s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Eu acho que você concorda que para ter uma sociedade ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – que parece ser mais importante saber os tipos de divisão lógica – será útil revisar algumas coisas para entender as regras. Lembra dos ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Baixa cultura é aquela que me faz bater o pé, mexer a ...

Ver mais

Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Uma coisa é comprar um televisor. Outra é adquirir cultura!

Ver mais

Cafezinho 438 – O homem cordial
Cafezinho 438 – O homem cordial
Brasileiro Cordial é aquele que age conforme a emoção, ...

Ver mais

Pandemia, ciência e democracia

Pandemia, ciência e democracia

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

Num momento de crise, como a situação de pandemia em que vivemos, muitos desejam uma orientação a respeito de como devem agir, mas não sabem em que confiar.

Nesse contexto, leio aqui e ali pessoas inteligentes nos exortando a “seguir a ciência”. Que elas me desculpem, mas eu não sigo o que eu não sei o que é.

* * *

Foi o Rubem Alves quem, no livro Filosofia da Ciência, escreveu que “o cientista virou um mito” e que “todo mito é perigoso”. De fato: a idéia de um cientista puro e universal, ou melhor: de uma ciência objetivamente desinteressada, imune à política e ao mercado, é mitológica. O ethos científico – que, como descrito por Merton, corresponde aos valores do universalismo, da coletividade, do desinteresse e do ceticismo organizado – é uma meta mais ou menos inatingível. É imensa a bibliografia sobre a utilização das estruturas e pesquisas acadêmicas com a finalidade da obtenção de vantagens para empresas e para agentes políticos. “Confiar na ciência” corresponde, com muita freqüência, a confiar simplesmente no interesse econômico empresarial e no interesse ideológico de movimentos políticos.

É também mitológica a idéia de uma ciência unitária e uniforme. O tipo de existência da ciência não é como o de um partido político, em que se pode apontar inequivocamente qual é a sua posição oficial, qual é o seu presidente, quais são as suas teses orientadoras. A ciência existe como um conceito abstrato relativamente indeterminado – como são os conceitos de “Ocidente”, de “religião”, de “povo” – que se ramifica em muitas regiões simbólicas.

Como mostraram Bachelard, Kuhn, Feyerabend e muitos outros depois deles, a idéia de uma posição unitária da ciência sobre qualquer assunto não passa de uma idealização, de uma sinédoque, de uma personificação. “A ciência” não afirma nada; “a ciência” não sustenta posição nenhuma. Quem afirma, quem sustenta as suas posições, são “os cientistas”. E eles não afirmam nada em uníssono, eles não pensam em bloco: não existe unanimidade em campo algum da ciência. Em todos os ramos da investigação científica – na física, na biologia, na sociologia, na psiquiatria, na economia, na climatologia, na epidemiologia… – há os cientistas que adotam a posição padrão naquela época e naquele lugar, e há os que nadam contra a corrente. Quando tomamos a voz de um cientista como a voz da própria ciência, simplesmente adentramos o domínio poético do pensamento metonímico: tomamos uma voz concreta e particular como se fosse a posição de todos os cientistas de todas as regiões científicas. Nada nos impede de usar figuras de linguagem – desde que não as tomemos como expressões diretas do real, e desde que elas não nos sirvam de orientadoras das ações políticas concretas.

* * *

Há uma grande disparidade entre as posições dos cientistas porque, como Popper mostrou, a ciência é incapaz de provar qualquer coisa: uma teoria científica não é uma descrição exata da realidade, mas uma hipótese a ser testada, aperfeiçoada e, eventualmente, abandonada. O trabalho do cientista não é o de “confirmar” uma teoria, mas o de tentar derrubá-la. Em outras palavras: a ciência não nos oferece “a verdade”, mas descrições mais ou menos provisórias que funcionam até certo ponto e que nos permitem operar, de algum modo, no mundo.

De fato, é na incompletude, na mobilidade, no criticismo da atividade científica que reside o seu valor. Se um cientista se torna um dogmático, então já abandonou o campo da ciência e adentrou o campo da ideologia.

* * *

Neste momento devo interromper brevemente a argumentação: é certo que alguém está a ponto de me acusar de de “terraplanista”. É preciso dizer que nunca houve terraplanismo nem entre os cientistas, nem entre os filósofos, nem entre os teólogos; como mostra Jeffrey Butron Russel em Inventing the Flat Earth, a concepção de que os medievais acreditavam na “Terra plana” não passou de uma “fake news” divulgada por intelectuais cientificistas no século XIX com a finalidade de ridicularizar a religião. Ninguém pode levar a idéia da “Terra plana” a sério, nem achar que o outro é, sinceramente, um terraplanista. Tenho certeza: todo terraplanista só pode ser um gozador, um trolador, exatamente como aqueles que seguem a religião “maradonista” na Argentina.

No fundo, o que alguém quer dizer quando acusa o outro de terraplanista é que o outro é um opositor da pesquisa científica. Não é o meu caso. Não somente não me oponho ao trabalho dos cientistas, como o defendo e o julgo fundamental para a sociedade e para a humanidade. Sustento inclusive que todos os governos deveriam investir boa parte do seu orçamento na pesquisa e no ensino científico, sem nenhuma obrigação do pesquisador para com resultados imediatos em função da economia ou do bem-estar público.

Essa minha posição não é contraditória com a constatação de que as ciências são perspassadas por interesses econômicos e políticos; ora, esses interesses são inevitáveis, e devem nos prevenir contra a confiança cega nas conclusões dos cientistas, mas não podem nos levar a defender o cerceamento da sua liberdade de investigação.

* * *

Eu não posso “seguir o que diz a ciência” porque “o que diz a ciência” simplesmente não existe. Existem cientistas e suas equipes, campos científicos, escolas de pensamento, laboratórios e experimentos; existem debates, controvérsias, fraudes; existem descobertas acidentais e existem construções teórico-experimentais complexas e meticulosas. Mas não existe “a resposta científica”, simples e unívoca, para um problema real do mundo humano.

Por essa razão, quando me recomendam que, diante da pandemia, é preciso “seguir o que diz a ciência”, eu fico sem saber o que me está sendo recomendado. De fato, suspeito que esse pensamento prosopopéico signifique, afinal, “seguir uma determinada ideologia” – e que o imperativo: “siga a ciência!” não seja senão mais um slogan, vazio como todos são.

“Seguir a ciência”? Obrigado, mas não estou pronto para acompanhar as suas preferências ideológicas e os seus mitos: eu permaneço seguindo a minha razão – que, a propósito, deve acidentalmente concordar com o que algum cientista, em algum lugar no mundo, está sustentando neste exato momento.

* * *

Ademais, a sociedade humana é complexa demais para que as decisões políticas que dizem respeito a todos sejam tomadas por doutores em biologia, em medicina ou em qualquer ciência. O conhecimento muito profundo sobre um vírus não confere a ninguém profundidade no conhecimento sobre as dificuldades da vida social, econômica, política e espiritual do ser humano. A opinião de um cientista sobre essas dificuldades, quando não dizem respeito à sua especialidade, não vale mais do que a opinião de qualquer outro cidadão.

Por isso, permaneço defendendo que as decisões que afetam a toda a comunidade sejam tomadas pela própria comunidade, após um debate amplo que inclua a palavra de muitos cientistas – um debate em que a razão comunicativa nos aproxime do compromisso possível para que, nos responsabilizando pelo nosso futuro, encontremos o caminho que nos parece o mais adequado.

Entendo que vivemos em um tempo em que os indivíduos, perdidos e inseguros, desejam que um líder lhes diga o que fazer e que puna exemplarmente os que o questionem. Mas o desejo da tutela é a marca da menoridade.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche