s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Parou, parou… tá doendo!

Parou, parou… tá doendo!

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Meu amigo Carlão ficou fascinado com uma chocante cena (essa aí da foto) do fim do filme O Resgate do Soldado Ryan (Saving Private Ryan, 1998), na qual um soldado alemão e outro americano entram em combate corpo a corpo, numa luta de vida ou morte. No início o americano parece levar vantagem, mas seu inimigo, com força e habilidade, joga-o ao chão e está prestes a cravar a baioneta em seu peito – o que de fato ocorre, numa cena lenta e angustiante. Desesperado, sozinho e sem possibilidade de reação, o americano apela para uma insólita saída: Pede para seu contendor parar e prestar atenção nele, do tipo “para que tá doendo e machucando”. O alemão, um experimentado Waffen SS, obviamente não dá a mínima ao estranho pedido e soca a lâmina até o cabo, com visível satisfação.

Porque um soldado faria uma coisa tão absurda, tentando “explicar” ao inimigo que a “brincadeira” tinha acabado? Que machucar o amiguinho era muito feio e ele precisava ir embora porque a mãe tava chamando pra jantar? A cena, que une de forma magistral o horror e o patético, ensina uma coisa muito simples: Na hora do desespero, vale absolutamente tudo. Seja por falta de ideia melhor ou autopreservação, medo, instinto de sobrevivência… naquele momento crucial o cérebro (ou a falta dele) apela pra absolutamente qualquer coisa. Negar a realidade é uma das “soluções” aparentes. De qualquer forma, simplesmente não funciona, como demonstrou o SS.

Só isso explica as cabeçadas que Lula e sua fantocha estão dando. Uma hora elogiam FHC e pedem sua ajuda; no momento seguinte cospem em sua imagem, atribuindo-lhe todas as culpas do mundo. Num momento chamam a oposição para conversar, alegando um tal de entendimento nacional; noutro, acusam-na de só pensar em si… e isso dito em rede nacional. Xingam Collor, Renan Calheiros, Sarney, Marina Silva, Ciro Gomes, banqueiros, empresários; no dia seguinte elogiam Collor, Renan Calheiros, Sarney, Marina Silva, Ciro Gomes, banqueiros, empresários. Depois recomeçam o ciclo. Na 2ª-feira elogiam a polícia federal, o MP e a Justiça. Na 3ª, xingam. Na 4ª elogiam de novo e na 5ª voltam a vociferar contra.

Lula e Dilma prometem tudo; em dois ou três anos seremos uma espécie de Suécia com carnaval de 40 dias e salários em dólar. Todo mundo vai ficar bem de grana e o paraíso nos aguarda, aqui mesmo abaixo da linha do Equador. Basta ser otimista e deixá-los fazer o que pretendem. Preocupar-se com a inflação alta, desemprego explodindo e roubalheira jamais vista na História é bobagem, gente… que mania besta é essa de prender ladrão?

Uns dirão que isso tudo é apenas a cara de pau característica, utilizada no jogo político desde sempre. Não, não é. É puro desespero. A baioneta ta entrando, e tá doendo. Dá pra tirar, por favor? Serve até como metáfora pornô, se é que me entendem. E a posição passiva de Lula e da presidonta é a mesma, podem apostar. Esperando coisa pior. Sabem que a baioneta, metafórica ou não, tá cada vez mais próxima, furando o fundo das calças – que já estão borradas de medo. E depois que entrar… vai ser um estrago.

A mencionada cena do filme é esta:

Um grande momento do cinema; cruel e constrangedor. Faz-nos sentir mal pela crueza praticada, pelo desespero estampado no rosto de um e o instinto homicida, praticamente prazeroso, no do outro. Mas ainda sim muito mais leve que as loucuras de Lula & Dilma, a dupla que é a cara da vergonha alheia. E por falar em constrangimento… a propaganda política protagonizada pela dupla e Zé de Abreu foi de dar nojo. E ainda têm a audácia de pedir “diálogo”.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes