s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Organizações Flex

Organizações Flex

ivan carlos witt - Iscas Horizontes -

alegria-1

 

A receita para tirar proveito do conflito de gerações

Com muita frequência o assunto conflitos de gerações ganha impulso e desafia o mundo corporativo. Apesar da relevância, não é um tema novo. Desde sempre somos sucedidos por jovens. Enfrentamos sim uma grande diferença. A velocidade do intercâmbio de informações e conhecimento. No mundo onde a internet das coisas bate a porta, as trocas acontecem em velocidade sem precedentes. Facebook está fora de moda para quem é de vanguarda. E-mail beira a pré-história para os usuários de grupos fechados de WhatsApp.

Cada pessoa com um smartphone carrega consigo uma porta de acesso imediato a um banco de informações gigantesco que cresce em progressão geométrica. Coisas que no passado custavam uma fortuna (uma pesquisa de satisfação do cliente, por exemplo), podem ser organizadas e implementadas num piscar de olhos, gratuitamente. Softwares de gestão, uma vez implementados, oferecem em tempo real a situação financeira de uma empresa em um apertar de botão.

Experimente digitar PIB Brasil na barra do Google. Em segundos um gráfico surge na tela. Clique no link “explorar mais” que aparece na parte de baixo do gráfico. Não é assombroso? Ali, em segundos, você tem dados para análises complexas, que levariam meses ou até anos para reunir há bem pouco tempo. Se você é um jovem profissional, tem a seu favor um contingente de dados e informações que poucos presidentes de empresa tiveram num passado não muito distante. Se você é um líder hoje, precisa entender essa tecnologia e aplicá-la no dia-a-dia.

Para que não percamos essa fabulosa oportunidade que a tecnologia nos oferece é fundamental para qualquer grupo profissional construir uma organização flex. Jovens e seniores trabalhando juntos, num formato diferente dos organogramas tradicionais. A hierarquia não conta muito numa rede de troca de informações. As decisões podem, mais do que nunca, ser tomadas com dados. Nesse contexto é preciso contagiar os mais seniores com a coragem dos jovens em fazer diferente, em ir além, em ousar mais. É preciso também expor estes jovens ao aprendizado conquistado em anos de vivência. Afinal, para transformar dados e informação em sabedoria, vivência é fundamental e ainda não inventaram substituto para o tempo.

Por isso acredito nas organizações flex, em que esse tempo de aprendizado pode ser otimizado. Jovens contagiando líderes com sua energia, vitalidade e coragem de reinventar o mundo, trilhar novos caminhos. E seniores, com sua experiência de vida, indicando atalhos e perigos no caminho que já trilharam antes. Sugiro trocar o termo conflito de gerações para simbiose de gerações. Nesse contexto, as políticas de recursos humanos precisam ser de vanguarda. Será preciso aprofundar o conhecimento das coisas não técnicas, das chamadas emoções, dos egos, complexas e arraigadas nos seres humanos. A energia fundamental que incita a inovação é a mesma da vida, a alegria. Tão importante quanto uma organização eficiente e rentável será a organização feliz.

Talvez você, da minha geração (estou com 53 anos) esteja pensando “bobagem, o que fala alto é o lucro.” Não discordo. Apenas acrescento que a definição de lucratividade já não é medida só em espécie monetária. Pergunte a um jovem de sua empresa o que é mais importante, salário ou qualidade-de-vida. Pois é, esse jovem vai ser o líder da sua organização no futuro. Eu aposto que ele irá acrescentar alegria na sua lista de objetivos em um futuro bem próximo. Ajustar as organizações para esse novo cenário que se descortina é fundamental para atrair e reter os melhores talentos e garantir o sucesso futuro.

Ver Todos os artigos de ivan carlos witt