Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Olímpicas expectativas

Olímpicas expectativas

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Olímpicas expectativas

Olimpíadas

Uma das grandes vantagens do Facebook é a de permitir a retomada do elo com pessoas das quais havíamos perdido o contato há mais ou menos tempo. Aconteceu exatamente isso com o Sergio Luiz Alvarez, o Serginho, meu companheiro de seleção brasileira de basquete numa viagem a Porto Rico no longínquo ano de 1968.

Há alguns dias ele postou um comentário a respeito dos Jogos Olímpicos, dizendo que noutros tempos, nessa época, ele ficava ansioso pelo início das competições, imaginando quantas emoções iria viver e quantas quebras de recordes iria acompanhar. No entanto, às vésperas do início da Olimpíada do Rio de Janeiro, a maior parte das notícias diz respeito a desorganização, corrupção, superfaturamento, terrorismo, doping, risco de contaminação por zika e outras coisas.

Aproveito o comentário do Serginho para algumas reflexões adicionais.

Não há dúvida de que os tempos são outros e as mudanças são evidentes em vários planos: político, econômico, ético, esportivo etc.

No plano político, os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro ocorrerão em meio a uma enorme crise política que redundou no afastamento da presidente Dilma Rousseff e sua substituição – em caráter provisório ainda – pelo vice-presidente Michel Temer. Independentemente das preferências, o que se constata é que essa provisoriedade pouco contribuiu para pôr fim à estagnação da nossa economia, que levou, entre outras consequências, uma elevação considerável do desemprego e uma forte contração das atividades em praticamente todos os setores produtivos, sendo o agronegócio uma das únicas exceções.

É possível que a referida provisoriedade chegue ao fim logo após o encerramento das competições, uma vez que o julgamento do afastamento definitivo de Dilma Rousseff no Senado está previsto para ter início no dia 25 de agosto. Quem sabe, com a definição de quem continuará presidindo o País, em especial se prevalecer a hipótese hoje mais provável da continuidade de Michel Temer, a paradeira dê lugar a um início de recuperação, motivada em grande parte pela retomada dos investimentos nacionais e estrangeiros, e da confiança dos agentes econômicos brasileiros. Vários índices vêm sinalizando um pequeno aumento dessa confiança desde que Temer assumiu a presidência.

Estendendo a perspectiva para as relações internacionais, porém, ela me parece mais preocupante, visto que a escalada da violência e do terrorismo não tem dado tréguas e não oferece esperança de uma mudança no curto prazo. Pelo contrário, exemplos de intolerância pipocam em diferentes partes do planeta, com atentados que vitimam inexplicavelmente dezenas ou centenas de inocentes.

A ameaça de um atentado dessa natureza durante a realização dos Jogos Olímpicos não pode ser descartada, em razão da enorme visibilidade que um evento dessa magnitude possui. E, por mais que haja um esforço de segurança envolvendo a ação combinada dos sistemas de inteligência do Brasil e de diversas outras nações, a verdade é que quando os autores desses atentados estão dispostos a dar a própria vida para a sua execução, a possibilidade de neutralização torna-se extremamente difícil. É exatamente isso que observamos em atentados recentes como os de Orlando, Paris, Bruxelas, Nice, Munique etc.

Desviando a atenção para o plano ético, o cenário também não é nada animador. No Brasil, não bastasse vivermos às voltas com os episódios de corrupção que estão sendo investigados pela Operação Lava-Jato, temos que acompanhar sucessivas notícias de superfaturamento na construção das instalações esportivas desde a Copa do Mundo. Embora o saldo definitivo desses grandes eventos demore a ser conhecido, algumas evidências da Copa de 2014 são hoje inquestionáveis, entre as quais o péssimo investimento feito em estádios em localidades em que o futebol não tem maior tradição, como são os casos de Brasília, Manaus, Natal e Cuiabá. Passados dois anos do encerramento da Copa, como era esperado, esses estádios transformaram-se em verdadeiros elefantes brancos, com despesas de manutenção impossíveis de serem cobertas pelas respectivas prefeituras. O futuro poderá ser ainda pior, na medida em que os grandes times do Rio de Janeiro, que têm realizado alguns de seus jogos nesses estádios, voltem a se utilizar do Maracanã e do Engenhão, que por longo tempo não puderam ser utilizados por estarem sendo reformados para os Jogos Olímpicos.

As estatísticas evidenciam que grande parte das edições dos Jogos Olímpicos deixou como legado um déficit considerável. As duas exceções mais marcantes foram os Jogos Olímpicos de Barcelona em 1992 e de Los Angeles em 1984, este último bancado integralmente pela iniciativa privada. Fábio Piperno, no recém-lançado Jogada política no esporte, realça esse aspecto:

Los Angeles/84 estabeleceu novos paradigmas na organização de Olimpíadas. Comandados pelo executivo Peter Ueberroth, os Jogos na metrópole californiana foram os primeiros da história com financiamento 100% privado e os mais rentáveis de todos os tempos, deixando saldo positivo de US$ 225 milhões. Para chegar ao resultado, os organizadores atraíram 34 grandes patrocinadores e mais uma centena de marcas, que se associaram como licenciadas ou fornecedoras oficiais. Fora isso, os Jogos contaram com o trabalho gratuito de 28 mil voluntários, o que significou sensível redução de custos.

Em termos de investimentos em instalações não esportivas, o grande legado da Olimpíada será para o povo do Rio de Janeiro, que poderá desfrutar de consideráveis melhorias em regiões que foram revitalizadas, em novos meios de transporte e em novas atrações culturais que poderão ampliar ainda mais o interesse de turistas pela Cidade Maravilhosa. Evidentemente, para que isso se viabilize, tanto a cidade como o estado do Rio de Janeiro precisarão passar por profundas mudanças, no sentido de oferecer mais segurança, saúde e até condições mínimas de trabalho para servidores que se encontram profundamente desestimulados.

Deslocando a ética para o plano esportivo, também não há motivos de alento. A recente notícia da exclusão das equipes de atletismo e de halterofilismo da Rússia dos Jogos – exclusão que poderá se estender a outras modalidades – em função de um abrangente esquema de doping envolvendo as próprias autoridades, revela a que ponto chegou a busca desesperada por resultados. Há fortes indícios de que esquemas dessa natureza ocorressem com frequência durante a Guerra Fria, quando as conquistas esportivas eram utilizadas por alguns governos como prova de supremacia de uma ideologia, um regime político ou um sistema econômico. Muita gente imaginava que com o fim da Guerra Fria essa prática tivesse, senão desaparecido, diminuído bastante. Os fatos que agora se tornaram de conhecimento público mostram que, infelizmente, ainda estamos longe disso.

Já no que se refere a resultados de uma forma geral, minha expectativa também não é das melhores. Além da ausência dos atletas russos, muitos grandes atletas de diversas modalidades optaram por não vir ao Rio de Janeiro, por diferentes motivos. Alguns por alegarem necessidade de recuperação depois de uma temporada extenuante como os super astros da NBA LeBron James, Stephen Curry, James Harden e Kawhi Leonard; outros por não terem se recuperado de lesões como o tenista suíço Roger Federer, o cestobolista espanhol Marc Gasol e o jogador brasileiro de vôlei Murilo; outros por temor de contaminação pelo vírus da zika como os tenistas Milos Raonic e Tomas Berdych e os golfistas Rory McIlroy, Dustin Johnson e Marc Leishman; e alguns por desinteresse decorrente de problemas com as federações locais, como ocorreu com diversos futebolistas argentinos que se negaram a defender a seleção de seu país. São ausências que retiram parte do brilho que poderia existir em algumas modalidades. Felizmente o maior ícone do esporte, o velocista jamaicano Usain Bolt recuperou-se a tempo de participar dos Jogos Olímpicos, embora talvez sem estar no auge de sua forma.

Por fim, quanto ao desempenho dos atletas brasileiros, não vejo nenhum motivo para otimismo. Mesmo que o número de medalhas supere o de edições anteriores – o que é mais do que esperado por se tratar do país que sedia as competições – não aconteceu qualquer mudança estrutural que propiciasse uma perspectiva mais favorável a longo prazo.

Esse aspecto foi examinado com propriedade pelo ex-ministro Caio Luiz de Carvalho no prefácio do já mencionado Jogada política no esporte.

Tempo de Olimpíadas, tempo de governos repensarem os gastos vultosos que os grandes eventos hoje exigem dos destinos sede.

Poderíamos hoje celebrar a escolha vitoriosa do Rio de Janeiro como responsável pelo fato de o governo brasileiro ter, com visão estratégica, aproveitado para adotar uma política de Estado para o esporte e atividade física no País, oferecendo cenários mais saudáveis para as gerações futuras do que o da monocultura do futebol.

Mais uma vez nada foi feito. No entanto destaco que ao contrário do fracasso anunciado na Copa do Mundo de Futebol, que nada de legado deixou para o País, dessa vez a cidade do Rio de Janeiro terá ganhos com as obras de infraestrutura que a cidade recebeu e que ficarão para seus moradores e visitantes. Perdeu-se, porém, a chance de conquistarmos com campanhas toda uma geração de jovens brasileiros para a prática de esportes olímpicos e atividade física.

E o mesmo Caio Luiz de Carvalho, frente a esse diagnóstico, conclui que:

Um país há décadas sem políticas de Estado voltadas para a prática da atividade física desde os primeiros bancos escolares, que ignora os seus 350 mil profissionais de educação física, que não promove o chamado Esporte para Todos, que não dispõe de Centros de Referência e Excelência Esportiva regionais, que não cria um banco de talentos e que teve nos últimos anos um Ministério de Esportes voltado mais para o futebol não pode mesmo ter expectativas de grandes performances em Jogos Olímpicos.

Há 32 anos, escrevi um artigo com o título Poucos esportistas… poucas medalhas. Foi logo após o encerramento dos Jogos Olímpicos de Los Angeles, quando o Brasil conquistou apenas 8 medalhas[1]. Passados todos esses anos, a base do nosso esporte continua a residir nos clubes esportivos, de acesso extremamente restrito. Enquanto em quase todas as potências olímpicas a base está nas escolas e universidades, com acesso quase universal, aqui dependemos do investimento de alguns clubes poliesportivos que permanecem por décadas formando ou aperfeiçoando atletas de alto rendimento, como são os casos do Pinheiros, em São Paulo, e do Minas Tênis, em Belo Horizonte. Enquanto isso, as competições colegiais e universitárias ocorrem com pouquíssimo apoio quer das autoridades esportivas quer da imprensa especializada.

Costumo dizer a meus alunos que virei intelectual porque esqueci de crescer. Isso porque até os dezoito anos joguei basquete em alto nível, tendo oportunidade de participar de diversas seleções paulista e brasileira de categorias menores. Graças a isso, de vez em quando sou convidado para entrevistas ou para participar de programas de televisão que tratam de esporte. Foi o que aconteceu no fim do ano passado, quando gravei uma entrevista para o programa Conexão Universitária, em que expus muitas das ideias e preocupações contidas neste artigo. A entrevista pode ser vista em https://www.youtube.com/watch?v=BAmsx-2eCYo.

Às vésperas do início dos Jogos Olímpicos, espero estar errado nas minhas previsões, de tal forma que eles sejam um sucesso e que nossos atletas conquistem um número expressivo de medalhas, deixando um legado inesquecível.

Mas, sincera e infelizmente, não é o que estou prevendo!

Iscas para quem quiser se aprofundar

Referências bibliográficas

CARDOSO, Maurício. Os arquivos das Olimpíadas. São Paulo: Editora Panda, 2000.

MACHADO, Luiz Alberto. Poucos esportistas… poucas medalhas. Correio Popular, Campinas, 29 de agosto de 1984.

PIPERNO, Fábio. Jogada política no esporte. São Paulo: Editora do SESI, 2016.

PRONI, Marcelo Weishaupt. O debate sobre o legado dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Apresentação no Seminário “Trabalhadores(as) em tempo de crise: construindo alternativas”. Promoção UGT. São Paulo: Mimeo.

THE ECONOMIST. Ainda não dá para ganhar medalha. Reproduzido em O Estado de S. Paulo, 1 de agosto de 2016, p. H 4.

[1] Uma de ouro (no atletismo, com Joaquim Cruz, nos 800 metros); 5 de prata (uma na natação, com Ricardo Prado, nos 400 metros medley, uma no iatismo, com Torben Grael, Daniel Adler e Ronaldo Senft, na classe Soling, uma no judô, com Daniel Vieira, uma no futebol e uma no voleibol masculino, com a chamada “geração de prata”; e 2 de bronze (ambas no judô, com Luiz Onmura e Walter Carmona).

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado