Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Perdão

Perdão

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

“Aquele que não perdoa destrói a ponte sobre a qual ele mesmo deve passar”. George Herbert

As duas maiores prisões da mente humana estão na raiva e na falta de perdão. A magoa, o rancor, não esquecer, remoer e a obstinação por vingança ou “justiça” estão na pauta da prisão mental que culmina com o apodrecer de toda vida social e espiritual. Quem não sabe perdoar e relevar os tombos da vida invariavelmente se fecha, isola e não vive nutrindo a raiva como forma essencial para existir. Alegria só a terceirizada…

Há alguns anos atendi um senhor que não perdoava sua filha que a revelia da vontade do pai se casou com o filho de um inimigo da juventude. “Ela me traiu” era o mote de seu infortúnio. Eu achei que o ocorrido havia sido  recentemente, mas para minha surpresa o fato havia se consumado há 35 anos. E o senhor se mantinha irritado, algoz, raivoso como se o fato houvesse ocorrido ontem. A teimosia, orgulho, vaidade, arrogância construíram o calabouço no qual o homem habitava. Alma penada e sofrida, vagava em lamentações. Não foi no casamento da filha, não viu o nascimento dos netos, nem sabia da bisneta e sua sina. Ele a vítima, rigoroso, ríspido, seco, eternamente magoado. Se dizia rei da certeza, da justiça e todos os outros eram os traidores. Pra que sorrir na existência se a corrente pode ser pesada?

A rigidez da personalidade, a falta de flexibilidade, tem na neurose sua morada. A autonomia de um complexo e seu teor obsessivo dão a este tipo de caso sua consistência. Se anula a compaixão, o servir, a criatividade, e outros focos para a existência, e a pessoa subsiste como um disco de vinil arranhado, de mágoa, rancor e frustração. Não existe perdão para quem não sabe perdoar.

No roteiro do existir é perceptível quem subsiste no drama. Ser vítima é gratificante, necessário, nesta forma decadente. O lamento de Orpheu ou como o melodrama do tenor em uma ópera. Quem não perdoa faz do choro sua alegria.

Em minha prática profissional como analista e psicólogo clinico percebo claramente que tão importante quanto perdoar os outros é o se perdoar. Existem muitas pessoas que se transformam em carrasco de sua própria fraqueza. Novamente chegamos a rigidez, a intolerância, a crítica exacerbada, a inflexibilidade. O indubitável holocausto entre raiva  e o ato de se fazer de vítima. Paralisado para onde se vai? A consequência deste lamento está na hipertensão arterial, AVC, câncer, em doenças que ocorrem de uma atitude mental recorrente. Este é o preço do martírio que o próprio individuo se impõe e que obstinadamente não quer largar, se contorcendo. Vale a pena pagar este preço eterno?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima