s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 736 – Coisas Sobre Você
Café Brasil 736 – Coisas Sobre Você
A Bianca Oliveira é jornalista, apresentadora de ...

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

O turismo e a economia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O turismo e a economia A indústria do turismo passou certamente pelo maior desafio das últimas décadas, mas é forte o bastante para superar. Esteja atento às possibilidades tecnológicas e agregue ...

Ver mais

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus
Michel Torres
Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas Um detalhe sobre a pandemia do coronavírus em curso é que as áreas com focos concentrados são ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Cafezinho 319 – A cizânia
Cafezinho 319 – A cizânia
Fique de olho nos Tullius Detritus que infestam sua vida.

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

O Músico Substituto

O Músico Substituto

Chiquinho Rodrigues -

Repito sempre a seguinte frase do pianista, arranjador e compositor Cezar Camargo Mariano:

“Não é a gente que escolhe o instrumento, é o instrumento que escolhe a gente”.

E o saxofone escolheu o Cazé.

O Cazé era de uma família de músicos (até onde eu sei) todos eles saxofonistas. Eu cheguei a tocar com dois de seus irmãos. O Gerson tocou comigo na Banda Reveillon e o Pedrinho na Banda Manhathan.

Nunca tive o privilégio de tocar com o Cazé. Ele era um músico bastante requisitado. Tocava em várias bandas e vivia dentro de estúdios emprestando seu talento para jingles e discos de outros artistas.

Às vezes apareciam dois ou três compromissos para o mesmo dia e horário. Então ele escolhia o melhor dos três (o que melhor pagava, né?) e usava o expediente de mandar substitutos para os outros dois compromissos.

Os maestros ficavam putos com o Cazé!

O tempo todo esperando por ele e de repente no seu lugar aparecia um outro músico, às vezes não tão bom quanto o velho Cazé, e os arranjadores tinham que se virar mesmo assim.

Mas esse não era o grande defeito dele não. O Cazé bebia demais! (aliás, como quase todos na sua família).

Com o tempo a bebida foi acabando com a resistência física e com o fígado dele. E tudo isso foi refletindo em suas performances e na assiduidade aos seus compromissos.

Tinha um lugar que ele gostava muito de tocar que era o “Avenida Danças”. Lá você poderia encontrá-lo quase toda noite (em que não tinha um outro trabalho melhor), executando lindos solos em seu sax alto.

Era uma casa de amigos. Todos lá gostavam dele e preocupavam-se com seu estado de saúde.

Até que um dia, um casal de médicos que frequentava o Avenida Danças se ofereceu para tratar do nosso querido Cazé.

Foram feitos os exames e constatou-se que uma cirurgia era o mais indicado para o seu caso.

O Cazé de início relutou muito. Mas acabou cedendo à pressão da família, dos amigos e acabou marcando a data de internação.

Dia da operação. Sete horas da manhã.

Todos na sala de cirurgia devidamente paramentados, as enfermeiras a postos, o anestesista conferindo seus instrumentos os médicos colocando suas luvas, todos esperando o Cazé e, de repente… chega o Pedrinho, irmão dele!

O médico espantado perguntou:

– Cadê o Cazé?

– Pois é… Ele já estava se preparando pra vir pra cá quando o telefone tocou – começou a explicar o Pedrinho – era o arregimentador de um estúdio pedindo para o Cazé gravar um disco hoje de manhã.

– E aí? – perguntou o médico – ele não vem pra ser operado?

– Não vem não seu doutor – disse o Pedrinho colocando no chão uma mala que até então estivera em sua mão – mas como ele sabia que o senhor já tinha arranjado tudo pra hoje, ele achou melhor aproveitar e me mandar no lugar dele. Pois eu tenho o mesmo problema no fígado que ele tem!

Não sei se é verdade, mas dizem que Pedrinho ficou bom mesmo.

Ver Todos os artigos de Chiquinho Rodrigues