s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

O dólar e o X

O dólar e o X

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                                    Sim, Albert Einstein estava certo mais uma vez, quando disse que só duas coisas não tinham limites: O universo e a estupidez humana – e não estava bem certo sobre o primeiro.

                                    Com a bancarrota brasileira, a economia em frangalhos, a inflação altíssima, o descalabro nas contas públicas, e todas as outras desgraças sindromicamente trazidas pelo lulismo, o resultado mais visível é a alta do dólar. Alta não, disparada.

                                    Mas como os lulistas vivem de ilusão, e não de fatos, resolveram botar a culpa no próprio; pululam experts de botequim pondo a culpa no dólar pela disparidade em relação à moeda brasileira. Ficou famosa uma senhora participante dessa facção (seita?) que afirmava, revoltada, que a culpa era toda dos EUA e do dólar, porque nossa economia estava “atrelada à moeda americana”. Deve ser o fantasma de Hugo Chávez soprando imbecilidade na orelha da lulista-economista-cubanista-fidelista.

                                    Na cabeça dessa simplista filhote (filhota?) de Gramsci, o dólar sobe por culpa dos americanos. Não, senhora. A culpa é nossa, que desvalorizamos o real. “Nossa” latu sensu, evidentemente. Outros efeitos da imundície lulista? Caímos de 7ª para 9ª economia do mundo, e nossa dívida interna quadruplicou. A externa (sim, ela existe) seguiu a desvalorização, aumentando 90%.

Não há nada “atrelado” ao dólar; essa moeda é uma referência, como a régua dividida em centímetros ou polegadas não altera o comprimento, nem a graduação do termômetro em Celsius ou Fahrenheit altera a temperatura. O real se esfarelou, não foi o dólar que se “valorizou” por pura maldade.

                                    A lulada conseguiu a proeza de desvalorizar o real em 53% APENAS neste ano. Uma imbecilidade digna de prêmio em hospício – ou presídio, dependendo do ponto de vista. Aliás, essa desvalorização acontece em geral, confrontando-se com as outras moedas do mundo, mesmo o cambaleante peso argentino. Não adianta tentar jogar a culpa nos outros, essa especialidade dos lulistas, que chamam de “fascista” qualquer um que discorde deles. São analfabetos não só em economia, mas também em história e política… e bons modos.

                                    Ah sim… falando em insanidade… e o X, então? Um primor de cretinice; transformaram a consoante cruzada em demência politicamente correta; a lulada “decidiu” que a flexão de gênero deve ser abolida na língua portuguesa. Traduzindo pro dialeto lulista: “Num pódi mais falá hómi nem muié; num podi ponhá mais eli i ela, nem deli i dela. É tudu xis.”Não, não é brincadeira. O politicamente correto, na verdade uma fórmula lulista/ gramscista/chavista/leninista que impede o pensamento, forçando a massificação do indivíduo, para que aja como manada domesticada (deixe de ser preguiçoso e vá ler 1984, de George Orwell).

                                    Exagero? Não mesmo. E a prova vem de um dos laboratórios de ensino lulista, o famoso Colégio Pedro II do Rio de Janeiro, que adotou a novilingua (confira no livro 1984) lulista, e a utiliza até em seus comunicados internos e impressos oficiais, como este abaixo e o que encabeça o texto:

O dolar e o X 24.9.15 imagem 2

                                    Essa besteira do politicamente correto começou como brincadeira, e depois como piada. Hoje é de um ridículo supremo, usado como arma para dissolver qualquer pensamento anti-gramscista. O que é ensinado no Brasil, para crianças indefesas, tentando estrangular qualquer pensamento livre ou individual, impedindo ideias próprias que fujam dessa cartilha escravizante, é motivo de gozação na Europa há mais de 30 anos, como no filme A vida de Brian, do genial grupo satírico britânico Monty Phyton: 

                                    A macroeconomia de botequim e o X da novilíngua lulista confirma o aforismo de Einstein… com uma boa ajuda da turma de Lula, o arrivista da ilusão. Dilma vai querer ser chamada de presidentx? E como se pronuncia isso? Será que novilingua baixa o dólar? Ou a dólar? Ou dólxr?

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes