s
Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 726 – Gently Weeps
Café Brasil 726 – Gently Weeps
Olha, algumas canções são tão sagradas que eu me sinto ...

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta. Todos sabemos: em período de pandemia, é ...

Ver mais

Polêmica indesejável
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Polêmica indesejável “Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.” José Ortega y Gasset A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de ...

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Paradoxo?

Paradoxo?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                                     “Paradoxo” é o nome de uma interessante figura de linguagem, utilizada para enfatizar uma frase com palavras aparentemente inconciliáveis. Um bom exemplo é o título do filme Eyes Wide Shut (Olhos Escancaradamente Fechados), porcamente traduzido no Brasil por De Olhos Bem Fechados. A tradução, ignorante, tirou todo o impacto do título.

Ocorre um outro tipo de paradoxo político-social, muito ruim, no País: Um silêncio ensurdecedor. Significa que o silêncio de alguns (ou mesmo de muitos) ante o absoluto descalabro do governo federal, que varia da incompetência geral à corrupção irrestrita, dá a entender uma série muito interessante de fatos. Aliás, não dá a entender; comprova.

Em tempos pré-lulistas, greves espocavam por qualquer (ou mesmo nenhum) motivo. Sindicatos saíam às ruas pedindo a cabeça de FHC por tudo e por nada. Sem-terra e outro 300 tipos de “sem”, idem. Qualquer motivo era motivo para fechar estradas, incendiar pedágios, invadir prédios públicos, queimar pneus, destruir patrimônio do povo – o mesmo povo que eles juravam e juram defender. De quebra, desejavam a morte lenta a qualquer um que classificassem como “neoliberal”; em linguagem lulista, um “inimigo do povo”. Nunca vou esquecer de uma tarde quente, no centro de Bauru/SP, em 1996, em meio a uma greve de bancários, na qual um sujeito que se dizia sindicalista distribuía bombons a qualquer criança que cuspisse ou agredisse um boneco representando FHC, malhado e vilipendiado sob os risos energúmenos desses “defensores do povo”. O “motivo” daquele espetáculo ridículo, de violência gratuita envolvendo crianças inocentes? O Plano Real, que salvou o Brasil – os lulistas o chamavam de “estelionato eleitoral”, sabotando-o de todas as maneiras possíveis. Sobrevivemos e derrotamos a inflação, apesar de Lula e seu apparatchik bolivariano-punguista. E como essa gente gritava, pelamor. Mesmo sem nenhuma razão.

                                     Hoje, vejam só, temos esse silêncio ensurdecedoramente paradoxal, porém fortemente didático. Por que os mesmos petroleiros que antes faziam marchas, bloqueios e passeatas em “defesa” da Petrobrás (sendo que nada a ameaçava) não estão nas ruas hoje, para protestar diante do descalabro reinante, desse que pode ser o maior escândalo de corrupção com dinheiro público da história mundial? Não se preocupam em ver a petrolífera desaparecendo, servindo de cordão umbilical para o monstro parido pelo lulismo?

                                     Onde estão os sindicalistas que tomavam as ruas e pediam a cabeça de FHC num prato, disparando ofensas e exigindo “justiça”, quando a corrupção era apenas uma fração da atual?

Onde está a OAB (de cuja diretoria faço parte, com muita honra), sempre tão pronta a lutar contra a incúria perpetrada nas verbas públicas, e que esteve à frente do pedido de impeachment de Collor?

                                     Onde a ABI (Associação Brasileira de Imprensa), que ombreava com a OAB na condução do mesmo pedido de impeachment em 1993, com base em um simples Fiat Elba de origem duvidosa, e hoje nada faz ante uma roubalheira que atinge declarados (pelo próprio governo) $ 90 bilhões de reais de dinheiro 100% público?

                                     Onde a UNE, os artistas e “intelectuais” chapa-branca, que fecham os olhos à bordelização do País para não perder a boquinha?

                                     E, principalmente, onde a omissa e acadelada oposição, que, embora mais necessária do que nunca, parece dormir enquanto o lulismo empurra o País para o esgoto e o dinheiro público para a Suíça? É letargia pura ou medo de algum respingo da enorme mancha de óleo podre?

                                     Será que tais ex-protagonistas acreditam que seu silêncio passa despercebido? Não adianta fingir-se de desentendidos. Nem chegar de surpresa, no final, chutando cachorro morto, quando os governantes (ir)responsáveis estiverem (espera-se) respondendo por seus crimes. É hora de tomar partido, literal e figurativamente. Porque o povo não esquecerá; o atual silêncio dos antigos gritadores está rompendo os tímpanos dos que esperam uma voz de amparo. E desse silêncio não há inocentes.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes