s
Iscas Intelectuais
Isca Intelectual – O paraquedas de Da Vinci
Isca Intelectual – O paraquedas de Da Vinci
Cerca de 500 anos atrás, Leonardo da Vinci teve a ideia ...

Ver mais

Isca Intelectual – Música na cabeça e no corpo
Isca Intelectual – Música na cabeça e no corpo
Na isca de hoje, você verá Anna-Maria Helefe fazendo ...

Ver mais

Isca Intelectual – O mago Steve Ray Vaughn
Isca Intelectual – O mago Steve Ray Vaughn
Quando você domina sua técnica, tem repertório e ...

Ver mais

Isca Intelectual sobre talento
Isca Intelectual sobre talento
O que tinham feito suas mãos?

Ver mais

Café Brasil 834 – A Lei de Gresham
Café Brasil 834 – A Lei de Gresham
Quando lancei meu livro Brasileiros Pocotó em 2004, e ...

Ver mais

Café Brasil 833 – Rio, beleza e caos
Café Brasil 833 – Rio, beleza e caos
Um cantinho e um violão / Este amor, uma canção Pra ...

Ver mais

Café Brasil 832 – Carta Aberta Ao Brasil – Revisitado
Café Brasil 832 – Carta Aberta Ao Brasil – Revisitado
Em 2016 viralizou uma carta aberta ao Brasil, que um ...

Ver mais

Café Brasil 831 – Nossos problemas
Café Brasil 831 – Nossos problemas
Problemas, problemas, problemas.... todo mundo tem ...

Ver mais

LíderCast 237 – Marcus Kanieski
LíderCast 237 – Marcus Kanieski
No programa de hoje temos Markus Kanieski, advogado de ...

Ver mais

LíderCast 236 – Paulo Ganime
LíderCast 236 – Paulo Ganime
No programa de hoje temos Paulo Ganime, Deputado ...

Ver mais

LíderCast 235 – Gilberto Lopes
LíderCast 235 – Gilberto Lopes
Hoje a conversa é com Gilberto Lopes, o Giba, que é CEO ...

Ver mais

LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
Hoje o convidado é o Danilo Cavalcante, que se diz ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

A boa e velha realidade
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Frases que começam com as expressões “Então…” ou “Veja bem…” não têm como dar certo. Caso o cidadão receba resposta principiando com essas pérolas, pode esperar: Vem chumbo. Você ...

Ver mais

A visão pornográfica de mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A minha família está passeando no Brasil. Eles estão aproveitando as férias escolares do nosso filho mais velho. Ontem uma menina de treze anos conversou com a Bruna, minha esposa. A menina lhe ...

Ver mais

Encontro de Cidades Criativas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Encontro de Cidades Criativas  “As cidades surgem como espaço de encontro; uma cidade é um conjunto de pessoas com oportunidades distintas.” Ana Carla Fonseca A XIV Conferência da Rede de Cidades ...

Ver mais

Nós do Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Nós do Brasil  Nossas heranças e nossas escolhas “No Brasil, o futuro de uma criança está em grande parte determinado pelas condições socioeconômicas de sua família no momento do nascimento. ...

Ver mais

Cafezinho 515 – Você nunca foi tão hipócrita
Cafezinho 515 – Você nunca foi tão hipócrita
O convívio civilizado entre interesses conflitantes é ...

Ver mais

Cafezinho 514 – Saia da Zona da Indiferença
Cafezinho 514 – Saia da Zona da Indiferença
Zona da Indiferença é uma área onde quando forçados a ...

Ver mais

Cafezinho 513 – A lei de Gresham cultural
Cafezinho 513 – A lei de Gresham cultural
Existe um princípio econômico chamado Lei de Gresham, ...

Ver mais

Cafezinho 512 – O calo do dono
Cafezinho 512 – O calo do dono
Por muito tempo nos queixamos que não tínhamos ...

Ver mais

O Trivium – uma introdução

O Trivium – uma introdução

Alexandre Gomes -

Olá guria! Olá velhinho! Aqui é Alexandre Gomes, um membro da Confraria Café Brasil, aficionado por livros, música e um ranzinza que atazana a turma lá da Confraria. Uns meses atrás, decidi estudar e resumir um livro: O Trivium, falarei mais adiante. E passei a comentar e partilhar minhas anotações na Confraria. Uma vez que a turma lá parece ter gostado; o Luciano achou por bem trazer para cá no portal. Espero que você goste do que virá por aqui. Prometo publicar no portal todos os meses, nesta mesma data. Então… vamos lá entender o que é o Trivium, e como entender isso vai ajudar tanto na sua carreira profissional como em sua vida? (só não vai te deixar rico. Essa parte é com você!)

O que é? Quando surgiu?, porque sumiu? e quando voltou? E o que raios isso tem a ver com educação ou o assustador índice de analfabetismo funcional entre os graduados no Brasil atual?

Um bom caminho para entender algo é saber a sua origem. Graças à imensa gentileza do Luciano Pires, irei expor a você o que consegui compreender a respeito do Trivium, a primeira parte do estudo das Sete Artes Liberais:

Lógica, Gramática, Retórica – O Trivium

Aritmética, Música, Geometria e Astronomia – O Quadrivium.

Parece um curso universitário completo, não é? Na verdade, vários… o problema é que esse era o equivalente ao ginásio/científico do mundo antigo (estou falando da Grécia Antiga e do começo da Idade Média).

Pois bem, a formação de um jovem naqueles tempos seguia o seguinte rumo: primeiro ele era treinado em um OFÍCIO ( ou Arte) PRÁTICO, através de sua adesão a alguma guilda específica – você pode chamar de sindicato, com a diferença de que todos nele trabalhavam no ofício de verdade (heheheh). Mas aqueles que buscavam uma formação mais elaborada – seja por demonstrar habilidade acima da média, seja por conta de seu nascimento (segundos e terceiros filhos não seriam herdeiros, então o caminho que restava para eles era o sacerdócio ou alguma arte liberal). É agora que eu faço você perceber que as artes são LIBERAIS não porque tem algo a ver com Liberalismo Econômico, e sim por serem artes (ofícios) livres de guildas (sindicatos).

Tudo começou ali pelo século II d.C., na Alexandria, em uma comunidade de estudos do Cristianismo que havia se iniciado por conta do evangelista São Marcos. Era o Didaskaleion: escola catequética destinada aos pagãos convertidos. E essa forma de educação de jovens persistiu, aos trancos e meio que se esfacelando, até a Idade Média, quando o imperador Carlos Magno ordenou o monge Alcuíno de Iorque a organizar uma escola carolíngia para educar os jovens de seu reino (não todos, é claro, e sim aqueles com ascendência nobre ou membros do clero).

O uso das Sete Artes Liberais na preparação de jovens para educação superior começou a ser deixado de lado no século XIV, por conta do surgimento do Humanismo (escola filosófica que coloca o homem como o centro do mundo, em lugar de Deus, que era a visão anterior), sendo definitivamente abandonada no Renascimento, por conta do novo método pedagógico, apresentado no livro Magna Didactica, escrito pelo teólogo Jean Amos Comenius. O objetivo de Comenius era estabelecer novas bases pedagógicas mais modernas, com o objetivo antes de distribuição social que de efetiva educação. Veja um trecho do que Comenius escreveu:

“Ouso prometer uma grande didática, uma arte universal que permita ensinar a todos com     resultado infalível, ensinar rapidamente, sem preguiça ou aborrecimento para alunos e professores; ao contrário, com o mais vivo prazer.”

Posso estar errado, mas me lembrei de Paulo Freire (só que Comenius sabia escrever…). Enfim, por volta dos anos 1930, uma freira, a Irmã Miriam Joseph, decidiu implantar o curso Trivium para os novos alunos da Saint Mary’s College. Esse curso durava dois semestres, com aulas cinco vezes na semana. O objetivo do curso era preparar o estudante para o estudo da cultura clássica. A Irmã trabalhou em conjunto com o filósofo americano Mortimer Adler (dica: leia A Arte de Ler, abrirá sua cabeça sem deixar que o cérebro caia fora).

Então, recapitulando o que já disse antes, temos: As Sete Artes Liberais era a forma que os jovens eram preparados desde a Antiguidade até a alta Idade Média para educação superior. E a introdução nas Sete Artes era pelo Trivium, um método que educa a mente do estudante tanto a pensar de maneira clara, como também a expressar com clareza o que pensa e de forma elegante. Ou seja, totalmente diferente do que vemos nos dias de hoje, não é? O Trivium oferece ferramentas para que qualquer estudante sério consiga ler um texto seja escrito por Shakespeare, ou Biu do Pão, e daí compreender o que está ali escrito e explicar seja para um doutor em astrofísica ou uma criança de nove anos de vida simples e sem luxos.

O que pretendo com essa série de artigos (que com o tempo poderão ser chamados de lições) é APRESENTAR DE MANEIRA RESUMIDA e superficial o conhecimento do mundo Antigo e Medieval trazido de volta para nossos tempos por uma freira que já no século passado viu que o caminho que seguíamos desde aquele tempo iria nos trazer para esse poço sem água que é a educação brasileira.

 

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes