s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Onde se escondeu a coerência?

Onde se escondeu a coerência?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                                      Discurso sólido, coerente, com começo, meio e fim é uma raridade num País de cultura cada vez mais profanada pelo simplismo, pela preguiça mental, pelo automatismo e pelas soluções fáceis – tão fáceis quanto erradas.

                                      Exubera a cultura do simples, já que o complexo cansa, e explicar cansa mais ainda. Daí, raciocinar mais profundamente torna-se quase um crime de pensamento, coisa muito comum nas ditaduras stalinistas-maoístas, tão reverenciadas por gente que alega defender a liberdade, por mais paradoxal que isso seja. Como já dito, procurar coerência é perda de tempo.

                                      Há apenas seis meses, houve o massacre no prédio do jornal satírico francês Charlie Hebdo (atenção, sem-terra, sem-teto e outros maoístas de oportunidade: AQUILO foi massacre; tomar umas bordoadas da polícia NÃO é massacre); os lulistas, abraçados ao que há de mais atrasado no mundo, jogaram a culpa nos cartunistas, que, onde já se viu!, “ousaram” usar a figura de Maomé nos cartuns. Para esses sujeitos, é muito merecido tomar um tiro no meio da cara pra aprender a respeitar a fé alheia. Bem feito pra eles, e assunto encerrado. Tendeu, mano.

                                      Mas atenção: SÓ os muçulmanos podem matar – e quanto mais terroristas, quanto mais assassinos, quanto mais sanguinários, mais amigos serão dos stalimaoístas. Como esquecer que Dilma pediu “diálogo” com os terroristas do Exército Islâmico, que degolam crianças e estupram idosas, mas se disse “indignada e estarrecida” com a execução dos traficantes brasileiros na Indonésia?

                                      Pois bem, então a regra é respeitar religiões, sob pena de se validar a execução sumária de que atentar contra ela… mas só se for religião muçulmana. Pra desrespeitar os cristãos, eles têm apoio e dinheiro público, com patrocínio explícito das estatais. Exagero? Não mesmo.

                                      Na parada gay de domingo passado, em São Paulo, havia uma jovem (ou transexual, não se sabe ao certo, e não é piada), com os seios nus, simulando a crucifixão de Cristo. Para os stalimaoístas, foi apenas uma normalíssima expressão de liberdade. E quem disser o contrário é preconceituoso, sexista, pertence à direita assassina, ao capitalismo selvagem, e demais besteiras-prontas usadas como grito de guerra por quem finge lutar por direitos fazendo-se de vítima. Detalhe comum nesse vitimismo partidário: Esses corajosos defensores da liberdade que levaram uma “crista” seminua na cruz tiveram patrocínio da Prefeitura de São Paulo, Caixa Econômica Federal e Petrobrás… entidades dominadas adivinhem por quem?

                                      Antes que os oligofrênicos de sempre se revoltem e agridam com os usuais xingamentos e pragas, vamos esclarecer umas coisas: Não está certo discriminar gays, nem ameaçar a jovem que representou Cristo. É errado, é crime, e ponto final. Mas é espantoso lembrar que os stalimaoístas acham justificável a execução sumária de quem satiriza uma religião, enquanto financiam pessoas para agredir outra – e com dinheiro público!

                                      Essa insanidade não reside somente no campo religioso, mas em qualquer outro onde se apresente esse antagonismo anacrônico, como na discussão da pena de morte: Stalimaoístas defendem a pena de morte, desde que eles mesmo matem. Se o carrasco não usar vermelho, nem foice ou martelo, aí é assassino mesmo.

                                      Lembram do caso dos traficantes brasileiros executados na Indonésia? Pois é. Dilma ficou “estarrecida”, convocou nosso embaixador e recusou-se receber o deles, fez discursos, protestos, notas diplomáticas, embargo econômico parcial, o diabo. Mas ignorou os dois brasileiros assassinados na Venezuela sobre a acusação de tráfico de drogas. No fim de maio, a Força Aérea venezuelana abateu um avião com dois tripulantes brasileiros, Fernando César Silva da Graça, 29 anos, e Klender Hideo de Paula Ida, 24. Os dois amazonenses foram abatidos e mortos em pleno vôo, sem que nada se provasse, sem o menor indício. A ditadura de Maduro assim decidiu e ponto final. Mas sobre essas duas mortes Dilma não disse nada, não se “estarreceu”; também se calaram todos os sem-alguma-coisa e os agitadores de sempre. Direitos humanos? Nem pensar. Para esses dois mortos, sumiram todas as Marias-do-Rosário; porque se o companheiro Maduro matou, eles mereceram. Se fosse a Força Aérea americana, nem a múmia de Lênin poderia imaginar o que ia ter de passeata, berreiro, vandalismo e bandeira queimando. E o pessoal dos direitos humanos ia brotar de todas as catacumbas nas quais se ocultam na hora mais necessária.

                                      Companheiro matando é justiçamento, nunca assassinato. Mas se a Lei é cumprida e o réu é companheiro… sai de baixo, Caronte. E espere pelo exército de Stédile, como evocou Lula, o “pobre trabalhador” que coleciona milhões como nós colecionamos aumentos na conta de luz.

                                      Coerência? Nunca. É como ver o deputado Jean Wyllys numa foto que ele mesmo postou numa rede social, fantasiado de Che Guevara, homenageando o próprio. Ele, gay assumidérrimo, sabe muito bem qual seria seu futuro nas mãos do Che, que abominava homossexuais e queria a internação deles em campos de trabalhos forçados – quando não a mesma execução sumária que “mereceram” os cartunistas franceses.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes