s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

O (quase) golpe

O (quase) golpe

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Segundo o site do Tribunal Superior Eleitoral, o Projeto de Identificação Biométrica da Justiça Eleitoral tem por objetivo implantar em âmbito nacional a identificação e verificação biométrica da impressão digital para garantir que o eleitor seja único no cadastro eleitoral e que, ao se apresentar para o exercício do voto, seja o mesmo que se habilitou no alistamento eleitoral. O projeto piloto foi realizado em 2008. Tanto o cadastramento biométrico quanto o reconhecimento das digitais durante as eleições foram um sucesso. Nas eleições de 2016, estavam aptos a votar, 46.305.957 eleitores por meio da identificação biométrica (32,13% do eleitorado total de 144.088.912) em 1.541 municípios (27,67% do total, de 5.568). Nestas eleições, todos estão aptos.

Uma das razões centrais desse recadastramento eleitoral era sérias suspeitas de haver título demais pra gente de menos, títulos duplicados e mortos votando animadamente – entre outras barbaridades. Eis que o sistema foi implantado depois de mais de dois anos de milhares de alertas pela TV, rádio, internet, pombo-correio, sinal de fumaça, rádio peão, sermão de padre, fofoca de vizinha e tudo o mais que possa avisar um eleitor. O aviso era claro: Quem não se recadastrasse não votaria em 2018.

Finalizado o recadastramento com pleno sucesso em todo o País, a lulada “descobriu”, olha que maldade, que muitos pobres eleitores, ao não se recadastrarem, seriam impedidos de votar; sem pensar em nada a não ser na defesa desses humildes brasileiros, sem nenhum interesse, resolveu que os direitos dessas vítimas da tecnologia deviam ser protegidos a todo custo! Ah, como é lindo ver em ação esses paladinos da democracia!

O interessante é que a lulada só agitou a ideia depois de terminado o recadastramento, e não antes, como deveria ser. A manobra, suja como tudo o que vem dessa seita messiânica que remete aos piores tempos do stalinismo e do maoísmo, dá a certeza de que realmente os títulos anulados, da ordem de 3,3 milhões, eram realmente irregulares e serviam a interesses políticos escusos.

Como fazem em tudo que lhes desagrada, começaram a criar as mais loucas teorias conspiratórias, alegando que queriam impedir os mais pobres de votar, que isso marginalizaria milhões de eleitores, e que um número tão grande de títulos anulados poderia mudar os rumos de uma eleição. Era aí que morava o golpe: Metade dos títulos anulados era da região Nordeste, em bolsões de eleitores históricos do lulismo. Touché.

                        E como sempre, a lulada correu ao STF, seu tribunal particular até para definir a que horas Lula deve assistir TV na cadeia, para requerer, na maior cara de pau, a coisa mais cínica desde que Calígula nomeou seu cavalo cônsul: Que esses 3,3 milhões de títulos pudessem “valer” na eleição. A decisão no STF saiu quarta, 26, quando Ricardo Lewandowski, ministro que dispensa comentários, chegou a sugerir que esses “pobres excluídos” votassem nas antigas urnas de lona. Inacreditável. Marco Aurélio de Mello, cujos votos parecem sair de algum pesadelo de Salvador Dali, concordou, com aquela cara de quem continua dormindo. Pelamor. Porém, a maioria sã do STF venceu por 5 x 2 e os tais 3,3 milhões de potenciais robôs metafísicos do lulismo não poderão votar da quinta dimensão. O golpe lulista, um entre milhares, naufragou – e que os demais o sigam para o fundo do esgoto, mesmo lugar de onde saíram.

A única coisa realmente relevante a se discutir nessa eleição seria como evitar um novo desastre de 13 anos da pior administração possível da economia, resultando em 14 milhões de desempregados e 4 anos de recessão (tragédia inédita no Brasil), tudo recheado de escândalos como o petrolão, o maior assalto aos cofres públicos em toda a história humana; infelizmente, eleitores e candidatos, reais, fantoches ou os tais 3,3 milhões do além, preferem discutir machismo, feminismo, ditadura de 50 anos atrás, ideologia de gênero e outras bobagens sem a menor urgência ou relevo. Por isso o lulismo resiste como um câncer, sugando-nos, vivendo como o parasita que é. Estamos realmente na merda, independente do resultado da eleição.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes