s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 753 – A sala dos professores
Café Brasil 753 – A sala dos professores
Professor...professor...professor... houve um tempo em ...

Ver mais

Café Brasil 752 – Jam Session
Café Brasil 752 – Jam Session
Uma das coisas mais fascinantes é a demonstração de ...

Ver mais

Café Brasil 751 – A hipocrisia nossa de cada dia
Café Brasil 751 – A hipocrisia nossa de cada dia
A Perfetto é patrocinadora do Café Brasil e… sabe ...

Ver mais

Café Brasil 750 – The Rocket Man
Café Brasil 750 – The Rocket Man
Algumas obras de arte são tão perfeitas, mas tão ...

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

LíderCast 213 – Brunna Farizel e Lucas Moreira
LíderCast 213 – Brunna Farizel e Lucas Moreira
Empreendedores, criadores de uma franquia inovadora, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Ford, polarização e “capitalismo sem riscos”
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Ford, polarização e “capitalismo sem riscos”  “A desindustrialização brasileira é resultado das intervenções equivocadas que fizemos. E o pior é que o setor empresarial, as lideranças do setor ...

Ver mais

Os economistas mais influentes da atualidade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Os economistas mais influentes da atualidade  “O que são as pessoas de carne e osso? Para os mais notórios economistas, números. Para os mais poderosos banqueiros, devedores. Para os mais ...

Ver mais

A sala de professores e a deseducação
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Comecei a dar aulas no Ensino Médio em 1999, quando estava no segundo ano da graduação em Filosofia. Ou seja: há mais de vinte anos comecei a freqüentar a sala de professores. Nesse ambiente ...

Ver mais

Leituras, conexões e reminiscências
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Leituras, conexões e reminiscências “Se você tiver uma maçã e eu tiver uma maçã e trocarmos nossas frutas, continuaremos com uma maçã cada. Mas, se você tiver uma ideia e eu tiver uma ideia e ...

Ver mais

Cafezinho 354 – Abaixo de zero
Cafezinho 354 – Abaixo de zero
Sem um propósito, não. E então, como um alpinista sem ...

Ver mais

Cafezinho 353 – Confie desconfiando
Cafezinho 353 – Confie desconfiando
Uma sociedade repleta de gente com excesso de confiança ...

Ver mais

Cafezinho 352 – O drama da esquina
Cafezinho 352 – O drama da esquina
Não espere os grandes dramas nacionais para agir.

Ver mais

Cafezinho 351 – Um autoritário pra chamar de seu
Cafezinho 351 – Um autoritário pra chamar de seu
As pessoas perderam completamente o bom-senso e já há ...

Ver mais

O que vi e vivi nos dias de terror no Espírito Santo

O que vi e vivi nos dias de terror no Espírito Santo

Bruno Garschagen - Ciência Política -

O que fazer quando a polícia cruza os braços e você se encontra desarmado diante de bandidos armados?

Escrevo este artigo sob o impacto dos dias de terror e violência aqui no Espírito Santo, onde resido. A sensação de impotência é excruciante. O que fazer quando a polícia cruza os braços e você se encontra desarmado diante de bandidos armados? Foi igualmente perturbador testemunhar os policiais militares assistindo a tudo de camarote e saber que o contingente do Exército no Espírito Santo estava impedido por lei de, imediatamente, restabelecer a lei e a ordem. Nunca apelei tanto ao Pai-Nosso e à Ave-Maria.

Três dias foi o intervalo entre o pedido do governador do Espírito Santo, a determinação do presidente da República, a ordem do ministro da Defesa e a atuação das Forças Armadas. Três dias de terror que assustaram até um iraquiano que é comerciante em Vitória e disse que pensa em voltar para o seu país. Bagdá, para ele, está mais segura que aqui.

Não tenho dúvida de que as consequências da paralisação da PM só não foram mais graves porque a Guarda Municipal (GM) de cidades como Vila Velha e Cachoeiro de Itapemirim agiu corajosamente e porque parte da sociedade reagiu, com arma e sem arma. Dias atrás, um carro da GM escoltado por dois guardas a pé passou devagar pela rua onde moro. Do sistema de som do carro, um deles tentava tranquilizar os moradores, que aplaudiram e assoviaram num misto de apoio e alívio. Mesmo com pequena estrutura e falta de treinamento específico para lidar em situações como essa, os guardas municipais foram valiosos num momento crítico.
No caso da reação civil, fui testemunha e confirmei muitas histórias que ouvi, ocorridas em várias cidades capixabas, de pessoas que reagiram e botaram bandidos para correr ou que conseguiram imobilizá-los. Houve casos de moradores que, durante a reação, exageraram no cavalheirismo e provocaram algumas escoriações mais ou menos graves nos criminosos.

A reação de parte da sociedade capixaba só aconteceu, creio, porque, graças ao bom Deus, a mentalidade desarmamentista não resultou plenamente aqui no estado. Muita gente ainda tem arma de fogo em casa. E mesmo aqueles que não a têm manifestaram uma coragem admirável.

Foi bonito ver as pessoas se organizarem para fazer patrulha nas ruas, em casas, em condomínios, no comércio, com o fito de protegerem-se uns aos outros. A mentalidade que fundamenta o Estatuto do Desarmamento não foi capaz de fragilizar uma sociedade à mercê dos bandidos e de pessoas que aderiram aos saques criminosos nas lojas. Indivíduos que assim confirmaram a observação do Conselheiro Aires em Esaú e Jacó, de Machado de Assis: “não é a ocasião que faz o ladrão; A ocasião faz o furto; o ladrão nasce feito”.

Sim, a maioria dos capixabas está desarmada e ficou completamente desamparada. São pessoas que, decerto, acreditaram na ilusão vendida pelos defensores do Estatuto do Desarmamento. E que descobriram de maneira dramática que, na ausência da PM, a bandidagem faz a festa porque sabe que não há gente armada em número suficiente para ajudar todo mundo que precisou (e precisa) de ajuda. Que o diga quem mora nas periferias.

O que aconteceu no Espírito Santo abre uma janela de oportunidade fabulosa para discutirmos três temas fundamentais para a segurança da sociedade: a valorização efetiva da Polícia Militar, o que evitaria paralisações como essa; a necessidade de se ter uma nova Guarda Municipal preparada para agir prontamente em casos de necessidade; e a facilitação do registro, do porte e da compra de arma para o cidadão que deseja tê-la como instrumento de proteção.

A relação do capixaba com a PM não será a mesma e cada vez mais pessoas terão arma em casa. O Estatuto do Desarmamento falhou miseravelmente em mais um grande teste: o da realidade da vida cotidiana no Brasil.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen