s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Pax Aeterna

Pax Aeterna

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza humana quanto uma filosofia sistemática da História. O fiorentino teria procurado descobrir na própria narrativa da História, a partir de um raciocínio indutivo, as leis da ação política.

Decerto o método da indução histórica nos é útil: ele nos permite um certo grau de previsão acerca da direção das idéias que impulsionam a marcha humana nos tempos. O que aconteceu, o que acontece, indica o que possivelmente acontecerá no futuro.

* * *

Adorno e Horkheimer mostraram, na “Dialética do Esclarecimento”, que os desenvolvimentos tecno-científicos criados para nos libertar da miséria e da opressão acabaram por criar um novo tipo de submissão: nós passamos a tomar a necessidade e a inevitabilidade do avanço da ciência e da técnica como artigo de fé, e deles nos tornamos não somente dependentes, mas também, de certo modo, servos. Ordenamos toda a nossa vida – o trabalho, o lazer, o descanso, a família – em função da manutenção da ordem da técnica.

Assim, o que nos torna livres nos aprisiona; o que nos salva nos escraviza. Servidão recebe um novo nome: liberdade; adequação agora é sinônimo de sucesso; consumo é felicidade.

Nos já estamos no “Admirável Mundo Novo” descrito por Huxley. Já vivemos num novo mundo em que a recusa crítica à razão totalitária e em que a defesa da autonomia racional do sujeito são considerados sinais da desrazão.

Afinal, todos nós aprendemos – por meio de uma indústria cultural que retroalimenta os valores da sociedade tecno-científica – a desejar a tutela, a desejar a submissão, a ausência de responsabilidade sobre a nossa própria vida e a nossa própria morte.

* * *

Por isso, amigos, não é difícil supor que, diante das prováveis novas pandemias e emergências mundiais, se aprofundem algumas tendências sociopolíticas que têm se manifestado.

Em nome da saúde e da segurança pública, o governo da Coréia do Sul passou a monitorar todos os cidadãos: por meio de milhões de câmeras de vídeo nas ruas e do monitoramento dos aparelhos celulares, o Estado sabe onde cada um está, para onde anda, com quem se encontra. O governo da China vai além: conhece também o que cada um faz nas redes sociais e o que compartilha pelo seu e-mail; sabe mesmo a sua condição de saúde, pois tem acesso aos smartwatches usados por parte dos jovens.

No Ocidente já existem defensores da proposta de dar a órgãos de segurança o acesso aos celulares de todos os cidadãos. A justificativa é que, com esse controle, o Estado poderia evitar, em época de pandemia, as aglomerações que amplificam a disseminação do vírus.

* * *

Uma sociedade na qual a autoridade política pudesse conhecer toda a vida do indivíduo – os seus passos, a saúde do seu corpo, as idéias talvez inaceitáveis ou criminosas que dissemina na internet – decerto seria bastante segura. Nela, os sistemas de saúde pública poderiam ser gerenciados com a maior eficiência possível; os crimes violentos seriam virtualmente banidos, pois a sua autoria seria facilmente descoberta; seria inexistente a expressão pública de racismo e de homofobia.

Sem dúvida, ficaríamos tentados a trocar a inviolabilidade da nossa privacidade pela promessa de uma vida com menos doenças, menos crimes e menos intolerância. O problema da distopia retratada por George Orwell em “1984” não é a permanente vigilância da população, mas a falta do contraponto hedonístico. Aldous Huxley havia percebido, antes mesmo de Orwell, que uma sociedade do controle precisa de uma dimensão de escape: é o pano de fundo de “Admirável Mundo Novo”. Huxley imaginou um totalitarismo baseado não na violência e no medo, mas no prazer e na idéia de liberdade. Ele compreendeu que uma sociedade do controle na qual todos tivessem acesso a redes sociais, drogas lícitas, esportes de massa, música popular e liberdade sexual seria perfeitamente tolerável, e mesmo desejável, por muitos.

* * *

Hobbes talvez tivesse alguma razão. O homem comum está bastante disposto a abrir mão da sua privacidade, da sua liberdade de ir e vir, da sua liberdade de pensamento em benefício da segurança. Esse homem pensará: “não sou terrorista, homicida nem racista; minha vida é trabalho e lazer; nada tenho a temer diante do controle governamental da minha existência”. Quem poderia reprová-lo?

É possível mesmo antever que os que se opuserem a esse controle institucional da vida serão, na mídia e nas redes sociais, considerados obscurantistas, teóricos da conspiração e até criminosos. Quando chegar o momento, cada homicídio consumado será atribuído à ignorância dos que se opõem à monitoração de tudo e de todos pelo Estado. Os críticos de um projeto assim serão tratados como esquisitões, como loucos, como terraplanistas, e enfim relegados à irrelevância por meio do processo de silenciamento social que Noelle-Newmann chamou de “espiral do silêncio”.

* * *

Ao chegarmos no epítome do controle estatal do cidadão, em certo sentido a nossa existência será mais livre: uma sociedade sem crime e sem ódio evidentemente é uma sociedade em que a vida pode ser vivida mais plenamente.

Mas, como tudo no mundo humano, essa liberdade será dialética: quando ganhamos uma coisa, perdemos outra. O que teremos perdido quando isso tudo acontecer? O que teremos perdido quando a totalidade da nossa vida for institucionalizada?

Talvez percamos uma faculdade sutil e invisível, uma faculdade que, em última instância, não se pode medir senão indiretamente (como no experimento de Stanley Milgram): talvez percamos a nossa autonomia.

O homem que perde a responsabilidade sobre si mesmo, sobre a sua vida, sobre a vida dos outros, e alegremente cede essa responsabilidade a outrem, infantiliza-se. Esse homem acreditará no que lhe for dito. Sob as palavras de ordem escolhidas com cuidado, fará o que lhe for ordenado, oprimirá quem lhe for indicado. E na hora em que for escolhido para o sacrifício, marchará em direção à sua própria aniquilação com o coração emocionado, transbordando de amor patriótico.

* * *

A história do nosso tempo indutivamente nos revela uma tendência: o fortalecimento das instituições de controle da vida do homem. A feliz submissão a uma tirania tecno-científica de natureza benigna, que garantirá a saúde e a segurança de todos nós, parece mais ou menos inevitável. E quando isso acontecer, o homem finalmente terá, em vida, a sua pax aeterna.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche