s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

O Trivium – uma introdução

O Trivium – uma introdução

Alexandre Gomes -

Olá guria! Olá velhinho! Aqui é Alexandre Gomes, um membro da Confraria Café Brasil, aficionado por livros, música e um ranzinza que atazana a turma lá da Confraria. Uns meses atrás, decidi estudar e resumir um livro: O Trivium, falarei mais adiante. E passei a comentar e partilhar minhas anotações na Confraria. Uma vez que a turma lá parece ter gostado; o Luciano achou por bem trazer para cá no portal. Espero que você goste do que virá por aqui. Prometo publicar no portal todos os meses, nesta mesma data. Então… vamos lá entender o que é o Trivium, e como entender isso vai ajudar tanto na sua carreira profissional como em sua vida? (só não vai te deixar rico. Essa parte é com você!)

O que é? Quando surgiu?, porque sumiu? e quando voltou? E o que raios isso tem a ver com educação ou o assustador índice de analfabetismo funcional entre os graduados no Brasil atual?

Um bom caminho para entender algo é saber a sua origem. Graças à imensa gentileza do Luciano Pires, irei expor a você o que consegui compreender a respeito do Trivium, a primeira parte do estudo das Sete Artes Liberais:

Lógica, Gramática, Retórica – O Trivium

Aritmética, Música, Geometria e Astronomia – O Quadrivium.

Parece um curso universitário completo, não é? Na verdade, vários… o problema é que esse era o equivalente ao ginásio/científico do mundo antigo (estou falando da Grécia Antiga e do começo da Idade Média).

Pois bem, a formação de um jovem naqueles tempos seguia o seguinte rumo: primeiro ele era treinado em um OFÍCIO ( ou Arte) PRÁTICO, através de sua adesão a alguma guilda específica – você pode chamar de sindicato, com a diferença de que todos nele trabalhavam no ofício de verdade (heheheh). Mas aqueles que buscavam uma formação mais elaborada – seja por demonstrar habilidade acima da média, seja por conta de seu nascimento (segundos e terceiros filhos não seriam herdeiros, então o caminho que restava para eles era o sacerdócio ou alguma arte liberal). É agora que eu faço você perceber que as artes são LIBERAIS não porque tem algo a ver com Liberalismo Econômico, e sim por serem artes (ofícios) livres de guildas (sindicatos).

Tudo começou ali pelo século II d.C., na Alexandria, em uma comunidade de estudos do Cristianismo que havia se iniciado por conta do evangelista São Marcos. Era o Didaskaleion: escola catequética destinada aos pagãos convertidos. E essa forma de educação de jovens persistiu, aos trancos e meio que se esfacelando, até a Idade Média, quando o imperador Carlos Magno ordenou o monge Alcuíno de Iorque a organizar uma escola carolíngia para educar os jovens de seu reino (não todos, é claro, e sim aqueles com ascendência nobre ou membros do clero).

O uso das Sete Artes Liberais na preparação de jovens para educação superior começou a ser deixado de lado no século XIV, por conta do surgimento do Humanismo (escola filosófica que coloca o homem como o centro do mundo, em lugar de Deus, que era a visão anterior), sendo definitivamente abandonada no Renascimento, por conta do novo método pedagógico, apresentado no livro Magna Didactica, escrito pelo teólogo Jean Amos Comenius. O objetivo de Comenius era estabelecer novas bases pedagógicas mais modernas, com o objetivo antes de distribuição social que de efetiva educação. Veja um trecho do que Comenius escreveu:

“Ouso prometer uma grande didática, uma arte universal que permita ensinar a todos com     resultado infalível, ensinar rapidamente, sem preguiça ou aborrecimento para alunos e professores; ao contrário, com o mais vivo prazer.”

Posso estar errado, mas me lembrei de Paulo Freire (só que Comenius sabia escrever…). Enfim, por volta dos anos 1930, uma freira, a Irmã Miriam Joseph, decidiu implantar o curso Trivium para os novos alunos da Saint Mary’s College. Esse curso durava dois semestres, com aulas cinco vezes na semana. O objetivo do curso era preparar o estudante para o estudo da cultura clássica. A Irmã trabalhou em conjunto com o filósofo americano Mortimer Adler (dica: leia A Arte de Ler, abrirá sua cabeça sem deixar que o cérebro caia fora).

Então, recapitulando o que já disse antes, temos: As Sete Artes Liberais era a forma que os jovens eram preparados desde a Antiguidade até a alta Idade Média para educação superior. E a introdução nas Sete Artes era pelo Trivium, um método que educa a mente do estudante tanto a pensar de maneira clara, como também a expressar com clareza o que pensa e de forma elegante. Ou seja, totalmente diferente do que vemos nos dias de hoje, não é? O Trivium oferece ferramentas para que qualquer estudante sério consiga ler um texto seja escrito por Shakespeare, ou Biu do Pão, e daí compreender o que está ali escrito e explicar seja para um doutor em astrofísica ou uma criança de nove anos de vida simples e sem luxos.

O que pretendo com essa série de artigos (que com o tempo poderão ser chamados de lições) é APRESENTAR DE MANEIRA RESUMIDA e superficial o conhecimento do mundo Antigo e Medieval trazido de volta para nossos tempos por uma freira que já no século passado viu que o caminho que seguíamos desde aquele tempo iria nos trazer para esse poço sem água que é a educação brasileira.

 

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes