s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor

O Brasil e o Dia do Professor

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

O Brasil e o Dia do Professor

Aulinha de dois mil réis

Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível consequência disso em termos de desvio de recursos que poderiam ser aplicados em educação, saúde, segurança, infraestrutura etc., gostaria de homenagear a todos os professores pela passagem do seu dia.

Reconheço a validade das constantes reivindicações de professores por melhor remuneração e condições de trabalho mais favoráveis. As condições vividas pelos docentes, sobretudo nas regiões mais carentes, exigem deles muito esforço  e motivação para bem desempenhar seu importantíssimo papel na formação da nossa juventude.

O problema, porém, é muito antigo e, para ilustrá-lo, recorro a uma passagem que já faz parte de nosso folclore. Não se sabe se real ou não, mas ideal para bem demonstrar a antiguidade do problema.

Ainda no Império, numa homenagem à figura do Imperador Pedro II, determinado colégio da então capital – o Rio de Janeiro – foi batizado com seu nome. Tratava-se de uma das escolas mais respeitadas da época, frequentada por filhos da aristocracia local. Entretanto, havia um determinado professor no quadro docente da escola que era famoso por sua conduta nada elogiável: faltava constantemente, não respeitava horários, dava aulas mal preparadas e outras coisas desse gênero. Isso fez com que diversas reclamações chegassem, inclusive, aos ouvidos do Imperador. Este, para certificar-se, fez uma visita de surpresa ao colégio. Recebido pelo diretor, foi logo dizendo que gostaria de assistir a uma das aulas do referido professor. O diretor, conhecedor da situação, procurou dissuadi-lo, convidando-o a assistir a outras aulas. Como o Imperador permaneceu irredutível, dirigiram-se à sala em que o professor se encontrava. 

O que se assistiu a seguir foi uma aula extraordinária, capaz de ser ministrada apenas por professores de alto gabarito. Os dois ilustres visitantes, assim como os alunos, presenciaram brilhante exposição. 

O diretor da escola e o Imperador, estupefatos, deixaram o recinto antes do término da aula, comentando, entre si, a improcedência das acusações feitas ao professor. 

Na sala, após certificar-se de que os visitantes já se haviam retirado, o professor disse a seus alunos: 

– “Bem, vamos voltar à aulinha de dois mil réis!”.

É triste pensar que enquanto milhares de professores se esforçam para tirar leite de pedra, exercendo condignamente a sua profissão em condições adversas, e recebendo baixíssimos salários por seu trabalho, recursos públicos consideráveis são desviados em decorrência de desmandos e maracutaias. Consequência: nossos estudantes ocupam as últimas posições nos rankings internacionais de educação, ao passo que o Brasil é um dos países com mais alto índice de percepção da corrupção.

Apesar de tudo isso, o Brasil resiste. Já imaginaram o que seria deste país se apenas o dinheiro que é desviado fosse utilizado para remunerar melhor os nossos professores, construir, manter e equipar nossas escolas? Com certeza, os bons resultados não demorariam a aparecer.

Meu respeito  e minha saudação a todos os professores!

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado