s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 799 – Essa tal meritocracia
Café Brasil 799 – Essa tal meritocracia
Meritocracia, meritocracia... meritocracia... como tem ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Proposições e sua Expressão Gramatical (parte 1)
Alexandre Gomes
DEFINIÇÕES E DISTINÇÕES Proposição e relação de termos. A proposição AFIRMA uma relação de termos. Em uma estrutura de palavras compostas de: um sujeito, uma cópula e um predicado. Os termos ...

Ver mais

A catástrofe circular da escola brasileira
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A catástrofe circular da nossa escola: temos professores de fraca formação acadêmica, com salários miseráveis. Eles oferecem aos seus alunos pouca cultura e, por isso, não os elevam acima da ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

O chamado da tribo

O chamado da tribo

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

O chamado da tribo

Grandes pensadores para o nosso tempo

“O liberalismo é inseparável do sistema democrático como regime civil de poderes independentes, liberdades públicas, pluralismo político, direitos humanos garantidos, eleições, e mercado livre como mecanismo para alocação dos recursos e criação de riqueza.”

Mario Vargas Llosa

No segundo semestre de 2011, escrevi um artigo para a revista da Faculdade de Comunicação e Marketing da FAAP intitulado Peixe na água: trajetória de uma conversão. Tratava-se de um pequeno gesto para homenagear o escritor peruano que, no ano anterior, havia sido agraciado com o Prêmio Nobel de Literatura, contrariando uma tendência ideológica da Academia Sueca, que nos anos anteriores vinha contemplando autores da esquerda “multicultural”.

Para escrever o referido artigo, baseei-me na leitura de grande parte das obras de Vargas Llosa e, em especial de Peixe na água, um livro de memórias que começou a ser escrito logo depois da derrota nas eleições para a presidência do Peru de junho de 1990, nas quais foi derrotado por Alberto Fujimori.

Vale destacar, entre tantas coisas interessantes contidas nesse livro, uma conversa de Vargas Llosa com sua esposa Patrícia. Nessa conversa, ele argumenta que entrou na disputa política por uma “obrigação moral”, sendo contestado por ela, que diz que ele entrou na eleição porque queria viver o seu “romance total”.

Vargas Llosa acabou concordando que suas memórias podiam ser vistas como um “romance total” – a tentativa de escrever o meu romance da vida real. Esse “romance total” conta a história do Peru nos últimos cinquenta anos, como explicou a Martim Vasques da Cunha, que o entrevistou em uma visita ao Brasil poucos dias depois do anúncio de que ele havia sido agraciado com o Prêmio Nobel:

Concordo plenamente, as minhas memórias podem ser lidas dessa forma, sem dúvida. Mas tudo isso que vivi deve ser entendido da seguinte maneira: todas as ideias que defendi nessa eleição eram muito impopulares. Agora, são extremamente populares e aceitas por todos. É curioso como muda a cultura política de uma época, não?

Mais de 25 anos depois de Peixe na água, Vargas Llosa nos brinda com outo livro de memórias, desta vez sobre as influências intelectuais que o levaram a abandonar as ideias socialistas que havia abraçado na juventude, inspirado fortemente por Jean-Paul Sartre, para se transformar num dos maiores defensores de uma “tradição de pensamento que favorece o indivíduo frente à tribo, à nação, à classe ou ao partido, e que defende a liberdade de expressão como um valor fundamental para o exercício da democracia”.

O chamado da tribo, que tem por subtítulo Grandes pensadores para o nosso tempo, é a autobiografia intelectual de Mario Vargas Llosa, sem qualquer favor, um dos maiores escritores de nosso tempo.

Logo no capítulo inicial, em que apresenta uma justificativa para o livro, Vargas Llosa explica as razões de seu desencanto e ruptura com o socialismo.

Minha ruptura com Cuba e, em certo sentido, com o socialismo veio em decorrência do então famosíssimo caso Padilla. O poeta Heberto Padilla, ativo participante na Revolução Cubana – chegou a ser vice-ministro de Comércio Exterior –, começou a fazer algumas críticas à política cultural do regime em 1970. Primeiro foi atacado violentamente pela imprensa oficial e depois preso, com a acusação disparatada de ser agente da CIA. Indignados, eu e quatro amigos que o conheciam – Juan e Luis Goytisolo, Hans Magnus Enzensberger e José Maria Castellet – redigimos no meu apartamento em Barcelona uma carta de protesto à qual aderiram muitos escritores no mundo todo, como Sartre, Simone de Beauvoir, Susan Sontag, Alberto Moravia, Carlos Fuentes, protestando contra aquele abuso. Fidel Castro respondeu pessoalmente, acusando-nos de estar a serviço do imperialismo e afirmando que não voltaríamos a pisar em Cuba por “tempo indefinido e infinito” (quer dizer, toda a eternidade).

Nos capítulos seguintes, ele aborda os sete pensadores que foram fundamentais para sua conversão ao liberalismo, apresentando pequenos dados biográficos de cada um deles e referindo-se – como excepcional crítico literário que é – às suas obras mais relevantes.

Seguem-se, então, pela ordem: Adam Smith (1723-90); José Ortega y Gasset (1883-1955); Friedrich August von Hayek (1899-1992); Sir Karl Popper (1902-94); Raymond Aron (1905-83); Sir Isaiah Berlin (1907-97); e Jean-François Revel (1924-2006).

A leitura, como não poderia deixar de ser, é agradabilíssima e oferece inúmeras oportunidades de reflexão a respeito dos aspectos salientados por Vargas Llosa no mergulho que empreende a cada um desses sete autores.

Afora essas reflexões, me pus a pensar sobre os autores que tiveram influência na minha opção pelo liberalismo. Concluí que além de Adam Smith, Friedrich Hayek, Karl Popper e Ortega y Gasset, mencionados em O chamado da tribo, minha lista incluiria Alexis de Toqueville, Roberto Campos, José Guilherme Merquior e o próprio Mario Vargas Llosa.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas e webgráficas

CUNHA, Martim Vasques da. Elogio da disciplina. Em voo com Mario Vargas Llosa. Dicta & Contradicta. Dezembro de 2010, número 06, pp. 24-46.

MACHADO, Luiz Alberto. Peixe na água: trajetória de uma conversão. Facom – Revista da Faculdade de Comunicação e Marketing da FAAP, Nº 24, 2º semestre de 2011, pp. 32-39.

VARGAS LLOSA, Mario. Peixe na água: Memórias. Tradução de Heloisa John. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

_______________ O chamado da tribo. Tradução de Paulina Wacht e Ari Roitman. Rio de Janeiro: Objetiva, 2019.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado