s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

O crime de Marília

O crime de Marília

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

No final dos anos 80, a pavorosa gemedeira caipiruda começou a invadir as rádios brasileiras. Muitos gostaram; afinal, nacionaleiros de plantão, cheios de arrogante ignorância, previam uma invasão cultural da “música americana”, como chamavam música estrangeira em geral – mesmo que fossem as ótimas músicas dos britânicos Queen, Elton John ou Rolling Stones, que dispensam comentários sobre o nível de sua arte. Pois os inflamados recalcitrantes, autoarrogados defensores dos ouvidos nacionais, exigiam que a música “americana” fosse banida por lei para, em sua visão medíocre, salvar o Brasil e nossa cultura do imperialismo. Deu no que deu. A imensa maioria do que é ouvido em canais de música, rádios e computadores é um verdadeiro e brasileiríssimo lixo. Os caipirudos se disfarçam e seguem travestidos de “universitário”. O tal do “funk”, que é tudo menos Funk de verdade (James Brown deve estar furioso, lá no Plano Superior), não passa de ruído. O leque é tão vasto quanto a baixeza do nível de som nacional, variando de ruídos sem sentido, acompanhados de letras podres,  rebaixando as mulheres, a polícia e as instituições a nada, e ao mesmo tempo guindando a bandidagem, o tráfico de drogas e o sexo com crianças ao pico das virtudes. E reclamavam do Queen… Taspariu.

Tem gente muito, mas muito ruim mesmo no showbiz brasileiro… mas é a vida. Gosto é gosto. Tem gente que adora beterraba e bife de fígado – fazer o quê. Uns artistas pecam pelo repertório, outros pela voz ruim, outros pelo conjunto deplorável, incluindo uma postura indecente quanto a costumes e defesa de uso de drogas. Não é o caso de Marília Mendonça. Tem uma voz boa, canta relativamente bem e não defende nada absurdo com suas músicas bobas, que não servem nem pra passar o tempo em elevador. Mas tem seu público – e é direito dela, tanto quantos dos que ouvem seus “sucessos”, chamemos assim.

Pois resolveram linchar a moça nas redes. Não pelas suas letras fracas ou melodias cansativas, mas sim por ter, durante uma das lives pandêmicas tão em moda, tido a “audácia” de contar um caso verídico ocorrido em uma boate gay. Pra entender o caso: https://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2020/08/10/marilia-mendonca-e-acusada-de-transfobia-em-live-cantora-pede-desculpas-aprenderei-com-meus-erros.ghtml

Resumo da ópera tribal: Marília não ofendeu ninguém, não xingou, não disse nada de errado, não mencionou nomes, não foi grosseira, não discriminou, não discriminou. Mas “ousou” (segundo a interpretação da gente louca que patrulha os famosos na mídia), dar a entender que pode ser que talvez um amigo dela possa ter ido a uma boate gay e que teria talvez beijado um transexual achando ser uma bela moça com equipamento original, digamos assim. Tiveram de reinterpretar um possível comentário velado para cancelá-la, essa nova bobagem dos patrulheiros do mimimi. Tenha dó.

Os argumentos são os mais ridículos possíveis, mas, em geral, afirmam que a cantora “fez piada” com os gays. A que ponto chegamos, como diria o motorista de ônibus perdido – se é que não vão criar fuzilamento por piadas com essa honesta e respeitada classe trabalhadora, ou mesmo criar o crime de “motoristofobia”, já que o antecedem a gordofobia, apropriação cultural e tantas outras bobagens de quem não entende uma simples realidade: O fato de alguém se sentir ofendido não significa que ele tenha razão.

Ninguém quer entender essa premissa básica. Querem odiar – e sempre cobertos de uma “razão” sem fundamento. Vítima, juiz e carrasco num única pessoa – ou pessôo, vai saber. Daí basta chamar o inimigo criado às pressas de nazista, racista, fascista, homofóbico, e tantas outras qualificações que esses novos Senhores da Razão usam a torto e direito. Não gostaram de um mero comentário? Carimbam na testa da vítima (real, não a inventada por eles) um – ou vários – desses epítetos e ainda saem pela internet da vida “exigindo” apoio à sua decisão de tribunal de bar, ameaçando com a mesma pena que não a seguir de imediato. Um hospício, mas com método digno de quem sabe muito bem o que faz, com pouco de demente e muito de aproveitador.

Marília Mendonça deveria ter se rebelado contra esses tribunais da má vontade, dirigidos por gente que não sabe perder e culpa os outros pelos seus próprios fracassos, adorando confundir igualdade de oportunidade com resultados obtidos. A oportunidade é para todos, mas sucesso é só para alguns; lei da vida. Porém, mesmo diante do sucesso de seu trabalho (discutível, mas um trabalho), Marília cedeu às patrulhas e pediu desculpas pelo que não fez, mas que poderia ter deixado a imaginar. Pelamor. Ex-lacradora, foi apanhada na armadilha do lacre.

Não dá mais pra suportar essa mania louca de lacrar em rede social, essa insanidade de se fingir de vítima pra poder ser carrasco, de revolucionário de sofá, de fingir de morto pra saciar-se com os aconchegos do coveiro. Cresçam.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes