s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 736 – Coisas Sobre Você
Café Brasil 736 – Coisas Sobre Você
A Bianca Oliveira é jornalista, apresentadora de ...

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

O turismo e a economia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O turismo e a economia A indústria do turismo passou certamente pelo maior desafio das últimas décadas, mas é forte o bastante para superar. Esteja atento às possibilidades tecnológicas e agregue ...

Ver mais

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus
Michel Torres
Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas Um detalhe sobre a pandemia do coronavírus em curso é que as áreas com focos concentrados são ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Cafezinho 319 – A cizânia
Cafezinho 319 – A cizânia
Fique de olho nos Tullius Detritus que infestam sua vida.

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

O “anti” não funciona mais.

O “anti” não funciona mais.

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Começa com isso, com o prefixo de negação. Essa coisa de “anti”, de enfatizar ser contra alguma coisa para criar um movimento popular poderoso “anti” alguém e a favor de outrem precisa de um inimigo comum. Temos? Mesmo?
O Brasil já está, no mínimo desde os anos 80, querendo também ser a favor de um projeto de país. Ser contra requer, dado o pragmatismo do eleitor, ser a favor de algo e provar que o proposto é melhor.
Aprendemos, embora ainda reclamemos, que o tempo é um aliado do progresso, não um incômodo. E vale esbravejar com a realidade, não ser contra.
Na maioridade política brasileira, como a maturidade conquistada na política, não há mais uma grande tese de inimigo comum que cole, que funcione politicamente ou agregue valor ao cidadão que corre para pagar as contas em nome da sobrevivência de hoje e da esperança por dias menos difíceis no futuro. Os últimos dois foram a ditadura e a hiperinflação, nenhuma com a mínima chance de voltar.
Recente reportagem do Estadão fala de uma frente “anti-Bolsonaro” para a prefeitura de São Paulo entre o PSDB e Marta Suplicy, a cara do PT na cidade, embora esteja hospedada no partido Solidariedade. Marta como vice de Bruno, sob as bençãos de Fernando Henrique Cardoso.
Só um inimigo comum poderoso para digerir tal coligação. Pra remédio amargo, a doença precisa valer a pena.
Porque há um passivo na imagem de ambos.
Em política, imagem em construção no presente faz diferença. Imagem consolidada no passado, boa ou ruim, costuma ser decisiva.
Um exercício de comparação, permitam-me.
Estou revendo Dowton Abbey, fantástica série que conta as transformações da aristocracia inglesa entre o final do século 19 e começo do século 20.
Está no Prime Video.
Não raro, não sucumbe ao fácil discurso entre o bom e ruim. O talento dos roteiristas enfatiza a mudança implacável dos tempos, embora não deixe de recorrer à acidez, inglesa que é a série, a mostrar hábitos do século 19 como antiquados, cravando nos resistentes a pecha do atraso, mas sob a lógica da incapacidade de encarar o presente e suas mudanças de hábitos e conceitos no pós Primeira Guerra Mundial. Mesmo no seu criticismo, é elegante em frisar a mudança dos tempos, ao reconhecer que o silêncio dos serviçais já começa a fazer barulho porque estabelecem seu direito de fala e independência intelectual.
Em suma, o mundo muda mais rapidamente e com redobrado vigor em quem está recebendo ordens, porque precisa das mudanças, do que em quem as está emitindo, que precisa da manutenção das coisas como elas eram até ali.
A frente “antibolsonarista”, como crava o jornal, para a prefeitura de São Paulo, creditada ao PSDB de Bruno Covas numa coligação com Marta Suplicy, é um exemplo da pretensão manda-chuva e manipuladora de um inimigo comum da velha aristocracia da política brasileira do século passado que carece de um lugar nos tempos atuais pra chamar de seu.
Não fôssemos tão jovens como país, a estratégia se assemelharia aos aristocratas ingleses do século 19 e seus hábitos de prepotência que, frise-se, foram superados e desapareceram por compreensão do mundo moderno.
Voltando ao nosso caso, receio que o eleitor-cidadão brasileiro já esteja no século 21.
Aliás, tenho certeza que tenha memória e capacidade de reconhecer inimigos e julgar suas prioridades sem a benção ou a mão condutora de aristocratas ou caciques políticos do século 20.
Se essa gente continuar apostando no discurso do contra um inimigo comum, imaginando que esse inimigo realmente é comum, sem combinar com o eleitor, volta pro século passado.
E ninguém sensato quer mais ganhar a eleição de 1996, por exemplo.

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto