s
Iscas Intelectuais
Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Café Brasil 780 – LíderCast Barone & Priester
Café Brasil 780 – LíderCast Barone & Priester
Pronto. Chegou o dia de conversar com duas referências ...

Ver mais

Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Há quatro anos, uma amiga me relatou uma história ...

Ver mais

Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Um novo termo entrou em evidência: o cringe. A tradução ...

Ver mais

Café Brasil 777 – Polarização Política
Café Brasil 777 – Polarização Política
Se você não vive em Plutão, já sacou como a polarização ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Olímpica expectativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Olímpica expectativa “O esporte tem o poder de unificar, passar uma imagem de paz e resiliência, e nos dá esperança de seguir nossa jornada juntos.” Thomas Bach (Presidente do Comitê Olímpico ...

Ver mais

Economia do crime
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia do crime  O crime compensa?  “Na faculdade, fui atraído pelos problemas estudados por sociólogos e as técnicas analíticas utilizadas pelos economistas. Esses interesses começaram a se ...

Ver mais

Reprise
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Reprise  Já vi esse filme outras vezes… e não gostei do final A combinação de novas denúncias de irregularidades envolvendo membros do governo, o andamento da CPI da Covid e a sucessão de ...

Ver mais

O infalível ministro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A piada é antiga. Dá pra contar, se a turma do politicamente correto ainda não inventou o crime de lusofobia: A famosa cena bíblica do apedrejamento da adúltera, quando o Mestre teria dito… ...

Ver mais

Cafezinho 408 – Correlações e causalidades
Cafezinho 408 – Correlações e causalidades
Preste muita atenção nos discursos dos educadores, dos ...

Ver mais

Cafezinho 407 – A teoria do valor subjetivo
Cafezinho 407 – A teoria do valor subjetivo
Trocar um apartamento por um automóvel? Como assim?

Ver mais

Cafezinho 406 – Ressentimentos passivos
Cafezinho 406 – Ressentimentos passivos
Eu escolhi participar ativamente, usando as armas que tenho.

Ver mais

Cafezinho 405 – O babaca
Cafezinho 405 – O babaca
Qual tipo de reação você acha que levo em consideração ...

Ver mais

Os Malandrões

Os Malandrões

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A mesma história, personagens diferentes. Há uns 20 anos, o protagonista era um picareta chamado José Bové. Esse francês, militante de extrema-esquerda, vivia sabotando qualquer concorrente que ousasse competir com o subsidiadíssimo mercado rural de seu país. A coisa funcionava (e ainda funciona!) assim: Como a França tem pequena e ineficiente produção agrícola, não cobrindo nem 10% de seu consumo interno, os produtores rurais reivindicam mais e mais dinheiro público para, dizem eles, compensar os preços baixos de outros países; na verdade, tentam esconder a mediocridade produtiva com essa balela, locupletando-se gostosamente com o dinheiro alheio. Quando isso não é suficiente para garantir a vagabundagem, apelam para a sabotagem do produtor concorrente.

Bové veio várias vezes ao Brasil. Em todas, invariavelmente, incentivou uma quixotesca luta de classes, vandalismo, quebra-quebra e uma espécie de guerra civil contra o agronegócio, acusando-o das mesmas bobagens que a extrema esquerda guerrilheira de sofá repete como mantra. Apoiou alegremente a invasão de caros e avançados centros de pesquisa brasileiros, resultando em vandalismo criminoso. Chegou a participar, junto a seus indefectíveis amigões do MST, da destruição de plantações de soja no Rio Grande do Sul. Alegadamente, para “proteger” o mundo das multinacionais e dos alimentos transgênicos. Pois é, a conversa mole nunca muda. Nem os reais motivos: Bové tinha como única intenção sabotar nossa produção de grãos para garantir a boquinha de seus colegas na França. Conseguiu, sob aplausos dos paspalhos lulistas daqui.

Atualmente, os franceses nem disfarçam suas intenções maquiavélicas. Não utilizam mais teorias conspiratórias sobre soja brasileira “envenenada” pelos americanos para matar as inocentes crianças do mundo. Não, chega de subterfúgios. Agora a sabotagem ao Brasil é meta de governo deles. Declaradamente, com outro protagonista, bem mais poderoso.

Presidente da França desde 14 de maio de 2017, Emmanuel Macron já deu infinitas provas de ser um idiota completo – e covarde, pra não fugir à regra. Preocupado com sua vertiginosa queda de popularidade, tenta recuperar alguns eleitores promovendo uma guerra alegadamente santa contra a agricultura brasileira. Anunciou ao mundo que pretende deixar de adquirir soja daqui porque “continuar a depender da soja brasileira seria apoiar o desmatamento da Amazônia”. Macron sabe perfeitamente que não há nenhuma relação entre a produção de soja e o desmatamento da Amazônia, mas, arrotando a estudada asneira, deixou os incompetentes agricultores franceses contentinhos, posando de bonzinho perante a histérica massa mundial de defensores da floresta amazônica; exatamente aqueles que nunca estiveram lá e nem ao menos saberiam apontá-la num mapa, mas vivem preocupadíssimos com os leões e girafas mortos nos incêndios perto de Buenos Aires.

Nestes tempos ingratos do politicamente correto, ninguém perde investindo no bom-mocismo de araque, no ódio do bem, em histéricas falsidades pseudo-ecológicas como a da “soja ou Amazônia”. Macron sabe e aposta suas fichas na ignorância popular, inflada por um serviço de desinformação bastante ativo e replicado por tantos inocentes úteis que creem estar lutando bravamente pelo bem geral. O lucro político é garantido.

Macron mente, trazendo mais pobreza, fome e desemprego ao País. Inova só ao exportar miséria criada por ele, com o apoio irrestrito dos inocentes úteis e de outros nem tão inocentes assim. O golpe é velho, mas é incrível como continua dando certo.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes