s
Iscas Intelectuais
Por dentro das Big Techs
Por dentro das Big Techs
Alguma coisa está mudando na cultura do trabalho, e ...

Ver mais

Um pouquinho de história
Um pouquinho de história
Um pouquinho de história só para manter as coisas em ...

Ver mais

Não olhe para cima
Não olhe para cima
Não olhe para cima é uma comédia para ser levada a ...

Ver mais

Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Café Brasil 805 – O Estupro da Mente
Café Brasil 805 – O Estupro da Mente
Muito bem! No episódio passado, eu introduzi o conceito ...

Ver mais

Café Brasil 804 – Psicose de formação em massa
Café Brasil 804 – Psicose de formação em massa
O termo Mass Formation Psychosis, psicose de formação ...

Ver mais

Café Brasil 803 – Enquanto houver sol
Café Brasil 803 – Enquanto houver sol
E aí? Pronto pro ano novo? Tá complicado, é? Muita ...

Ver mais

Café Brasil 802 – A Lei de Lindy
Café Brasil 802 – A Lei de Lindy
Olhe pela janela... o que restará daqui a 100 anos, de ...

Ver mais

LíderCast 227 – Leticia Zamperlini e Cristian Lohbauer
LíderCast 227 – Leticia Zamperlini e Cristian Lohbauer
No programa de hoje temos Leticia Zamperlini e Cristian ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Hoje bato um papo muito interessante com Leandro Bueno, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Predicáveis: Classificação e Números (parte 4)
Alexandre Gomes
Os PREDICÁVEIS representam a mais completa classificação das relações que podem ser afirmadas DE UM PREDICADO. em relação a um sujeito, TANTO QUANTO as categorias (do ser) são a mais completa ...

Ver mais

Expectativas em relação à China
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Expectativas em relação à China “Embora ainda seja prematuro especular sobre os delineamentos básicos de uma nova e inevitável ordem internacional, a evolução dos acontecimentos parece apontar ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Formas Proposicionais A E I O (parte 3)
Alexandre Gomes
As distinções apresentadas na lição anterior são as bases da CONCEITUAÇÃO e do MANEJO das proposições. Usando a qualidade, ou tanto a quantidade quanto a modalidade, como base, TODA PROPOSIÇÃO ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Características das Proposições (parte 2)
Alexandre Gomes
As PROPOSIÇÕES podem ser agrupadas por cinco características; e cada uma dessas se divide em duas classes. As cinco características são: a) referência à realidade, b) quantidade, c) qualidade, d) ...

Ver mais

Cafezinho 457 – Eu não sabia
Cafezinho 457 – Eu não sabia
O jornalista, crítico da mídia e filósofo amador ...

Ver mais

Cafezinho 456 – Humildade na liderança
Cafezinho 456 – Humildade na liderança
Quando você mistura ignorância com arrogância, pitadas ...

Ver mais

Cafezinho 455 – Para pensar direito
Cafezinho 455 – Para pensar direito
George Orwell escreveu: "Se as idéias corrompem a ...

Ver mais

Cafezinho 454 – A tecnologia mata a paciência
Cafezinho 454 – A tecnologia mata a paciência
A vida é curta demais pra gente ficar esperando. Mas ...

Ver mais

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição

Jota Fagner - Origens do Brasil -

“Esqueci de te falar, o Jorge Portugal deu entrada no Hospital do Estado de Salvador. Está em coma induzido, não está bem não. Acho que deu um problema no coração, que não estava conseguindo bombear. Deu parada cardíaca dentro da ambulância”, disse minha mãe, um tanto esbaforida, numa mensagem de voz pelo WhatsApp. Fiquei abalado, mas torci internamente para que fosse só um susto. Desejava que o nobre poeta voltasse logo para o aconchego da sua família.

Curiosamente, ela disse “o Jorge Portugal”, colocando o artigo definido antes do nome. Coisa não muito comum entre nós baianos. Como se, inconscientemente, tentasse destacar que não fora qualquer Jorge Portugal, mas “o Jorge Portugal”.

Alguns minutos depois um colega enviou-me o link para uma matéria do G1 Bahia confirmando o falecimento do nosso querido professor, poeta e compositor. Meus olhos marejaram imediatamente. O sentimento era de que perdemos, junto com Jorge Portugal, parte da nossa identidade. Não que ela, a identidade, tenha deixado de existir, mas poucos saberiam expressar tão bem quanto ele as dores e alegrias do que é ser baiano.

Carentes de poetas que transfigurem em palavras a identidade estadual, ficamos mais órfãos a cada dia. Perdemos outro Jorge, o Amado, João Ubaldo Ribeiro, Floriano Teixeira, Carybé e agora ficamos sem Portugal.

“A dor da gente é dor de menino acanhado, menino-bezerro pisado no curral do mundo a penar”, dizia Portugal em sua mais famosa parceria com Raimundo Sodré. A minha dor é perceber que a expressão da baianidade vai se metamorfoseando em outra coisa qualquer, muito mais palatável para o mercado de consumo. E já são poucos aqueles que ainda lutam para conservar nossas diferenças em amálgama com a unidade nacional.

Como escreveu Portugal, dessa vez numa parceria com Roberto Mendes, existem coisas que são típicas do nosso estado, do nosso jeito de ser: Pedra pisada de preto, Luso bantu sudanesa, Precipício de beleza, Reconvexa alegria, Ímã de toda utopia, Rima de toda riqueza, Tudo isso com certeza só se vê, Só se vê na Bahia. Essas idiossincrasias tão típicas da baianidade foram brilhantemente expressas por Portugal. Mas o poeta continua em sua definição daquilo que chamamos de povo baiano: Gente que tira alegria da dor, Do batecum do batente, Todas as cores de gente, Contas de todos os guias, Uma nação diferente, Toda prosa e poesia, Tudo isso finalmente só se vê, Só se vê na Bahia.

Você já foi à Bahia? Não? Então acho difícil que entenda a profundidade de tais versos.

Jorge Portugal faleceu no Hospital Geral Roberto Santos, às 20h e 15min desta segunda-feira, três de agosto de dois mil e vinte. Faria aniversário na próxima quarta-feira. Com ele vai um pedaço da Bahia, ao menos parte da nossa capacidade de autodefinição. Vá em paz, caro poeta. Sentiremos sua falta.

 

Ver Todos os artigos de Jota Fagner