s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil – A chamada
Café Brasil – A chamada
Meu conteúdo vale muito desde que seja de graça.

Ver mais

Café Brasil 745 – Superhomem
Café Brasil 745 – Superhomem
O programa de hoje passa por igualdade de gêneros. E ...

Ver mais

Café Brasil 744 – Sinalização de virtude
Café Brasil 744 – Sinalização de virtude
Você já ouviu alguns ditados como “faça o que digo, não ...

Ver mais

Café Brasil 743 – A inveja
Café Brasil 743 – A inveja
Olha, tá pesado, viu? A cizânia plantada na sociedade ...

Ver mais

LíderCast 210 – Sarah Rosa
LíderCast 210 – Sarah Rosa
“Atriz pornô e acompanhante” como ela mesma se define. ...

Ver mais

LíderCast 209 – Gabriel Lima
LíderCast 209 – Gabriel Lima
CEO da Enext e uma das mais jovens referências nos ...

Ver mais

LíderCast 208 – Alon Lavi
LíderCast 208 – Alon Lavi
Bacharel em Engenharia Biotecnológica na Universidade ...

Ver mais

LíderCast 207 – Danilo Balu
LíderCast 207 – Danilo Balu
escritor, formado em educação física, corredor, que ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Vacinas para quem precisa
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não, o assunto não é a vacina contra a Covid-19. Por dois motivos: Primeiro, tem gente demais dando opinião sobre isso, e a maioria totalmente leiga no assunto. A coisa virou briga política, e ...

Ver mais

A montanha-russa peruana
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A montanha-russa peruana Peru em flashes  “Desde a década de 1970, a democracia na América Latina cresceu num clima internacional favorável, mas suas vantagens são prejudicadas pela fraqueza de ...

Ver mais

A nova esquerda e a ideologia ultraliberal
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Amigos, a nossa alienação nunca está onde nós acreditamos que ela esteja: a nossa alienação está justamente onde temos certeza de que enxergamos a realidade.   Digo isso porque percebo, em boa ...

Ver mais

A gangorra da concentração no setor bancário
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A gangorra da concentração no setor bancário  “Concorrência é como um jogo de tênis. Não tem contato físico. Não podemos impedir que ela crie jogadas e produza. Temos que ser eficientes em nosso ...

Ver mais

Cafezinho 337 – Erebus e Terror
Cafezinho 337 – Erebus e Terror
A Expedição Franklin, no final do século 19, apesar de ...

Ver mais

Cafezinho 336 – Dê uma chance pra sorte
Cafezinho 336 – Dê uma chance pra sorte
Não dá pra provocar a sorte. Mas dá pra dar uma chance ...

Ver mais

Cafezinho 335 – Identidade
Cafezinho 335 – Identidade
Não me reconheço mais neste povo incompleto e perdido, ...

Ver mais

Cafezinho 334 – Eu vi Rivellino jogar
Cafezinho 334 – Eu vi Rivellino jogar
Eu vi Rivellino jogar. E isso me afastou do futebol.

Ver mais

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição

Jota Fagner - Origens do Brasil -

“Esqueci de te falar, o Jorge Portugal deu entrada no Hospital do Estado de Salvador. Está em coma induzido, não está bem não. Acho que deu um problema no coração, que não estava conseguindo bombear. Deu parada cardíaca dentro da ambulância”, disse minha mãe, um tanto esbaforida, numa mensagem de voz pelo WhatsApp. Fiquei abalado, mas torci internamente para que fosse só um susto. Desejava que o nobre poeta voltasse logo para o aconchego da sua família.

Curiosamente, ela disse “o Jorge Portugal”, colocando o artigo definido antes do nome. Coisa não muito comum entre nós baianos. Como se, inconscientemente, tentasse destacar que não fora qualquer Jorge Portugal, mas “o Jorge Portugal”.

Alguns minutos depois um colega enviou-me o link para uma matéria do G1 Bahia confirmando o falecimento do nosso querido professor, poeta e compositor. Meus olhos marejaram imediatamente. O sentimento era de que perdemos, junto com Jorge Portugal, parte da nossa identidade. Não que ela, a identidade, tenha deixado de existir, mas poucos saberiam expressar tão bem quanto ele as dores e alegrias do que é ser baiano.

Carentes de poetas que transfigurem em palavras a identidade estadual, ficamos mais órfãos a cada dia. Perdemos outro Jorge, o Amado, João Ubaldo Ribeiro, Floriano Teixeira, Carybé e agora ficamos sem Portugal.

“A dor da gente é dor de menino acanhado, menino-bezerro pisado no curral do mundo a penar”, dizia Portugal em sua mais famosa parceria com Raimundo Sodré. A minha dor é perceber que a expressão da baianidade vai se metamorfoseando em outra coisa qualquer, muito mais palatável para o mercado de consumo. E já são poucos aqueles que ainda lutam para conservar nossas diferenças em amálgama com a unidade nacional.

Como escreveu Portugal, dessa vez numa parceria com Roberto Mendes, existem coisas que são típicas do nosso estado, do nosso jeito de ser: Pedra pisada de preto, Luso bantu sudanesa, Precipício de beleza, Reconvexa alegria, Ímã de toda utopia, Rima de toda riqueza, Tudo isso com certeza só se vê, Só se vê na Bahia. Essas idiossincrasias tão típicas da baianidade foram brilhantemente expressas por Portugal. Mas o poeta continua em sua definição daquilo que chamamos de povo baiano: Gente que tira alegria da dor, Do batecum do batente, Todas as cores de gente, Contas de todos os guias, Uma nação diferente, Toda prosa e poesia, Tudo isso finalmente só se vê, Só se vê na Bahia.

Você já foi à Bahia? Não? Então acho difícil que entenda a profundidade de tais versos.

Jorge Portugal faleceu no Hospital Geral Roberto Santos, às 20h e 15min desta segunda-feira, três de agosto de dois mil e vinte. Faria aniversário na próxima quarta-feira. Com ele vai um pedaço da Bahia, ao menos parte da nossa capacidade de autodefinição. Vá em paz, caro poeta. Sentiremos sua falta.

 

Ver Todos os artigos de Jota Fagner