s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Eu acho que você concorda que para ter uma sociedade ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Baixa cultura é aquela que me faz bater o pé, mexer a ...

Ver mais

Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Uma coisa é comprar um televisor. Outra é adquirir cultura!

Ver mais

O Músico Substituto

O Músico Substituto

Chiquinho Rodrigues -

Repito sempre a seguinte frase do pianista, arranjador e compositor Cezar Camargo Mariano:

“Não é a gente que escolhe o instrumento, é o instrumento que escolhe a gente”.

E o saxofone escolheu o Cazé.

O Cazé era de uma família de músicos (até onde eu sei) todos eles saxofonistas. Eu cheguei a tocar com dois de seus irmãos. O Gerson tocou comigo na Banda Reveillon e o Pedrinho na Banda Manhathan.

Nunca tive o privilégio de tocar com o Cazé. Ele era um músico bastante requisitado. Tocava em várias bandas e vivia dentro de estúdios emprestando seu talento para jingles e discos de outros artistas.

Às vezes apareciam dois ou três compromissos para o mesmo dia e horário. Então ele escolhia o melhor dos três (o que melhor pagava, né?) e usava o expediente de mandar substitutos para os outros dois compromissos.

Os maestros ficavam putos com o Cazé!

O tempo todo esperando por ele e de repente no seu lugar aparecia um outro músico, às vezes não tão bom quanto o velho Cazé, e os arranjadores tinham que se virar mesmo assim.

Mas esse não era o grande defeito dele não. O Cazé bebia demais! (aliás, como quase todos na sua família).

Com o tempo a bebida foi acabando com a resistência física e com o fígado dele. E tudo isso foi refletindo em suas performances e na assiduidade aos seus compromissos.

Tinha um lugar que ele gostava muito de tocar que era o “Avenida Danças”. Lá você poderia encontrá-lo quase toda noite (em que não tinha um outro trabalho melhor), executando lindos solos em seu sax alto.

Era uma casa de amigos. Todos lá gostavam dele e preocupavam-se com seu estado de saúde.

Até que um dia, um casal de médicos que frequentava o Avenida Danças se ofereceu para tratar do nosso querido Cazé.

Foram feitos os exames e constatou-se que uma cirurgia era o mais indicado para o seu caso.

O Cazé de início relutou muito. Mas acabou cedendo à pressão da família, dos amigos e acabou marcando a data de internação.

Dia da operação. Sete horas da manhã.

Todos na sala de cirurgia devidamente paramentados, as enfermeiras a postos, o anestesista conferindo seus instrumentos os médicos colocando suas luvas, todos esperando o Cazé e, de repente… chega o Pedrinho, irmão dele!

O médico espantado perguntou:

– Cadê o Cazé?

– Pois é… Ele já estava se preparando pra vir pra cá quando o telefone tocou – começou a explicar o Pedrinho – era o arregimentador de um estúdio pedindo para o Cazé gravar um disco hoje de manhã.

– E aí? – perguntou o médico – ele não vem pra ser operado?

– Não vem não seu doutor – disse o Pedrinho colocando no chão uma mala que até então estivera em sua mão – mas como ele sabia que o senhor já tinha arranjado tudo pra hoje, ele achou melhor aproveitar e me mandar no lugar dele. Pois eu tenho o mesmo problema no fígado que ele tem!

Não sei se é verdade, mas dizem que Pedrinho ficou bom mesmo.

Ver Todos os artigos de Chiquinho Rodrigues