s
Iscas Intelectuais
O Lado Cheio
O Lado Cheio
Aqui é o lugar onde você encontrará análises sobre o ...

Ver mais

Pelé e os parasitas.
Pelé e os parasitas.
Meu herói está lá, a Copa de 1970 está lá, o futebol ...

Ver mais

Branding a preço de banana.
Branding a preço de banana.
Quanto vale o branding? Pelo que estou vendo acontecer ...

Ver mais

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
Um grande comentário sócio-político sobre a divisão em ...

Ver mais

Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Medidas restritivas desproporcionais impostas pelos ...

Ver mais

Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Você já sabe que a Perfetto patrocina o Café Brasil,  ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Café Brasil 761 – O viés nosso de cada dia
Café Brasil 761 – O viés nosso de cada dia
Você já ouviu falar em autoilusão? A forma como nós ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Três livros sobre corrupção e como combatê-la
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A corrupção e o desafio de combatê-la em três livros “Ao contrário da maioria dos crimes violento ou passionais, a corrupção em larga escala é um crime absolutamente racional, baseado na análise ...

Ver mais

Richard Feynman desancando a universidade brasileira… de 1951
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Como acabar com o mito de que a educação brasileira dos anos 50 tinha boa qualidade…   Em 1951, o físico norte-americano Richard Feynman (que posteriormente ganharia o Nobel de Física) veio ...

Ver mais

Exemplos positivos da sociedade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Exemplos positivos da sociedade O início do outono foi marcado pela publicação de dois documentos apresentados por diferentes segmentos da sociedade com considerações críticas e sugestões para o ...

Ver mais

Efeito da pandemia na economia mundial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Efeito da pandemia na economia mundial “O PIB brasileiro se apresentou melhor do que o de muitos países da Europa, por exemplo. No início da pandemia, a expectativa era de que o PIB brasileiro ...

Ver mais

Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Dias 26, 27 e 28 de abril vai acontecer o DESAFIO AS ...

Ver mais

Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Não brigue com seu amigo por causa da política. Depois ...

Ver mais

Cafezinho 373 – oladocheio.com
Cafezinho 373 – oladocheio.com
Venha para o lado dos que querem construir.

Ver mais

Cafezinho 372 – (des)Equilíbrio
Cafezinho 372 – (des)Equilíbrio
Após anos de condicionamento recebendo más notícias, ...

Ver mais

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição

Jota Fagner - Origens do Brasil -

“Esqueci de te falar, o Jorge Portugal deu entrada no Hospital do Estado de Salvador. Está em coma induzido, não está bem não. Acho que deu um problema no coração, que não estava conseguindo bombear. Deu parada cardíaca dentro da ambulância”, disse minha mãe, um tanto esbaforida, numa mensagem de voz pelo WhatsApp. Fiquei abalado, mas torci internamente para que fosse só um susto. Desejava que o nobre poeta voltasse logo para o aconchego da sua família.

Curiosamente, ela disse “o Jorge Portugal”, colocando o artigo definido antes do nome. Coisa não muito comum entre nós baianos. Como se, inconscientemente, tentasse destacar que não fora qualquer Jorge Portugal, mas “o Jorge Portugal”.

Alguns minutos depois um colega enviou-me o link para uma matéria do G1 Bahia confirmando o falecimento do nosso querido professor, poeta e compositor. Meus olhos marejaram imediatamente. O sentimento era de que perdemos, junto com Jorge Portugal, parte da nossa identidade. Não que ela, a identidade, tenha deixado de existir, mas poucos saberiam expressar tão bem quanto ele as dores e alegrias do que é ser baiano.

Carentes de poetas que transfigurem em palavras a identidade estadual, ficamos mais órfãos a cada dia. Perdemos outro Jorge, o Amado, João Ubaldo Ribeiro, Floriano Teixeira, Carybé e agora ficamos sem Portugal.

“A dor da gente é dor de menino acanhado, menino-bezerro pisado no curral do mundo a penar”, dizia Portugal em sua mais famosa parceria com Raimundo Sodré. A minha dor é perceber que a expressão da baianidade vai se metamorfoseando em outra coisa qualquer, muito mais palatável para o mercado de consumo. E já são poucos aqueles que ainda lutam para conservar nossas diferenças em amálgama com a unidade nacional.

Como escreveu Portugal, dessa vez numa parceria com Roberto Mendes, existem coisas que são típicas do nosso estado, do nosso jeito de ser: Pedra pisada de preto, Luso bantu sudanesa, Precipício de beleza, Reconvexa alegria, Ímã de toda utopia, Rima de toda riqueza, Tudo isso com certeza só se vê, Só se vê na Bahia. Essas idiossincrasias tão típicas da baianidade foram brilhantemente expressas por Portugal. Mas o poeta continua em sua definição daquilo que chamamos de povo baiano: Gente que tira alegria da dor, Do batecum do batente, Todas as cores de gente, Contas de todos os guias, Uma nação diferente, Toda prosa e poesia, Tudo isso finalmente só se vê, Só se vê na Bahia.

Você já foi à Bahia? Não? Então acho difícil que entenda a profundidade de tais versos.

Jorge Portugal faleceu no Hospital Geral Roberto Santos, às 20h e 15min desta segunda-feira, três de agosto de dois mil e vinte. Faria aniversário na próxima quarta-feira. Com ele vai um pedaço da Bahia, ao menos parte da nossa capacidade de autodefinição. Vá em paz, caro poeta. Sentiremos sua falta.

 

Ver Todos os artigos de Jota Fagner