s
Iscas Intelectuais
Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Como se proteger da manipulação das mídias
Como se proteger da manipulação das mídias
Descubra o passo a passo para se proteger das mentiras, ...

Ver mais

O Lado Cheio
O Lado Cheio
Aqui é o lugar onde você encontrará análises sobre o ...

Ver mais

Pelé e os parasitas.
Pelé e os parasitas.
Meu herói está lá, a Copa de 1970 está lá, o futebol ...

Ver mais

Café Brasil 769 – Paulo Gustavo e as 48 horas
Café Brasil 769 – Paulo Gustavo e as 48 horas
Olha: eu tinha já começado a montar um programa sobre a ...

Ver mais

Café Brasil 768 – A Expedição Franklin
Café Brasil 768 – A Expedição Franklin
Como é que a gente age diante do desconhecido, hein? ...

Ver mais

Café Brasil 767 – Sexo bom – Revisitado
Café Brasil 767 – Sexo bom – Revisitado
Uma revisita a um programa de 2013 com um ponto de ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Há muito tempo tínhamos a ideia de trazer para o ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Fôlego novo para a equipe econômica?
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Fôlego novo para a equipe econômica? Em março, ficamos sabendo que o crescimento negativo de 4,1% registrado em 2020 havia colocado o Brasil no 21° lugar num ranking de 50 países, segundo ...

Ver mais

Qual é o problema mais grave do Brasil?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Qual é o problema mais grave do nosso país?   Vão dizer que é a corrupção. Vão dizer que é a criminalidade. Que é a desigualdade social, a qualidade dos nossos políticos, a ignorância da nossa ...

Ver mais

Externalidades
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Externalidades negativas ou positivas na economia mundial[1] O termo econômico “externalidade” tem origem no trabalho do economista britânico Alfred Marshall (1842-1924), professor de Economia ...

Ver mais

O nosso Olimpo
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Brasileiro em geral não gosta muito de ler, infelizmente. Com a chegada do smartphone então… O celular faz-tudo é primeirão em qualquer aspecto, do prazer ao ócio total. Se os clássicos não ...

Ver mais

Cafezinho 386 – Imunização Cognitiva
Cafezinho 386 – Imunização Cognitiva
A imunização cognitiva é um escudo que permite que as ...

Ver mais

Cafezinho 385 – O Vagabundo
Cafezinho 385 – O Vagabundo
Aquele vagabundo do cinema mudo, gentil, simples, ...

Ver mais

Cafezinho 384 – Gente estúpida
Cafezinho 384 – Gente estúpida
Distinguir talento de reputação, veja que questão ...

Ver mais

Cafezinho 383 – Dicas do tio Lu
Cafezinho 383 – Dicas do tio Lu
Não sei quantos anos você tem, mas garanto que perdeu ...

Ver mais

O nosso Olimpo

O nosso Olimpo

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Brasileiro em geral não gosta muito de ler, infelizmente. Com a chegada do smartphone então… O celular faz-tudo é primeirão em qualquer aspecto, do prazer ao ócio total. Se os clássicos não eram lidos no passado, que dirá agora, nesses tempos de tweeter, instagram e outras bobagens de leitura relâmpago, de conteúdo tão profundo quanto um pires, nas quais a boa e velha informação perdeu lugar para a troca de tapas virtual, num ringue onde todos querem ter razão.

Enfim, os clássicos estão em baixa aqui na Banânia. Cultura virou luxo, bobagem de gente metida. Mas como tudo cede à moda, a mitologia reaparece, vez por outra, pelos quadrinhos, telinhas e telonas. A Greco-romana, com Zeus/Júpiter e sua turma do Olimpo têm lugar garantido nos filmes. A mitologia nórdica mais ainda, desde que Thor voltou a fazer sucesso. O Valhalla pode não ser o mesmo das óperas e das letras mais eruditas de antigamente, mas Odin, Loki e os demais tão aí na atividade, cumpadi. Com o Hulk, claro, mas nada é perfeito.

Nos gibis, na TV ou no cinema (aquele lugar grande, com cheiro de pipoca e cheio de gente, que nem sabemos mais como é), uns dos fatos mais divertidos era assistir aos deuses mitológicos cedendo ao poder, à vaidade, às paixões, aos puxa-sacos, divertindo-se ao interferir nas vidas dos pobres mortais, como se seus destinos fossem uma espécie de jogo de tabuleiro com dados viciados, para deleite dos poderosos divinos.

Nada diferente do que os ministros do STF fazem com a gente.

Como deuses, suas excelências não se rebaixam a ninguém, crendo-se infalíveis; divindades, exigem respeito absoluto, embora a recíproca seja impossível para pobres mortais em busca de sua intervenção como forma de justiça. Mudam de opinião segundo suas vontades e conveniências, pouco se importando com as leis, feitas por seres inferiores. Não querem só devoção absoluta, mas também oferendas; preferencialmente lagostas, vinhos finos, queijos europeus e uísques caros, carros oficiais luxuosos com motoristas e um batalhão de seguranças armados. Iemanjá morre de inveja; apesar de tão brasileiros quanto ela, esses divinos julgadores não aceitam oferenda porcaria. Não percam tempo com perfume barato ou contas de plástico. Afinal, é o mínimo que se pode esperar de seres tão magníficos, que perdem seu tempo divino conosco, o povinho Zé Ruela.

Não que a ninguenzada seja atendida por eles, claro; como deuses supremos, comunicam-se apenas com uns poucos ungidos, que detém a glória de se lambuzar em suas bênçãos jurídicas. Mais do que arautos dessa suprema deidade aristocrática, são poderosos representantes de fieis mais poderosos ainda, banhando-se gostosamente nas ondas de uma decisão positiva. É para poucos, claro; mas deuses são assim mesmo. Não há como agradar a todos, nem todas as preces são agraciadas. Afinal, quem tem de ser agradado, ao fim e ao cabo, são os deuses, exigindo a justa adoração dos pobres servos cumpridores de suas vontades. E dá-lhe lagosta com Chateau Petrus. Lamentavelmente, provou-se que os crucifixos nas paredes do STF lá estão apenas como enfeite, não como exemplo ou, ao menos, inspiração. Naquele prédio majestoso, a humildade tá fora de moda há tempos.

Como seus pares mediterrâneos ou nórdicos, os deuses do STF têm seus devotos preferidos. Mexer com estes é pedir um destino terrível, em profunda agonia. Sacumé, deuses desenvolvem sua manias e seus protegidos. Quem cai em desgraça com eles dificilmente se levanta.

Problema: Deuses têm o dever de agir com justiça, confortar seus fiéis, não traí-los, nem sugá-los até os ossos. O Brasil precisa urgentemente de novos deuses. Servem até os do Olimpo ou do Valhalla. Daria muito menos problema e ia sair bem mais barato. Com Loki e tudo.

 

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes