s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Eu acho que você concorda que para ter uma sociedade ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – que parece ser mais importante saber os tipos de divisão lógica – será útil revisar algumas coisas para entender as regras. Lembra dos ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Baixa cultura é aquela que me faz bater o pé, mexer a ...

Ver mais

Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Uma coisa é comprar um televisor. Outra é adquirir cultura!

Ver mais

Cafezinho 438 – O homem cordial
Cafezinho 438 – O homem cordial
Brasileiro Cordial é aquele que age conforme a emoção, ...

Ver mais

O “anti” não funciona mais.

O “anti” não funciona mais.

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Começa com isso, com o prefixo de negação. Essa coisa de “anti”, de enfatizar ser contra alguma coisa para criar um movimento popular poderoso “anti” alguém e a favor de outrem precisa de um inimigo comum. Temos? Mesmo?
O Brasil já está, no mínimo desde os anos 80, querendo também ser a favor de um projeto de país. Ser contra requer, dado o pragmatismo do eleitor, ser a favor de algo e provar que o proposto é melhor.
Aprendemos, embora ainda reclamemos, que o tempo é um aliado do progresso, não um incômodo. E vale esbravejar com a realidade, não ser contra.
Na maioridade política brasileira, como a maturidade conquistada na política, não há mais uma grande tese de inimigo comum que cole, que funcione politicamente ou agregue valor ao cidadão que corre para pagar as contas em nome da sobrevivência de hoje e da esperança por dias menos difíceis no futuro. Os últimos dois foram a ditadura e a hiperinflação, nenhuma com a mínima chance de voltar.
Recente reportagem do Estadão fala de uma frente “anti-Bolsonaro” para a prefeitura de São Paulo entre o PSDB e Marta Suplicy, a cara do PT na cidade, embora esteja hospedada no partido Solidariedade. Marta como vice de Bruno, sob as bençãos de Fernando Henrique Cardoso.
Só um inimigo comum poderoso para digerir tal coligação. Pra remédio amargo, a doença precisa valer a pena.
Porque há um passivo na imagem de ambos.
Em política, imagem em construção no presente faz diferença. Imagem consolidada no passado, boa ou ruim, costuma ser decisiva.
Um exercício de comparação, permitam-me.
Estou revendo Dowton Abbey, fantástica série que conta as transformações da aristocracia inglesa entre o final do século 19 e começo do século 20.
Está no Prime Video.
Não raro, não sucumbe ao fácil discurso entre o bom e ruim. O talento dos roteiristas enfatiza a mudança implacável dos tempos, embora não deixe de recorrer à acidez, inglesa que é a série, a mostrar hábitos do século 19 como antiquados, cravando nos resistentes a pecha do atraso, mas sob a lógica da incapacidade de encarar o presente e suas mudanças de hábitos e conceitos no pós Primeira Guerra Mundial. Mesmo no seu criticismo, é elegante em frisar a mudança dos tempos, ao reconhecer que o silêncio dos serviçais já começa a fazer barulho porque estabelecem seu direito de fala e independência intelectual.
Em suma, o mundo muda mais rapidamente e com redobrado vigor em quem está recebendo ordens, porque precisa das mudanças, do que em quem as está emitindo, que precisa da manutenção das coisas como elas eram até ali.
A frente “antibolsonarista”, como crava o jornal, para a prefeitura de São Paulo, creditada ao PSDB de Bruno Covas numa coligação com Marta Suplicy, é um exemplo da pretensão manda-chuva e manipuladora de um inimigo comum da velha aristocracia da política brasileira do século passado que carece de um lugar nos tempos atuais pra chamar de seu.
Não fôssemos tão jovens como país, a estratégia se assemelharia aos aristocratas ingleses do século 19 e seus hábitos de prepotência que, frise-se, foram superados e desapareceram por compreensão do mundo moderno.
Voltando ao nosso caso, receio que o eleitor-cidadão brasileiro já esteja no século 21.
Aliás, tenho certeza que tenha memória e capacidade de reconhecer inimigos e julgar suas prioridades sem a benção ou a mão condutora de aristocratas ou caciques políticos do século 20.
Se essa gente continuar apostando no discurso do contra um inimigo comum, imaginando que esse inimigo realmente é comum, sem combinar com o eleitor, volta pro século passado.
E ninguém sensato quer mais ganhar a eleição de 1996, por exemplo.

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto