s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

O filho e o pai

O filho e o pai

Tom Coelho - Sete Vidas -

“Espera de teu filho o mesmo que fizeste a teu pai.”
(Tales de Mileto)

Tenho uma natureza minimalista. Talvez porque forjado pelas adversidades da vida e pela vocação para lidar com gente, não tenho apego a coisas. Acredito que a simplicidade é a quinta-essência da extravagância e a melhor das ostentações.

Este deve ser um dos motivos pelos quais ignoro quase todas as datas comemorativas, devido ao caráter comercial que as envolve. Contudo, algumas ocasiões funcionam como uma fenda no tempo, abrindo espaço em nossas concorridas agendas para resgatar sentimentos e emoções – o Dia dos Pais é exemplo disso.

Em 2009 perdi meu pai, vitimado por um câncer que evoluiu de forma silenciosa e imperceptível, sendo diagnosticado tardiamente e já em fase de metástase. Lutamos bravamente por quatro longos e intensos meses, com uma esperança incontestável. Ao final, restou-nos o consolo de que seu sofrimento fora breve.

Deste episódio, ficou a lição de como lidar com as perdas, posto que não estamos habituados a elas, sejam materiais ou não. Querer e não poder é desagradável, mas ter e perder é doloroso. Isso vale para dinheiro no bolso, um cargo executivo, uma partida jogada ou um amor que se despede. Por isso, relembrar meu pai remete não apenas à saudade, mas ao aprendizado de conviver com uma dor que não passa, mas à qual se acostuma…

Como ele faleceu precisamente dois dias antes do nascimento de minha filha, convivi em apenas 48 horas com tristeza e alegria, dor e deleite, choro e riso. A propósito, seus últimos ensinamentos foram legados à neta que não pôde conhecer. Assim, quando já debilitado fisicamente não mais conseguia caminhar com suas próprias pernas, e eu tinha que ampará-lo, era como se prenunciasse os dias futuros em que ensinaria minha filha a caminhar. Também tive que ajudá-lo a tomar banho, assear-se, vestir-se e alimentar-se, tal como faria dias depois com um recém-nascido.

Mas este é o olhar do filho, que deve ser complementado pelo olhar do pai.

De meus filhos mais velhos, Gabriel e Matheus, rememoro a lição da relatividade do tempo. Não, não se trata da teoria física. Falo da qualidade das relações interpessoais. Minha separação conjugal determinou que, como de hábito, eu ficasse com os garotos em finais de semana alternados. Isso significava dois dias a cada 15, ou seja, entre 36 e 48 horas a cada duas semanas, dependendo de eu estar em companhia deles a partir de uma sexta-feira à noite ou de um sábado pela manhã. Esses longos intervalos ensinaram-me que era possível ser um pai melhor e mais presente em um simples final de semana do que eu fora antes, convivendo todos os dias sob o mesmo teto. A relatividade da quantidade versus qualidade.

Da pequena Liz, minha filha mais nova contando pouco mais de cinco anos de idade, veio a oportunidade singular de exercitar meu papel de pai, redimindo-me dos erros cometidos no passado, substituindo a ausência pela presença e o provimento material pela educação, carinho e afeto permanentes.

Parafraseando Katherine Hadley, “A decisão de ter um filho é aceitar que seu coração irá para sempre estar fora do seu corpo”. Por isso, sinto-me completo apenas quando na companhia destas minhas crianças…

* Tom Coelho é educador, palestrante em gestão de pessoas e negócios, escritor com artigos publicados em 17 países e autor de sete livros. E-mail: tomcoelho@tomcoelho.com.br. Visite: www.tomcoelho.com.br e www.setevidas.com.br.

Ver Todos os artigos de Tom Coelho