s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

A aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Esclarecendo a aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra “Antes, as habilidades não eram tão amplas. Hoje, o profissional precisa conhecer e estudar a fundo vários assuntos. ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Os polirretos

Os polirretos

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Quando a esperteza é muita, come o dono, já dizia Tancredo Neves (1910-1985).

Em tempos do politicamente correto, a onda mais ridícula desde a modinha do ioiô ou, quem sabe, fotografar comida,  é muito importante segurar o rabo (no bom sentido, claro) porque a porta bate sem aviso. Todo cuidado é pouco, até para os adeptos mais experimentados do politicamente correto, os “polirretos”.

São emblemáticas as pernadas que o ator Bruno Gagliasso tomou quando foram descobertos seus antigos tuítes “gordofóbicos” e “homofóbicos”. Não adiantou o Mr. Nice Guy (Guy, e não “gay”; atenção anarfas da língua de Shakespeare) apresentar todo um histórico de polirreto entusiasta; levou chumbo de todo lado e perdeu vários trabalhos. Tome, Mané.

Mas essa turma, como os peixes, morrem pela boca, e uns engolem até a chumbada. Túlio Gadelha, que só é conhecido por ser namorado da embaçada Fátima Bernardes, polirreta neófita, foi eleito deputado federal; e só o foi pelo namoro famoso. Era sua única plataforma. A fama vem até para coadjuvantes, camarada. Pois é; Tulião, outro Good Guy (pouco good e muito guy) entrou para o rol dos polirretos que atravessaram o samba. Elogiado pela ministra Damares Alves, dos direitos humanos,  resolveu dar uma de machão de boteco e respondeu “não vai rolar milagre”, como se a ministra estivesse com terceiras intenções em relação ao sujeito, que deve se achar a última bolacha do pacote: https://www.oantagonista.com/brasil/tulio-gadelha-foi-machista-com-damares-maria-do-rosario .

O mais engraçado é que a maioria dos polirretos, empedernidos robôs lulistas na defesa de “minorias” (reais ou fictas), só ataca quem não é da sua turma (ou religião, vai saber). São os esquerdistas festivos que ficam doidões com o ópio do povo, tão criticado por Marx, vá entender. Ah sim; apesar do exemplo ridículo de machão de galinheiro, NENHUMA feminista defendeu a mulher atingida – obviamente por ser ministra de Bolsonaro. Aí pode tudo, inclusive humilhar uma senhora. Mas Túlio se lascou; muitos polirretos despiram as vestes lulistas e estão desancando o malandrão nas redes sociais. Muitos, mas não todos.

Como sempre lembra Danilo Gentili, não é o que é dito que importa, mas sim quem diz. Se for da turminha lulista (fingida ou não), terá toda a leniência do mundo para si. Se não é, sentirá a pancada forte da bota stalinista. Aí você será um inimigo do povo e alvo preferencial da rediviva luta de classes.

Tem outra saborosa: Fernando Haddad, robô lulista por excelência, vive às turras com o clã Bolsonaro (que devia tomar mais cuidado e economizar bobagens nas redes sociais); num dos recentes duelos entre Haddad e Carlos Bolsonaro, cheio de carinhos e elogios galantes, Carlos chamou Haddad de “marmita de preso” em razão de suas inúmeras visitas a Lula, seu mestre máximo enjaulado. Haddad respondeu perguntando sobre o “priminho” de seu antagonista, numa clara referência a uma suposta relação homossexual dele com seu primo: https://www.em.com.br/app/noticia/politica/2019/04/11/interna_politica,1045761/carlos-bolsonaro-e-haddad-trocam-farpas-no-twitter-chora-marmita-e.shtml

Haddad foi extremamente homofóbico (arrá!), mas poucos cavaleiros andantes dignaram-se defender a honra da classe LGBTSGHBVCDOIYTRMNCAQW. Por que será? Só porque Haddad é lulista, obviamente. Tais crimes só são cometidos por quem não é da rodinha (no bom sentido, claro). Mesmo assim, Haddad sentiu o golpe. Não vai escapar ileso dessa bobagem. Não obstante, silêncio total dos grupos LGBTSGHBVCDOIYTRMNCAQW. Silêncio não; conluio. Enfim, cada um tem o Fernando que merece.

Outra genial: Um gay acusado de transfobia. Não, não é piada; um transgênero acusou um gay de transfobia – está criada a classe do gay que é anti-gay, desde que aquele gay não seja lulista, é claro: https://universa.uol.com.br/noticias/redacao/2019/04/08/malunguinho-deseja-felicidade-a-deputado-que-disse-ser-gay-apos-transfobia.htm

Não, não dá pra ser feliz. Nem o cara mais conformado, mais estóico do Brasil. Tremei, senhores(as), ou senhorxs… os Tribunais Polirretos não descansam; entretanto, a dose de chumbo pode diminuir para o insurreto que apresentar uma boa folha de serviços prestados ao desserviço.

 

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes