s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
O Café Brasil anterior, o 786 – O Cuzão, rendeu, viu? ...

Ver mais

Café Brasil 786 – O cuzão.
Café Brasil 786 – O cuzão.
Cara, como é complicada a vida de podcaster, bicho! A ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Menos Marx, mais Mises
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Menos Marx, mais Mises  “Apesar de ainda ser muito pouco conhecido entre os jovens brasileiros em comparação com Karl Marx, o nome do economista austríaco Ludwig von Mises se tornou um dos ...

Ver mais

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Hoje, num grupo de professores, um velho colega me escreveu que “tem fé” no “Estado democrático de direito” e na “separação dos poderes”. Mas com uma ressalva: ...

Ver mais

Percepções diferentes na macro e na microeconomia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções diferentes na macro e na microeconomia “Na economia, esperança e fé coexistem com grande pretensão científica e também um desejo profundo de respeitabilidade.” John Kenneth Galbraith ...

Ver mais

Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Estamos perdendo aquilo que o cientista político e ...

Ver mais

Cafezinho 422 – A política do ódio
Cafezinho 422 – A política do ódio
Não siga a maioria só porque é maioria. Não siga a moda ...

Ver mais

Cafezinho 421 – A normose
Cafezinho 421 – A normose
É confortante saber que somos normais, não é? Pois é. ...

Ver mais

Cafezinho 420 – A regra dos 30
Cafezinho 420 – A regra dos 30
Pé quente, cabeça fria, numa boa. Mas cuidado porque ...

Ver mais

Números reveladores

Números reveladores

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Números reveladores

“Para aumentar a performance de um país, é preciso investir na base, pensar em políticas e estratégias para que os mais vulneráveis aprendam. Não adianta fazer com que os poucos que estão no topo melhorem.”

Ricardo Henriques

(Superintendente do Instituto Unibanco)

No dia 3 de dezembro, vieram a público revelações relevantes sobre dois aspectos de grande interesse para os brasileiros.

Uma dessas revelações refere-se ao desempenho da economia brasileira. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o crescimento do produto interno bruto (PIB) no terceiro trimestre do ano foi de 0,6% e de 1,2% na comparação com o ano de 2018. Tais números foram superiores à maior parte das expectativas e indicam que o País continua apresentando alguma recuperação, insuficiente, porém, até para neutralizar o péssimo desempenho dos anos de 2015 e 2016, em que houve crescimento negativo de 3,5% em cada um deles.  De qualquer maneira, trata-se de um dado positivo e renova as esperanças de um crescimento mais robusto em 2020, cuja estimativa, atualmente, é de 2 a 2,3%.

Outra revelação diz respeito aos resultados da principal avaliação internacional de educação, conhecida como PISA. Realizada a cada três anos pela Organização para o Crescimento e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o exame compara o desempenho de estudantes de 15 anos de 79 países em três áreas do conhecimento: leitura, matemática e ciências. Embora o Brasil tenha apresentado ligeira melhora em relação à avaliação anterior, os dados estão longe de entusiasmar e retratam indicadores que merecem especial atenção, não apenas das autoridades, mas de qualquer pessoa interessada num futuro melhor para o País.

Das conclusões que os resultados do PISA permitem tirar, três me parecem essenciais: (i) repete-se na educação o mesmo quadro de acentuada desigualdade existente no Brasil como um todo, uma vez que o desempenho dos estudantes das regiões sul, sudeste e centro-oeste é muito superior ao dos estudantes das regiões norte e nordeste; (ii) existe também acentuada desigualdade entre o desempenho dos estudantes das escolas privadas e públicas, observando-se, inclusive, que os estudantes de escolas privadas de elite conseguem desempenho equivalente ao de estudantes de países que ostentam as primeiras colocações no ranking; (iii) quando se compara o desempenho do Brasil com o de países que lideram o ranking, percebe-se claramente a diferença com que a educação é tratada, em especial nos anos iniciais, compreendendo a educação infantil e o ensino fundamental, quando o retorno do investimento é mais elevado, como mostram as pesquisas de inúmeros especialistas, incluindo James Heckman, ganhador do Prêmio Nobel de Economia em 2000. Deficiências adquiridas nessas etapas tendem a se reproduzir por toda a vida.

Considerando as revelações do desempenho da economia, representado pelo crescimento do PIB, e do desempenho da educação, representado pelos resultados do PISA, fico com a convicção de que só teremos um desempenho consistente e sustentável do crescimento econômico no longo prazo se melhorarmos significativamente nosso desempenho na educação. Sem isso, estamos condenados a continuar com níveis de crescimento oscilantes e inferiores às necessidades de um país que permanece com níveis alarmantes de desigualdade social e regional.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas e webgráficas

CAFARDO, Renata; PALHARES, Isabela. Escolas privadas de elite do Brasil superam Finlândia no Pisa; rede pública vai pior do que Peru. O Estado de S. Paulo, 4 de dezembro de 2019. Disponível em https://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,escolas-privadas-de-elite-do-brasil-superam-finlandia-no-pisa-rede-publica-vai-pior-do-que-peru,70003112767.

WEINBERG, Monica. James Heckman e a importância da educação infantil. Veja, 22 de setembro de 2017. Disponível em https://veja.abril.com.br/revista-veja/james-heckman-nobel-desafios-primeira-infancia/.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado