s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Que tempo de medos, não? Mas será um medo ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus
Michel Torres
Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas Um detalhe sobre a pandemia do coronavírus em curso é que as áreas com focos concentrados são ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Forjado na derrota
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Forjado na derrota “A um escritor, assim como a um armador, não era permitido sentir medo.” Pat Conroy Conversando por telefone com minha irmã, depois de meses sem nos vermos por ...

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Ser capaz de detectar as merdades deveria ser a ...

Ver mais

Números reveladores

Números reveladores

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Números reveladores

“Para aumentar a performance de um país, é preciso investir na base, pensar em políticas e estratégias para que os mais vulneráveis aprendam. Não adianta fazer com que os poucos que estão no topo melhorem.”

Ricardo Henriques

(Superintendente do Instituto Unibanco)

No dia 3 de dezembro, vieram a público revelações relevantes sobre dois aspectos de grande interesse para os brasileiros.

Uma dessas revelações refere-se ao desempenho da economia brasileira. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o crescimento do produto interno bruto (PIB) no terceiro trimestre do ano foi de 0,6% e de 1,2% na comparação com o ano de 2018. Tais números foram superiores à maior parte das expectativas e indicam que o País continua apresentando alguma recuperação, insuficiente, porém, até para neutralizar o péssimo desempenho dos anos de 2015 e 2016, em que houve crescimento negativo de 3,5% em cada um deles.  De qualquer maneira, trata-se de um dado positivo e renova as esperanças de um crescimento mais robusto em 2020, cuja estimativa, atualmente, é de 2 a 2,3%.

Outra revelação diz respeito aos resultados da principal avaliação internacional de educação, conhecida como PISA. Realizada a cada três anos pela Organização para o Crescimento e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o exame compara o desempenho de estudantes de 15 anos de 79 países em três áreas do conhecimento: leitura, matemática e ciências. Embora o Brasil tenha apresentado ligeira melhora em relação à avaliação anterior, os dados estão longe de entusiasmar e retratam indicadores que merecem especial atenção, não apenas das autoridades, mas de qualquer pessoa interessada num futuro melhor para o País.

Das conclusões que os resultados do PISA permitem tirar, três me parecem essenciais: (i) repete-se na educação o mesmo quadro de acentuada desigualdade existente no Brasil como um todo, uma vez que o desempenho dos estudantes das regiões sul, sudeste e centro-oeste é muito superior ao dos estudantes das regiões norte e nordeste; (ii) existe também acentuada desigualdade entre o desempenho dos estudantes das escolas privadas e públicas, observando-se, inclusive, que os estudantes de escolas privadas de elite conseguem desempenho equivalente ao de estudantes de países que ostentam as primeiras colocações no ranking; (iii) quando se compara o desempenho do Brasil com o de países que lideram o ranking, percebe-se claramente a diferença com que a educação é tratada, em especial nos anos iniciais, compreendendo a educação infantil e o ensino fundamental, quando o retorno do investimento é mais elevado, como mostram as pesquisas de inúmeros especialistas, incluindo James Heckman, ganhador do Prêmio Nobel de Economia em 2000. Deficiências adquiridas nessas etapas tendem a se reproduzir por toda a vida.

Considerando as revelações do desempenho da economia, representado pelo crescimento do PIB, e do desempenho da educação, representado pelos resultados do PISA, fico com a convicção de que só teremos um desempenho consistente e sustentável do crescimento econômico no longo prazo se melhorarmos significativamente nosso desempenho na educação. Sem isso, estamos condenados a continuar com níveis de crescimento oscilantes e inferiores às necessidades de um país que permanece com níveis alarmantes de desigualdade social e regional.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas e webgráficas

CAFARDO, Renata; PALHARES, Isabela. Escolas privadas de elite do Brasil superam Finlândia no Pisa; rede pública vai pior do que Peru. O Estado de S. Paulo, 4 de dezembro de 2019. Disponível em https://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,escolas-privadas-de-elite-do-brasil-superam-finlandia-no-pisa-rede-publica-vai-pior-do-que-peru,70003112767.

WEINBERG, Monica. James Heckman e a importância da educação infantil. Veja, 22 de setembro de 2017. Disponível em https://veja.abril.com.br/revista-veja/james-heckman-nobel-desafios-primeira-infancia/.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado