s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Os Malandrões

Os Malandrões

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A mesma história, personagens diferentes. Há uns 20 anos, o protagonista era um picareta chamado José Bové. Esse francês, militante de extrema-esquerda, vivia sabotando qualquer concorrente que ousasse competir com o subsidiadíssimo mercado rural de seu país. A coisa funcionava (e ainda funciona!) assim: Como a França tem pequena e ineficiente produção agrícola, não cobrindo nem 10% de seu consumo interno, os produtores rurais reivindicam mais e mais dinheiro público para, dizem eles, compensar os preços baixos de outros países; na verdade, tentam esconder a mediocridade produtiva com essa balela, locupletando-se gostosamente com o dinheiro alheio. Quando isso não é suficiente para garantir a vagabundagem, apelam para a sabotagem do produtor concorrente.

Bové veio várias vezes ao Brasil. Em todas, invariavelmente, incentivou uma quixotesca luta de classes, vandalismo, quebra-quebra e uma espécie de guerra civil contra o agronegócio, acusando-o das mesmas bobagens que a extrema esquerda guerrilheira de sofá repete como mantra. Apoiou alegremente a invasão de caros e avançados centros de pesquisa brasileiros, resultando em vandalismo criminoso. Chegou a participar, junto a seus indefectíveis amigões do MST, da destruição de plantações de soja no Rio Grande do Sul. Alegadamente, para “proteger” o mundo das multinacionais e dos alimentos transgênicos. Pois é, a conversa mole nunca muda. Nem os reais motivos: Bové tinha como única intenção sabotar nossa produção de grãos para garantir a boquinha de seus colegas na França. Conseguiu, sob aplausos dos paspalhos lulistas daqui.

Atualmente, os franceses nem disfarçam suas intenções maquiavélicas. Não utilizam mais teorias conspiratórias sobre soja brasileira “envenenada” pelos americanos para matar as inocentes crianças do mundo. Não, chega de subterfúgios. Agora a sabotagem ao Brasil é meta de governo deles. Declaradamente, com outro protagonista, bem mais poderoso.

Presidente da França desde 14 de maio de 2017, Emmanuel Macron já deu infinitas provas de ser um idiota completo – e covarde, pra não fugir à regra. Preocupado com sua vertiginosa queda de popularidade, tenta recuperar alguns eleitores promovendo uma guerra alegadamente santa contra a agricultura brasileira. Anunciou ao mundo que pretende deixar de adquirir soja daqui porque “continuar a depender da soja brasileira seria apoiar o desmatamento da Amazônia”. Macron sabe perfeitamente que não há nenhuma relação entre a produção de soja e o desmatamento da Amazônia, mas, arrotando a estudada asneira, deixou os incompetentes agricultores franceses contentinhos, posando de bonzinho perante a histérica massa mundial de defensores da floresta amazônica; exatamente aqueles que nunca estiveram lá e nem ao menos saberiam apontá-la num mapa, mas vivem preocupadíssimos com os leões e girafas mortos nos incêndios perto de Buenos Aires.

Nestes tempos ingratos do politicamente correto, ninguém perde investindo no bom-mocismo de araque, no ódio do bem, em histéricas falsidades pseudo-ecológicas como a da “soja ou Amazônia”. Macron sabe e aposta suas fichas na ignorância popular, inflada por um serviço de desinformação bastante ativo e replicado por tantos inocentes úteis que creem estar lutando bravamente pelo bem geral. O lucro político é garantido.

Macron mente, trazendo mais pobreza, fome e desemprego ao País. Inova só ao exportar miséria criada por ele, com o apoio irrestrito dos inocentes úteis e de outros nem tão inocentes assim. O golpe é velho, mas é incrível como continua dando certo.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes