s
Iscas Intelectuais
Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Há quatro anos, uma amiga me relatou uma história ...

Ver mais

Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Um novo termo entrou em evidência: o cringe. A tradução ...

Ver mais

Café Brasil 777 – Polarização Política
Café Brasil 777 – Polarização Política
Se você não vive em Plutão, já sacou como a polarização ...

Ver mais

Café Brasil 776 – No mundo dos podcasts
Café Brasil 776 – No mundo dos podcasts
Quem cria conteúdo sempre tem o desafio de monetizar o ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Olímpica expectativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Olímpica expectativa “O esporte tem o poder de unificar, passar uma imagem de paz e resiliência, e nos dá esperança de seguir nossa jornada juntos.” Thomas Bach (Presidente do Comitê Olímpico ...

Ver mais

Economia do crime
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia do crime  O crime compensa?  “Na faculdade, fui atraído pelos problemas estudados por sociólogos e as técnicas analíticas utilizadas pelos economistas. Esses interesses começaram a se ...

Ver mais

Reprise
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Reprise  Já vi esse filme outras vezes… e não gostei do final A combinação de novas denúncias de irregularidades envolvendo membros do governo, o andamento da CPI da Covid e a sucessão de ...

Ver mais

O infalível ministro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A piada é antiga. Dá pra contar, se a turma do politicamente correto ainda não inventou o crime de lusofobia: A famosa cena bíblica do apedrejamento da adúltera, quando o Mestre teria dito… ...

Ver mais

Cafezinho 405 – O babaca
Cafezinho 405 – O babaca
Qual tipo de reação você acha que levo em consideração ...

Ver mais

Cafezinho 404 – Mantenha-se lúcido.
Cafezinho 404 – Mantenha-se lúcido.
Que tal recuperar a lucidez? Perceber as mentiras, os ...

Ver mais

Cafezinho 403 – A teoria do banheiro mijado.
Cafezinho 403 – A teoria do banheiro mijado.
Eu nunca me conformei de, ao entrar num banheiro, me ...

Ver mais

Cafezinho 402 – Quem ganha com seu medo
Cafezinho 402 – Quem ganha com seu medo
A função primordial de nosso cérebro é sobreviver. ...

Ver mais

O Músico Substituto

O Músico Substituto

Chiquinho Rodrigues -

Repito sempre a seguinte frase do pianista, arranjador e compositor Cezar Camargo Mariano:

“Não é a gente que escolhe o instrumento, é o instrumento que escolhe a gente”.

E o saxofone escolheu o Cazé.

O Cazé era de uma família de músicos (até onde eu sei) todos eles saxofonistas. Eu cheguei a tocar com dois de seus irmãos. O Gerson tocou comigo na Banda Reveillon e o Pedrinho na Banda Manhathan.

Nunca tive o privilégio de tocar com o Cazé. Ele era um músico bastante requisitado. Tocava em várias bandas e vivia dentro de estúdios emprestando seu talento para jingles e discos de outros artistas.

Às vezes apareciam dois ou três compromissos para o mesmo dia e horário. Então ele escolhia o melhor dos três (o que melhor pagava, né?) e usava o expediente de mandar substitutos para os outros dois compromissos.

Os maestros ficavam putos com o Cazé!

O tempo todo esperando por ele e de repente no seu lugar aparecia um outro músico, às vezes não tão bom quanto o velho Cazé, e os arranjadores tinham que se virar mesmo assim.

Mas esse não era o grande defeito dele não. O Cazé bebia demais! (aliás, como quase todos na sua família).

Com o tempo a bebida foi acabando com a resistência física e com o fígado dele. E tudo isso foi refletindo em suas performances e na assiduidade aos seus compromissos.

Tinha um lugar que ele gostava muito de tocar que era o “Avenida Danças”. Lá você poderia encontrá-lo quase toda noite (em que não tinha um outro trabalho melhor), executando lindos solos em seu sax alto.

Era uma casa de amigos. Todos lá gostavam dele e preocupavam-se com seu estado de saúde.

Até que um dia, um casal de médicos que frequentava o Avenida Danças se ofereceu para tratar do nosso querido Cazé.

Foram feitos os exames e constatou-se que uma cirurgia era o mais indicado para o seu caso.

O Cazé de início relutou muito. Mas acabou cedendo à pressão da família, dos amigos e acabou marcando a data de internação.

Dia da operação. Sete horas da manhã.

Todos na sala de cirurgia devidamente paramentados, as enfermeiras a postos, o anestesista conferindo seus instrumentos os médicos colocando suas luvas, todos esperando o Cazé e, de repente… chega o Pedrinho, irmão dele!

O médico espantado perguntou:

– Cadê o Cazé?

– Pois é… Ele já estava se preparando pra vir pra cá quando o telefone tocou – começou a explicar o Pedrinho – era o arregimentador de um estúdio pedindo para o Cazé gravar um disco hoje de manhã.

– E aí? – perguntou o médico – ele não vem pra ser operado?

– Não vem não seu doutor – disse o Pedrinho colocando no chão uma mala que até então estivera em sua mão – mas como ele sabia que o senhor já tinha arranjado tudo pra hoje, ele achou melhor aproveitar e me mandar no lugar dele. Pois eu tenho o mesmo problema no fígado que ele tem!

Não sei se é verdade, mas dizem que Pedrinho ficou bom mesmo.

Ver Todos os artigos de Chiquinho Rodrigues