s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

O caso é o caso

O caso é o caso

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Sobre a morte do assassino nojento, tudo já já foi dito; Fidel Castro foi tarde e deve estar devidamente instalado no caldeirão-suíte número 13, com aquecedor forte, decoração vermelha e vista pro trono do capeta – não mais a dizer. Idem sobre a “revolução” cubana de 1959, que trocou um ditador, Fulgêncio Batista, por outro muito pior. Chega disso tudo, pela obviedade e repetição .

Espantosa mesmo foi a cobertura da morte desse monstro. Ao menos no Brasil – sem excluir os indefectíveis comunas de sempre na França e Itália (Venezuela, Nicarágua, Bolívia e outras jecarias bolivarianas nem vale a pena mencionar).

Aqui, novidade foi a Rede Globo finalmente deixar de se referir àquele bandido como “presidente” ou “ex-presidente” de Cuba, passando a chamá-lo do que sempre foi: Ditador. E da mais antiga ditadura das Américas. Bom, sempre é um começo, uma pequena promessa de se usar a cabeça para pensar, não para usar boné do MST.

Deu pra rir um pouco com os “entendidos” em Cuba, invariavelmente “socialistas” (raramente alguém se diz “comunista”; é uma tática mais light de se fazer aceitar) de botequim, “artistas engajados” ou “intelectuais” auto-denominados. Taspariu, é de engasgar com essa gente.

Alguns, como Marcelo Rubens Paiva, partiram para o argumento “eu-já-fui-pra-Cuba-e-você-não-foi”. Ah, claro; como se isso desse a eles um diploma de especialistas, advogados dos irmãos Castro e donos da verdade. Paiva afirmou candidamente que “não viu” perseguição a gays, nem a dissidentes, e que, resumindo, é tudo um grande engano. Cuba é realmente um paraíso, gente. É tudo intriga da oposição.

Sobre a conhecida sorveteria Coppelia, em Havana, mais famosa pela fila quilométrica – no mínimo quatro horas em pé – do que pelo sorvete sofrível (apenas 3 sabores), filosofou que é absolutamente normal desidratar e sofrer de insolação por um simples sorvetinho, e que aconteceria “a mesma coisa” em São Paulo se todas as pessoas pudessem tomar sorvete na Brunella. Não, nunca aconteceria a mesma coisa, cidadão. Em poucos dias a Brunella abriria mais umas duzentas sorveterias, gerando mais empregos, mais arrecadação de impostos, mais conforto e, claro, mais sorvete, com tudo funcionando perfeitamente, servindo uns 700 sabores diferentes, sem dinheiro do governo, sem dependência ideológica e sem filas. Enfim, tudo o que você e seus colegas odeiam.

Luís Fernando Veríssimo vestiu a fantasia de sempre; tentou passar uma imagem de isento – como se fosse possível ser isento perante tamanha tirania sem ser absolutamente conivente com a ideia de que os fins justificam os meios. Patético. Aliás, é interessantíssimo como essa gente “justifica” os crimes de Fidel com a tal “educação e saúde” exemplares; primeiro, a educação e a saúde de Cuba são um lixo. Basta ver os “médicos” que vêm de lá e nem ao menos conhecem antibióticos ou posologias simples. Segundo, dá pra confiar em dados e estatísticas de uma ditadura quem não permite a entrada de nenhum organismo internacional para averiguar tais “sucessos”?

Por essa lógica perversa, toda a lulada deveria amar o ditador Augusto Pinochet. Afinal, em muito menos tempo de ditadura, matando muito menos gente, Pinochet fez do Chile o país mais rico, desenvolvido e culto da América Latina. Ah, mas aí não vale, porque não era uma ditadura comunista, claro. Morte, fome, tortura e privações só se justificam pelo marxismo-leninismo, camaradas. É uma espécie de ruindade positiva, ora vejam só.

Vale a pena ler jornalistas que abordam o tema para informar, e não agir como torcida organizada; jornalismo sério, e não bobagem travestida de fato, como fez Augusto Nunes ao relatar sua experiência com Fidel: http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/direto-ao-ponto/a-ilha-presidio-ficou-sem-o-chefe-dos-carcereiros/

Idem para a visão insuperável de J R Guzzo, que expôs como ninguém o funcionamento dessas carpideiras do genocida: http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/direto-ao-ponto/j-r-guzzo-um-mundo-morto/

Ao fim e ao cabo, resta só a hipocrisia da esquerda caviar, que adora Cuba… mas bem de longe. Preferem levar suas vidas mundanas em Paris mesmo, vivendo as delícias do capitalismo. Todo sujeito que defende o comunismo deveria ser condenado a viver nele. A isso se dá o nome de realidade na pele.

Não deseje para o pobre povo cubano o que não deseja para si, ok? Muito menos para nós, brasileiros. Vá sofrer na fila da Coppelia pra poder contar pros amigos depois, bebendo uísque 18 anos e desfrutando de alguma teta estatal sem fazer nada. Ô raça.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes