s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Os inteligentes e os cabotinos

Os inteligentes e os cabotinos

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

“Não temo quem tem mil bombas atômicas. Temo quem tem apenas uma.” Tom ClancyEscritores americanos e britânicos já foram participantes ou, ao menos, consultores ativos de organismos de espionagem e defesa, tais como Tom Clancy (1947 – 2013) e seus colegasingleses Ian Fleming (1908 – 1964) e Frederick Forsyth (1938). Fleming foi (é) o mais famoso; depois de participar da Inteligência Naval britânica durante a 2ª Guerra Mundial, deu voz e vez a seu principal personagem: Bond, James Bond. Os três prestaram valiosos serviços a países durante a Guerra Fria, ajudando a derrubar o genocida império soviético.

Mas o que teria levado um playboy com pretensões de escritor (Fleming), um jornalista e também escritor (Forsyth) e Clancy, historiador e professor, a mergulharem nesse mundo obscuro do xadrez da inteligência militar? Simples: Cérebro e conhecimento, além de uma vasta rede internacional de informantes. Eram tão bem informados que prestaram serviços à CIA americana e ao MI5 e MI6 britânicos. Embora Clancy e Fleming fossem de fato cheios de si, não deixaram de mostrar ao mundo sua importância como patriotas e como escritores do ramo techno-thriller, que funde ação e aventura militar.

Agora nós: Em tempos tristes, quando o ditador da mais antiga dinastia tirânica do planeta, o gordinho psicopata da Coreia do Norte, resolveu botar fogo no mundo e peitar os americanos, qualquer autodenominado intelectual, mesmo não sabendo distinguir canhão de baioneta, resolve dar pitaco no assunto. Aqui, qualquer Caetano Veloso da vida dá palpite em estratégia militar e diplomacia de segurança mundial. E, seguindo essa gente, cabotinamente lulista, de “estadistas” e “intelectuais” – abrimos em 2009 nossa gloriosa, retumbante e divina embaixada norte-coreana, Lênin seja louvado!

Enquanto isso, profissionais do quilate de Roberto Godoy (Estadão) são olimpicamente ignorados pelo público pagante. E dá-lhe comentário de Luis Fernando Veríssimo, Aldo Rebelo, Dilma e demais especialistas que sugerem um dedo de prosa e uma cachacinha com Kim Jong-Un, o psicopata norte-coreano, e tudo vai acabar em samba e feijoada, cumpadi. Gênios.

Motivo da ópera: Kim Jong-Un, o demente, parece ter lançado um ICBM (míssil intercontinetal) capaz de transportar uma ogiva atômica de baixa potência – embora nada disso possa ser confirmado, dada a absoluta falta de dados sobre o caso. Talvez a velha e boa espionagem pudesse render algo mais palpável, mas tudo ainda é incerto, tanto sobre os mísseis quanto às intenções do maluco de pedra.

Enquanto isso, o imbecil continua a desafiar o mundo todo (e não apenas os EUA, como acreditam os lulistas), principalmente a Coreia do Sul e o Japão, duas democracias prósperas e amigas, maiores vítimas potenciais em caso de conflito na região. Ao mesmo tempo, os mesmos espertões que sugerem o dedo de prosa milagroso adoram metralhar Donald Trump, o único com bala na agulha pra peitar o ditador assassino. E, não por coincidência, os mesmos que atacam Trump são os que adulam Kim Jong-Un.

Resumo da ópera: Os lulistas-rabelistas-leninistas adoram xingar Trump. Ok, de fato ele fez e continua fazendo muita besteira, e os americanos mereciam um presidente melhor; mas é o que temos pra hoje, e reclamar não resolve a parada.

Por outro lado, se o demente decidir atacar alguém, todos os que xingam Trump vão exigir dele uma reação. Mais uma ironia a confirmar a insuperável tendência hipócrita dos Velosos espalhados pelo mundo, que adoram odiar os gringos, mas são chegados num dólar que só vendo – aí a ideologia de conveniência desaparece na hora.

Acima do Equador eles têm Forsyth. Aqui abaixo, temos Velosos, divinos e maravilhosos cabotinos. Nada diferente da fábula da Formiga e da Cigarra. E nossa Cigarra canta sertanejo universitário. Pelamor.

No fim das contas, parodiando Woody Allen, arma nuclear é como dinheiro: Quem tem (muito) diz que não tem, e quem não tem, diz que tem.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes