Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

O país da trambicagem: 7 bagulhos doidos sobre a Suíça

O país da trambicagem: 7 bagulhos doidos sobre a Suíça

Raiam Santos -

Vim pra Suíça para completar uma missão pessoal:

Conhecer pessoalmente o atual escritor best-seller e ex-maluco hippie doidão Paulo Coelho.

Me amarro em escrever, já vivo disso e quero construir uma carreira duradoura como escritor…  nada melhor do que aprender com o melhor do mundo, né?

Um dia desses eu posto mais detalhes sobre a tal missão mas já posso te adiantar que foi uma das paradas mais sem-noção que fiz na minha vida.

E olha que eu já fiz muita coisa sem noção na vida:

Com 16, eu imigrei ilegalmente para os Estados Unidos…
Com 19, eu invadi a festa do título do FC Barcelona e quase caí na porrada com o Piqué e o Puyol…
Com 23, eu viajei para a Palestina no meio da guerra…

Depois dá uma olhada no meu segundo livro Turismo Ousadia: Como Conquistar o Mundo Ainda Jovem que eu conto melhor essas histórias aí.

Bom, me dei 7 dias em Genebra para cumprir a tal Missão Paulo Coelho.

Só que o universo conspirou de uma maneira tão forte que acabei conseguindo cumpri-la logo no primeiro dia.

paulo coelho raiam dos santos suíça

Depois dessa foto aí, fiquei à toa resolvi dar um rolé pelas ruas de Genebra, conversar com gente e aprender um pouco sobre a cultura local.

A conclusão é que a Suíça é um dos lugares mais loucos do mundo:

1- FACADA MASTER 

Já rodei o mundo e nunca vi um lugar tão caro quanto Genebra.

E nesse bolo eu incluo cidades consideradas chiques como San Francisco, Londres, Nova York, Paris e São Paulo.

Tudo bem que tem aquela parada do “quem converte não se diverte” e que eu não deveria ficar multiplicando tudo por 4.

Entendo perfeitamente.

A verdade é que eu não tenho muitas razões para reclamar: grande parte do meu faturamento é em dólar e o franco suíço está parelho com o dólar 1:1.

Mesmo assim, eu me sinto extremamente ofendido quando vejo o preço das coisas na rua em Genebra.

Quando eu tô num país estrangeiro e quero segurar a grana, a primeira coisa que eu faço é procurar um McDonalds.

Morei na Europa quando eu não tinha um puto no bolso então o Mac sempre foi a minha principal pedida: com pouco dinheiro dá para se encher de carboidratos (pão e batata), proteína (carne do hambúrguer) e açúcar (refrigerante) e aguentar um dia inteiro na rua sem fome.

Na Suíça, o Mac também é a alternativa mais barata.

Só que eu paguei 13 francos numa McOferta. Multiplica por 4!

Sim, foram 52 reais pelo lanche mais barato que eu podia ter.

Quer ir pra noitada e colocar uma suíça loira no teu currículo? Prepare-se para pagar 30 francos por uma cerveja ou 40 por um drink.

Multiplica por 4 de novo e chora!

2- CHOCOLATE A PREÇO DE BANANA

Calma que toda regra tem sua exceção.

E na Suíça essa exceção chama-se CHOCOLATE.

Quem me ensinou esse hack foi a Bia, uma carioca gente-boa que trabalha na Fundação Paulo Coelho aqui em Genebra.

Um barrão de 500g de chocolate não custa mais do que 2 francos no supermercado: 8 reais.

Estamos falando de meio quilo de chocolate suíço da mais alta qualidade pelo preço de uma barra de Diamante Negro de 170g nas Lojas Americanas

A boa é comprar aqueles chocolates que vêm com avelã dentro.

Melhor deal impossível para matar a fome durante o dia: 500g de proteína e gordura por 8 reais. Mais barato que um bife na pensão lá de Paraisópolis.

 

3- ARBITRAGEM GEOGRÁFICA 

Os próprios suíços não aguentam o nível de preços de Genebra e decidem usar a criatividade.

Um quilo de filet mignon em Genebra custa uns 80 francos suíços (320 reais).

Tem um país “pobre” chamado França a uns 10 minutos de Genebra.

Nesse país pobre, o cara pode comprar o quilo do mesmo filet mignon por 20 euros (100 reais).

O que eles fazem? Pegam o carro, dirigem para a França e fazem compras no supermercado do lado de lá da fronteira.

Só que a Suíça só permite 2 kg por pessoa para evitar essa rataria cujo termo na macroeconomia chama-se arbitragem geográfica.

E agora?

Os suíços vão para a França à noite e cruzam a fronteira em check-points secundários mais desertos e tranquilos para diminuir a probabilidade de serem parados pelos guardinhas.

Ninja!

4- SUÍÇA, O PAÍS DA TRAMBICAGEM

Ué? Como assim, Raiam? Os suíços não era famosos por serem muito educados, muito justos e muito pontuais?

O engraçado é que a legislação da Suíça parece que estimula a trambicagem.

E isso vai muito mais além daquelas paradas do sigilo bancário e das famosas “contas na Suíça”.

Bom, já dei o exemplo da arbitragem geográfica ilegal ali em cima. Agora segura outro exemplo aí:

O país é dividido em 26 Cantons.

Os Cantons são basicamente vários países independentes dentro de uma Suíça unificada.

É por causa da variedade dos Cantons que o país tem três línguas oficiais. Por serem tão independentes, cada Canton tem suas próprias leis fiscais.

Genebra é um dos Cantons com as maiores alíquotas de imposto da Suíça inteira.

O que o ricaço multimilionario de Genebra faz?

Ele aluga um apezinho no Canton do lado (Valais), coloca a residência dele lá e paga os impostos de Valais.

Apesar de avisar ao governo que ele mora em Valais, ele realmente dorme e acorda em Genebra 7 dias por semana! Sim, o apezinho fica vazio!

O cara paga um aluguel de 3mil francos a mais por mês para economizar milhões com impostos.

Mano, tem até um site que te ajuda a fazer essas ratarias de impostos dentro dos Cantons suíços. Depois dá uma olhada no app Comparis e simula lá!

5- LÍNGUAS MORTAS

Minha estadia na Suíça foi mais uma prova de que os anos que eu passei aprendendo línguas estrangeiras foram meio que inúteis.

Lembra daquele artigo polêmico que eu escrevi sobre os verdadeiros idiomas do novo mundo?

Mano, me formei no francês em 2009 e ainda peguei um certificado avançado de Francês para Business. Me pergunta quantas vezes eu usei o francês nos últimos 7 anos?

A Suíça tem três línguas oficiais: francês, alemão e italiano.

Qual das três é a mais importante?

Acertou quem adivinhou NENHUMA DELAS.

Inglês é rei na Suíça.

Já que eu estou enferrujado, eu fazia uma força danada para falar o francês e as pessoas me respondiam em inglês antes de eu terminar a frase.

Outra coisa que eu notei é que ter inglês perfeito é símbolo de status.

Não me leve a mal, todo mundo na Suíça manja do inglês. Mas eles falam um inglês meio arrastado com um sotaque muito forte.

Eu sentia que as pessoas das lojas me davam muito mais atenção e respeito quando eu falava o inglês americano do que quando eu tentava falar meu francês quebrado.

Acho que funciona mais ou menos assim, pelo menos para um cara preto como eu:

Fala inglês americano? É businessman!

Fala francês quebrado? É imigrante ilegal!

6- TRANSPORTE PÚBLICO

País desenvolvido não é aonde o pobre tem carro e sim ONDE O RICO ANDA DE TRANSPORTE PÚBLICO.

Genebra é uma prova viva disso.

Não ficaria surpreso se visse o próprio Paulo Coelho (bilionário que só ele) andando de ônibus e tramway em Genebra.

O melhor de tudo é que a cidade meio que pune quem anda de carro.

Abre o Google Maps e tenta ir de ponto A a ponto B dentro de Genebra.

Daí compara as opções “carro”, “bike” e “transporte público”.

Te garanto que o carro é o meio que vai demorar mais.

Os sinais de trânsito são ultra demorados de propósito. É um jeito da cidade dizer: “Ah quis ser espertão e andar de carro? Então se fode aê esperando no sinal.”

7- CACHORRO-CULTURE 

Quando me programei para viajar para Genebra, reservei o albergue mais barato da cidade: City Hostel Geneve pagando 100 dólares de diária para dividir o quarto e o banheiro com um estranho.

Acabou que meu amigo cearense Andrey viu pelo Facebook que eu vinha para Genebra e me ofereceu abrigo no apê dele perto do Lago Léman.

Andrey é de família pobre em Fortaleza, foi para os EUA com 18, passou 2 anos como faxineiro limpando privada lá, conseguiu desenrolar uma bolsa para fazer faculdade na Finlândia, meteu um mestrado na Holanda, passou os três níveis do CFA e hoje tem um mega trampo no mercado financeiro na Suíça.

Correria em pessoa! O tipo do cara que tem que ser exemplo para muito jovem brasileiro que está estagnado na vida.

O Andrey mora com a noiva e com um cachorro que é basicamente um filho para eles: eles pagam plano de saúde, creche, dogwalker e levam o cachorro para tudo quanto é lugar.

Faz sentido! Lembra que eu falei da história dos cachorreiros milionários do Upper East Side no meu terceiro livro WALL STREET – O LIVRO PROIBIDO?

Num país onde o custo de vida é tão alto, as pessoas pensam duas vezes antes de fazerem filhos.

Resultado: os cachorros acabam substituindo as crianças.

Na quinta feira, o Andrey me levou para comer na melhor pizzaria de Genebra, no bairro de Eaux Vives.

Daí ele pegou a coleira e começou a amarrar o cachorro.

Pra quê, cara?

Ele disse que ia aproveitar a saída para andar com ele.

A verdade é que eu esperei que o Andrey  fosse prender o cachorro no poste do lado de fora do restaurante.

Não!

O cachorro entrou com a gente… num restaurante chique!

A hostess do restaurante olhou o bicho, checou o tag verde na coleira dele e deixou a gente entrar.

Para ter o tal do tag verde, o cachorro precisa ser vacinado, treinado, o dono tem que pagar impostos em cima dele, bancar uma seguro de terceiros em caso de acidentes e um monte de outras “frescuras”.

A pizza veio e o cachorro não deu um pio.

Eu mesmo se estivesse na posição dele estaria me lambendo inteiro para atacar aquela pizza ali só de sentir o cheiro.

Agora eu passo a bola pra você? Já viajou para algum pico com “costumes” diferentes tipo a Suíça? Escreve aí nos comentários que eu leio tudo!

~Raiam

Ver Todos os artigos de Raiam Santos