s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 736 – Coisas Sobre Você
Café Brasil 736 – Coisas Sobre Você
A Bianca Oliveira é jornalista, apresentadora de ...

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

O turismo e a economia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O turismo e a economia A indústria do turismo passou certamente pelo maior desafio das últimas décadas, mas é forte o bastante para superar. Esteja atento às possibilidades tecnológicas e agregue ...

Ver mais

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus
Michel Torres
Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas Um detalhe sobre a pandemia do coronavírus em curso é que as áreas com focos concentrados são ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Cafezinho 319 – A cizânia
Cafezinho 319 – A cizânia
Fique de olho nos Tullius Detritus que infestam sua vida.

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

O crime de Marília

O crime de Marília

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

No final dos anos 80, a pavorosa gemedeira caipiruda começou a invadir as rádios brasileiras. Muitos gostaram; afinal, nacionaleiros de plantão, cheios de arrogante ignorância, previam uma invasão cultural da “música americana”, como chamavam música estrangeira em geral – mesmo que fossem as ótimas músicas dos britânicos Queen, Elton John ou Rolling Stones, que dispensam comentários sobre o nível de sua arte. Pois os inflamados recalcitrantes, autoarrogados defensores dos ouvidos nacionais, exigiam que a música “americana” fosse banida por lei para, em sua visão medíocre, salvar o Brasil e nossa cultura do imperialismo. Deu no que deu. A imensa maioria do que é ouvido em canais de música, rádios e computadores é um verdadeiro e brasileiríssimo lixo. Os caipirudos se disfarçam e seguem travestidos de “universitário”. O tal do “funk”, que é tudo menos Funk de verdade (James Brown deve estar furioso, lá no Plano Superior), não passa de ruído. O leque é tão vasto quanto a baixeza do nível de som nacional, variando de ruídos sem sentido, acompanhados de letras podres,  rebaixando as mulheres, a polícia e as instituições a nada, e ao mesmo tempo guindando a bandidagem, o tráfico de drogas e o sexo com crianças ao pico das virtudes. E reclamavam do Queen… Taspariu.

Tem gente muito, mas muito ruim mesmo no showbiz brasileiro… mas é a vida. Gosto é gosto. Tem gente que adora beterraba e bife de fígado – fazer o quê. Uns artistas pecam pelo repertório, outros pela voz ruim, outros pelo conjunto deplorável, incluindo uma postura indecente quanto a costumes e defesa de uso de drogas. Não é o caso de Marília Mendonça. Tem uma voz boa, canta relativamente bem e não defende nada absurdo com suas músicas bobas, que não servem nem pra passar o tempo em elevador. Mas tem seu público – e é direito dela, tanto quantos dos que ouvem seus “sucessos”, chamemos assim.

Pois resolveram linchar a moça nas redes. Não pelas suas letras fracas ou melodias cansativas, mas sim por ter, durante uma das lives pandêmicas tão em moda, tido a “audácia” de contar um caso verídico ocorrido em uma boate gay. Pra entender o caso: https://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2020/08/10/marilia-mendonca-e-acusada-de-transfobia-em-live-cantora-pede-desculpas-aprenderei-com-meus-erros.ghtml

Resumo da ópera tribal: Marília não ofendeu ninguém, não xingou, não disse nada de errado, não mencionou nomes, não foi grosseira, não discriminou, não discriminou. Mas “ousou” (segundo a interpretação da gente louca que patrulha os famosos na mídia), dar a entender que pode ser que talvez um amigo dela possa ter ido a uma boate gay e que teria talvez beijado um transexual achando ser uma bela moça com equipamento original, digamos assim. Tiveram de reinterpretar um possível comentário velado para cancelá-la, essa nova bobagem dos patrulheiros do mimimi. Tenha dó.

Os argumentos são os mais ridículos possíveis, mas, em geral, afirmam que a cantora “fez piada” com os gays. A que ponto chegamos, como diria o motorista de ônibus perdido – se é que não vão criar fuzilamento por piadas com essa honesta e respeitada classe trabalhadora, ou mesmo criar o crime de “motoristofobia”, já que o antecedem a gordofobia, apropriação cultural e tantas outras bobagens de quem não entende uma simples realidade: O fato de alguém se sentir ofendido não significa que ele tenha razão.

Ninguém quer entender essa premissa básica. Querem odiar – e sempre cobertos de uma “razão” sem fundamento. Vítima, juiz e carrasco num única pessoa – ou pessôo, vai saber. Daí basta chamar o inimigo criado às pressas de nazista, racista, fascista, homofóbico, e tantas outras qualificações que esses novos Senhores da Razão usam a torto e direito. Não gostaram de um mero comentário? Carimbam na testa da vítima (real, não a inventada por eles) um – ou vários – desses epítetos e ainda saem pela internet da vida “exigindo” apoio à sua decisão de tribunal de bar, ameaçando com a mesma pena que não a seguir de imediato. Um hospício, mas com método digno de quem sabe muito bem o que faz, com pouco de demente e muito de aproveitador.

Marília Mendonça deveria ter se rebelado contra esses tribunais da má vontade, dirigidos por gente que não sabe perder e culpa os outros pelos seus próprios fracassos, adorando confundir igualdade de oportunidade com resultados obtidos. A oportunidade é para todos, mas sucesso é só para alguns; lei da vida. Porém, mesmo diante do sucesso de seu trabalho (discutível, mas um trabalho), Marília cedeu às patrulhas e pediu desculpas pelo que não fez, mas que poderia ter deixado a imaginar. Pelamor. Ex-lacradora, foi apanhada na armadilha do lacre.

Não dá mais pra suportar essa mania louca de lacrar em rede social, essa insanidade de se fingir de vítima pra poder ser carrasco, de revolucionário de sofá, de fingir de morto pra saciar-se com os aconchegos do coveiro. Cresçam.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes