s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Outro inocente em Shawshank

Outro inocente em Shawshank

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Outro inocente em Shawshank

 

O fato passou meio despercebido à época, 2002, logo após as eleições presidenciais. Em rápida entrevista a um repórter estrangeiro, perguntado se as eleições no Brasil eram justas, respondeu, entre espantado e indignado (mais aquilo que isto): “Claro que são justas! Eu ganhei!” Ou seja: o sujeitinho só acha que as eleições são limpas quando ele ganha. Quando não ganha, é fraude. Exatamente como diz de seus julgamentos, e seus fantoches papagueiam o arrivismo cínico do chefete.

Não há mais o que dizer sobre o julgamento do ex-presidente mais corrupto que o Brasil já teve, chefe de quadrilha, criminoso (como classifica o MP federal e condena o TRF4) condenado a doze anos de cadeia por enquanto – tem mais seis processos e uns 12 inquéritos virando a esquina.

Encerrada a fase da apelação (tipo de recurso), à falta de argumentos (gênero desconhecido da esquerda, seguindo fielmente a doutrina marxista, segundo a qual certo é só o que ela prega), a lulada resolveu radicalizar (perdão pelo truísmo-piada), pregando o assassinato de “coxinhas” e juízes, greve geral, lutas armadas nas ruas, rebeliões, desobediência civil, tsunamis, terremotos e nem sei mais o quê. Parece que esqueceram das 7 pragas do Egito, mas ainda vem gritaria por aí, junto com os outros processos. Lula berra e xinga para dar munição de festim à sua tropa de fantoches, mas nada vai mudar os fatos e provas que o condenaram. Campeonato de desaforos apenas, como diria Winston Churchill.

Como Guevaras redivivos, também “condenaram à morte” os “fascistas” que ousam respeitar as leis e o judiciário, onde já se viu?!. Importante lembrar que, na novilingua orwelliana do lulismo, “fascista” é qualquer um que não seja de extrema-esquerda e defenda Lula com unhas stalinistas e dentes vermelhos. Pela múmia de Lênin, camaradas! Menos!

O lulista, mais que militonto, é uma espécie que berra muito e executa pouco – embora adorem um paredón, com o perdão do trocadilho cubânico. Ou seja: Embora empunhem e soprem fervorosamente as trombetas do Soviete Supremo, pouco há de sair além de ar embolorado por uma ideologia atropelada pelos tempos. Não, definitivamente não haverá Juízo Final pela condenação de Lula. Desde que o mundo existe – além da fofoca e da rádio peão – há alguém prevendo o fim do mundo, de tempos em tempos, como castigo à ímpia humanidade; para os lulistas, só perecerão os fascistas. Os puros, vermelhoides mumulengos do condenado, serão salvos por uma Arca de Stalin que os levará ao Gulag, em lugar da Moscou prometida – ou a uma nova Venezuela, um enorme purgatório que está como está por seguir a cartilha lulista mas põe a culpa nos americanos. Mas isso é outro assunto.

Enfim, o mundo não vai acabar, e em breve todos esses gritões movidos a mortadela enfiarão o rabo no meio das pernas e – horror dos horrores! – terão de arrumar um emprego. Darwin veria nisso uma seleção natural pelo trabalho, ou não? Belo adendo para sua obra seminal, A Origem Das Espécies.

Portanto, igual a 1840, 1910, 1982, 1997, 1999, 2000, 2008, 2012 e 2013, o Juízo Final foi anunciado, mas, como perceberam todos no amanhecer seguinte, com uma boa dose de exagero. Nada aconteceu. Da mesma forma, o Universo, o Sistema Solar, o Planeta, o Brasil, e até mesmo a pitoresca Piratininga, sobreviverão à ausência de Lula no próximo pleito presidencial e/ou sua possível prisão, quiçá pelo resto da vida na hipótese de futuras condenações somadas.

Importante: O que vai acontecer daqui pra frente no campo judicial é imprevisível. Juristas gabaritados têm errado suas previsões, dado o ineditismo do caso – e a cara de pau do condenado em acusar a todos, encenando um tribunal de hospício onde quem julga é o réu e bandidos são os juízes. Mas certamente não será o final dos tempos, apesar das ameaças de Lula e sua tropa brancaleônica.

Em tempo: Shawshank é o nome da fictícia prisão no filme “Um Sonho de Liberdade” (Tim Robbins, Morgan Freeman). Há nele uma cena emblemática: O personagem de Tim Robbins grita que é inocente; o preso antigo, Freeman, diz que, então, ele está no lugar certo, pois ali todos os condenados são inocentes. Lula poderia reencenar o filme, em tom de comédia, coadjuvado por Palocci, Maluf, Zé Dirceu, Vaccari, Marcelo Odebrecht, Sérgio Cabral, André Vargas, Geddel, Joesley & Wesley JBF, Eduardo Cunha e tantos outros cumpanhêro lulistas que representam o abre-alas do carnaval prisional da alma mais honesta do mundo. Ziriguidum, oi.

 

Veja também: http://portalcafebrasil.com.br/iscas-intelectuais/shawshank/

 

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes