s
Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 726 – Gently Weeps
Café Brasil 726 – Gently Weeps
Olha, algumas canções são tão sagradas que eu me sinto ...

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta. Todos sabemos: em período de pandemia, é ...

Ver mais

Polêmica indesejável
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Polêmica indesejável “Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.” José Ortega y Gasset A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de ...

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

O que nos resta então?

O que nos resta então?

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

Qual é a causa profunda desta situação na qual tanto a direita quanto a esquerda perderam a capacidade de compreender o outro? Em outras palavras: por que as elites políticas não mais são capazes de acessar o mundo do brasileiro trabalhador?

Para mim, amigos, a resposta está, em primeiro lugar, na falência do sistema educacional brasileiro. Essa falência foi causada, em parte, pela desastrosa reforma educacional estabelecida pelos militares em 1971, que aboliu de vez o ensino clássico, tornando compulsório, no segundo grau, o ensino “para o trabalho” em todas as escolas públicas e particulares. Como conseqüência dessa reforma, as gerações formadas no Brasil após os anos 70, independentemente da formação acadêmica que alcançam – do fundamental ao pós-doutorado –, podem vir a ser escolarizadas, mas não se tornam cultas; podem ser instruídas, mas não são refinadas. E é o refinamento humanista que torna possível ouvir e compreender as palavras da diferença e, com elas, enriquecer o seu próprio mundo.

Em suma: faltou, e falta, às lideranças políticas, econômicas e administrativas do país uma educação humanista. A substituição do ensino clássico – e do científico – pelo ensino profissionalizante tornou-nos todos incompetentes para a percepção das representações e dos valores do povo. Tornou-nos ineptos para a leitura da nossa conjuntura histórica. Impossibilitou-nos o exercício de incorporação, em nosso mundo, do mundo alheio.

* * *

Como é possível então adquirir, numa situação de desastre educacional como a nossa, a capacidade de visitar os outros mundos? Eu acredito que existam dois caminhos.

O primeiro caminho é a experiência de vida. Mas para percorrer esse caminho é preciso viver uma vida inteira. E, sinto muito, esse caminho está interditado às nossas elites. Nossas lideranças não sabem como vive um um brasileiro comum. Não têm a experiência de chegar ao fim do mês sem dinheiro para comprar café e pão. De ficar devendo à escola das crianças, a familiares, ao senhorio. Jamais conhecerão o olhar decepcionado, mas cheio de esperança, da criança que perdoa a ausência do presente e, em vez de ser consolada, consola: “tudo bem, não tem problema, no ano que vem, né?…”. Nossas lideranças não imaginam a impotência muda que se tem ao olhar para as crianças sabendo que não há um futuro melhor para elas, porque não dá nem para pagar um cursinho de inglês. As elites políticas, econômicas e administrativas do Brasil nunca passaram por isso. É preciso ter sido pobre no Brasil para que se possa ter a experiência de ser realmente brasileiro, para que se possa compreender a vida e os valores do homem comum no Brasil.

Mas existe um segundo caminho. Um atalho. Esse atalho para que se possa ir ao mundo do outro é a literatura, é a cultura humanista. Você nunca foi pobre, mas quer saber como pensa e sente quem vive na pobreza? Leia a grande literatura. Leia Dostoiévski. Leia Eça. Leia Guimarães Rosa. A literatura nos ensina a ver com os olhos do outro, a pensar com as idéias do outro, a viver uma outra vida que seria impossível para nós.

Contudo, além da falta de experiência da vida do brasileiro, as nossas elites são absolutamente iletradas. Essa é a conseqüência funesta da nossa derrocada educacional. A substituição do ensino clássico pelo ensino profissionalizante agora cobra seu preço: após quarenta anos, chegam ao poder elites políticas que não compreendem a dinâmica do nosso momento histórico – elites incapazes de acessar, dentro de si, a representação de mundo do povo que governam.

* * *

O que nos resta então?

Não podemos saber o que nos aguarda. Contudo, nossa insegurança não nos exime da nossa primeira responsabilidade humana: o dever da comunicação. E, sobretudo, a comunicação com aqueles que pensam de modo diferente de nós. Para que possamos nos comunicar, todavia, é preciso exercitar a sensibilidade humanista. É preciso ler Cervantes, é preciso ler Machado e Pessoa. É preciso aprender a encontrar o Outro dentro de si, para que se possa sair de si e ir ao Outro. É preciso aprender a escutar, porque a escuta atenta do outro é o primeiro cuidado com um inevitável companheiro de uma jornada em que buscamos – todos – a nossa terra prometida. Afinal, compartilhamos um destino em comum. Diante de nós está o mesmo mar, sobre nós está o mesmo céu, e somos alimentados pelo mesmo chão. Somos, enfim, o Mesmo.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche