Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

O caos no Rio de Janeiro tem muitos culpados. E uma explicação

O caos no Rio de Janeiro tem muitos culpados. E uma explicação

Bruno Garschagen - Ciência Política -
Em seu livro Os Bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi (Companhia das Letras), o historiador José Murilo de Carvalho tentou explicar as ações e reações dos moradores da então capital do país em três dimensões: envolvimento comunitário, desinteresse pela política e uma relação utilitária e submissa em relação ao Estado. Era “uma visão antes de súdito do que de cidadão, de quem se coloca como objeto da ação do Estado e não de quem se julga no direito de influenciar” (p. 147).

Em momentos de normalidade, ou seja, quando não havia crise, quem reclamava pelos jornais era “quase só pessoas de algum modo relacionadas com a burocracia do Estado (…), seja os próprios funcionários e operários, seja as vítimas dos funcionários, especialmente da polícia e dos fiscais” (p. 146).

O que acontecia entre uma crise e outra era, portanto, a aceitação quase passiva das decisões políticas. A população só se dava conta das consequências quando a conta tinha que ser paga.

O que está acontecendo neste momento no Rio de Janeiro revela que a relação do carioca com a política não mudou muito desde o final do século 19. Os protestos de hoje em frente à Assembleia Legislativa mostram exatamente isso. Quando o governo estadual sob o comando do hoje presidiário Sérgio Cabral Filho agia de forma irresponsável, gastando a rodo, os servidores só reclamavam circunstancialmente por reajuste e os fluminenses quando não eram atendidos pelo governo. A fábula da Cidade Maravilhosa foi incorporada à política pelos políticos e por parte da população. Se Paris já foi uma festa, o Rio virou uma farra.

Uma explicação sobre como o político e o burocrata gastam o dinheiro de quem paga imposto é necessária para que as coisas fiquem claras. Até para que você não continue a achar que o dinheiro que o governo gasta não tem dono.

No livro Livre para Escolher (Editora Record), o casal de economistas Milton e Rose Friedman classificou o gasto de dinheiro em quatro categorias. As categorias 3 e 4 aplicam-se também ao caso do Rio.

O que diz a categoria 3? Quando alguém (governador e deputado estadual do Rio, por exemplo) gasta o dinheiro de outra pessoa com algo para ele não está preocupado com os gastos nem com o dono do dinheiro (população do Rio, por exemplo), apenas com ele próprio.

A categoria 4 ocorre quando alguém (governador e deputado estadual) gasta o dinheiro que não é dele com algo que é para outra pessoa (população do Rio). Em ambos os casos, segundo Friedman, não haverá preocupação com o gasto do dinheiro. “Os legisladores votam para gastar o dinheiro de terceiros. Os eleitores que elegem os legisladores estão votando, em certo sentido, para gastar seu próprio dinheiro com eles mesmos” ( Livre para Escolher , p. 179).

O que acontece na prática é que “os eleitores, assim como os legisladores, têm a tendência a achar que outra pessoa está pagando pelos programas a favor dos quais o legislador vota diretamente e que o eleitor vota indiretamente”. Uma vez aprovado o gasto, qualquer que seja, “os burocratas” também gastarão “o dinheiro de terceiros”. Por isso, “não é de admirar que a quantia gasta seja explosiva” e que haja “desperdício e ineficácia dos gastos” ( Livre para Escolher , p. 179).

Quando tudo parecia bem no Rio, os políticos gastavam, funcionários públicos e a população aceitavam (com lamentos pontuais). Quando a conta do governo não fechou e os servidores passaram a enfrentar o drama de não receber pagamento, o caldo entornou e a violência ganhou as ruas. O protesto violento de hoje é sinistramente compatível com a violação da responsabilidade (inclusive fiscal) cometida pelos políticos.

O caos no Rio de Janeiro é o típico caso onde não há inocentes: dos sucessivos governadores e deputados estaduais aos servidores e parte da sociedade, há culpados para dar e vender.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen