s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

A aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Esclarecendo a aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra “Antes, as habilidades não eram tão amplas. Hoje, o profissional precisa conhecer e estudar a fundo vários assuntos. ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Paradoxo?

Paradoxo?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                                     “Paradoxo” é o nome de uma interessante figura de linguagem, utilizada para enfatizar uma frase com palavras aparentemente inconciliáveis. Um bom exemplo é o título do filme Eyes Wide Shut (Olhos Escancaradamente Fechados), porcamente traduzido no Brasil por De Olhos Bem Fechados. A tradução, ignorante, tirou todo o impacto do título.

Ocorre um outro tipo de paradoxo político-social, muito ruim, no País: Um silêncio ensurdecedor. Significa que o silêncio de alguns (ou mesmo de muitos) ante o absoluto descalabro do governo federal, que varia da incompetência geral à corrupção irrestrita, dá a entender uma série muito interessante de fatos. Aliás, não dá a entender; comprova.

Em tempos pré-lulistas, greves espocavam por qualquer (ou mesmo nenhum) motivo. Sindicatos saíam às ruas pedindo a cabeça de FHC por tudo e por nada. Sem-terra e outro 300 tipos de “sem”, idem. Qualquer motivo era motivo para fechar estradas, incendiar pedágios, invadir prédios públicos, queimar pneus, destruir patrimônio do povo – o mesmo povo que eles juravam e juram defender. De quebra, desejavam a morte lenta a qualquer um que classificassem como “neoliberal”; em linguagem lulista, um “inimigo do povo”. Nunca vou esquecer de uma tarde quente, no centro de Bauru/SP, em 1996, em meio a uma greve de bancários, na qual um sujeito que se dizia sindicalista distribuía bombons a qualquer criança que cuspisse ou agredisse um boneco representando FHC, malhado e vilipendiado sob os risos energúmenos desses “defensores do povo”. O “motivo” daquele espetáculo ridículo, de violência gratuita envolvendo crianças inocentes? O Plano Real, que salvou o Brasil – os lulistas o chamavam de “estelionato eleitoral”, sabotando-o de todas as maneiras possíveis. Sobrevivemos e derrotamos a inflação, apesar de Lula e seu apparatchik bolivariano-punguista. E como essa gente gritava, pelamor. Mesmo sem nenhuma razão.

                                     Hoje, vejam só, temos esse silêncio ensurdecedoramente paradoxal, porém fortemente didático. Por que os mesmos petroleiros que antes faziam marchas, bloqueios e passeatas em “defesa” da Petrobrás (sendo que nada a ameaçava) não estão nas ruas hoje, para protestar diante do descalabro reinante, desse que pode ser o maior escândalo de corrupção com dinheiro público da história mundial? Não se preocupam em ver a petrolífera desaparecendo, servindo de cordão umbilical para o monstro parido pelo lulismo?

                                     Onde estão os sindicalistas que tomavam as ruas e pediam a cabeça de FHC num prato, disparando ofensas e exigindo “justiça”, quando a corrupção era apenas uma fração da atual?

Onde está a OAB (de cuja diretoria faço parte, com muita honra), sempre tão pronta a lutar contra a incúria perpetrada nas verbas públicas, e que esteve à frente do pedido de impeachment de Collor?

                                     Onde a ABI (Associação Brasileira de Imprensa), que ombreava com a OAB na condução do mesmo pedido de impeachment em 1993, com base em um simples Fiat Elba de origem duvidosa, e hoje nada faz ante uma roubalheira que atinge declarados (pelo próprio governo) $ 90 bilhões de reais de dinheiro 100% público?

                                     Onde a UNE, os artistas e “intelectuais” chapa-branca, que fecham os olhos à bordelização do País para não perder a boquinha?

                                     E, principalmente, onde a omissa e acadelada oposição, que, embora mais necessária do que nunca, parece dormir enquanto o lulismo empurra o País para o esgoto e o dinheiro público para a Suíça? É letargia pura ou medo de algum respingo da enorme mancha de óleo podre?

                                     Será que tais ex-protagonistas acreditam que seu silêncio passa despercebido? Não adianta fingir-se de desentendidos. Nem chegar de surpresa, no final, chutando cachorro morto, quando os governantes (ir)responsáveis estiverem (espera-se) respondendo por seus crimes. É hora de tomar partido, literal e figurativamente. Porque o povo não esquecerá; o atual silêncio dos antigos gritadores está rompendo os tímpanos dos que esperam uma voz de amparo. E desse silêncio não há inocentes.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes