outra ...

Ver mais

Cafezinho 304 – (in)Tolerância
Cafezinho 304 – (in)Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Novos aproveitadores

Novos aproveitadores

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Não, não se trata de defender Bolsonaro, o presidente que não perde uma oportunidade de perder uma oportunidade.

Trata-se, isso sim, de admitir que muitos dos inimigos do presidente utilizam seus constantes escorregões para, com a lábia que lhe falta, fazer cara de anjinho e impingir suas demências – quando não desonestidades. São os aproveitadores de ocasião, quase uma redundância.

A tática não é nova, nem se restringe ao Brasil. Ocorre no mundo todo, principalmente em países democraticamente dirigidos pela direita (apenas uma coincidência, dirão os mesmos aproveitadores). Basta observar o que ocorre nos EUA, Inglaterra, Dinamarca e tantos outros lugares: Em nome de um fantasioso “combate” ao racismo e a um fascismo absolutamente inexistente, vândalos e ladrões exigem carta branca para destruir e roubar, não importando se o patrimônio é público ou privado. Nessa hora sagrada do “ódio do bem”, esquecem até da Covid. Quase uma missão divina desses auto-intitulados defensores da Humanidade, mesmo que esta não queria ser defendida – ao menos não dessa maneira, onde a “cura” é pior do que a alegada doença. Não, não é coincidência que a quarentena orquestrada pela criminosa OMS talvez responda por mais desgraças que a própria doença. Nunca, em nenhuma das anteriores pandemias havidas desde o início do século XX, medidas tão drásticas, praticamente suicidas, foram levadas a cabo. Nem mesmo em 1969, quando a Gripe de Hong Kong matou um milhão de pessoas no mundo; hoje não chega nem a nota de rodapé em enciclopédias. A tuberculose matou UM BILHÃO de pessoas de 1850 a 1950, e se alguém falasse em quarentena tomaria uma surra. A varíola dizimou 300 milhões de pessoas no século XX. A malária mata 3 milhões de seres humanos todos os anos, até hoje. Trinta mil crianças morrem todos os anos no Brasil por falta de saneamento básico, e ninguém toca no assunto; pior, a esquerda tentou impedir que empresas particulares ajudassem a cessar esse extermínio. Sem mencionar tifo, febre amarela e outros males.

Antes das pedras começarem a voar: Não é uma gripezinha, é uma doença perigosa, e ninguém disse que é pra correr às ruas sem máscara e sem documento, uns cuspindo na cara dos outros. A dose do remédio está errada, não o remédio em si. Não somos a Alemanha, infelizmente.

Enfim: Quando a gente abre o jornal e lê que um padre no interior de São Paulo (Nélson Rodrigues o classificaria como o famigerado padre de passeata) afirmou, em plena Missa, que quem votou em Bolsonaro deveria se confessar… seria o caso de perguntar ao sacrossanto clérigo se ele sugere uma medalha a quem votou em Fernando Haddad, representante legítimo e ungido da quadrilha comandada pelo condenado Lula. Voto, muitas vezes, não é convicção, é apenas opção. Já o padre está tentando vender seu peixe (podre). Muito feio, mesmo depois do clerical pedido de desculpas, feito de uma forma nada convincente. Tentou empurrar um factóide pra vender uma facção, a da lulada. Aproveitadores da Teologia da Libertação, travestidos de sacerdotes, apoiaram o religioso. Só rindo diante de tanta cara de pau.

A lista é longa, e os aproveitadores atuam de além mar. Emmanuel Macron, idiota que preside a França desde 2017, está se vendo cercado pela oposição. Seu partido foi espancado nas ultimas eleições e, em busca de apoio, foi cair no colo de seus antigos inimigos do partido verde francês, que prega não a ecologia, mas uma ideologia tosca de esquerda, na qual o ser humano é apenas um acidente de percurso na vida da Mãe Terra.

Pois bem: Em vez de lutar, Macron fez o mesmo que o exército francês faz reiteradamente desde Napoleão Bonaparte: Rendeu-se. Vestiu a fantasia verdinha, fajuta e aproveitadora como a de Greta Thunberg, a messiânica e bolorenta adolescente sueca que prega uma espécie de volta às cavernas como salvação para o mundo.

Agora Macron faz biquinho para o Brasil, e a razão é simples: O novo movimento “verde” francês não está preocupado porcaria nenhuma com essa bandeira ecológica. A francesada está é apavorada com o agronegócio brasileiro, muito mais eficiente que o deles. Como não conseguem produzir mais nem melhor, utilizam a pecha de “queimador de florestas” contra Bolsonaro, atingindo o País todo, sob o falso manto protetor da “ecologia”. Patético mas funcional, agora que pensar dói e raciocinar é praticamente um pecado.

Infelizmente, Bolsonaro cai como um pato nessas armadilhas, mesmo montadas por aproveitadores tão imbecis e historicamente covardes. A Amazônia não “está em chamas”, como pregam, mas as atitudes do presidente, suas declarações simplórias, muitas vezes erráticas, contribuem negativamente no mercado internacional. E a França é apenas um exemplo na toada contra nosso agronegócio altamente profissionalizado e produtivo.

Bolsonaro faz muita besteira, dando espaço e álibi aos aproveitadores disfarçados de defensores da honestidade, da saúde mundial, das árvores e tudo o que for modinha… são muito preocupantes. Bom-mocismo de araque.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes