s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Perspectivas sombrias para nossa balança comercial

Perspectivas sombrias para nossa balança comercial

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Perspectivas sombrias no curto prazo

para nossa balança comercial

O Ministério da Economia anunciou o déficit de US$ 1,745 bilhão em janeiro, decorrente da diferença entre as importações que somaram US$ 16,175 bilhões e as exportações, que atingiram US$ 14,430 bilhões, pior resultado para o mês de janeiro desde 2015, ano em que a economia brasileira registrou queda de 3,5% no seu produto interno bruto.

Esses números não chegaram a surpreender os especialistas que acompanham atentamente a evolução do comércio no Brasil e no mundo, que sinalizam para um futuro próximo caracterizado por sucessivos déficits da nossa balança comercial.

Em relação ao mesmo mês do ano anterior, as exportações tiveram uma diminuição de 20,2%, enquanto as importações registraram um recuo inferior, de 1,3%.

Herlon Brandão, subsecretário de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior do Ministério da Economia, atribuiu a diversos fatores o resultado de janeiro, entre os quais a menor venda de petróleo ao exterior, o atraso no plantio e colheita da soja, o nível de atividade internacional menos aquecido e quedas na exportação de milho, celulose, automóveis e autopeças, os dois últimos provocados pela prolongada crise econômica da Argentina.

Considerando que China, Hong Kong e Macau são os maiores compradores dos produtos brasileiros, com mais do que o dobro do segundo colocado – Estados Unidos – e que é lá que se encontra o maior foco da epidemia de coronavírus, há inegável inquietação quanto aos efeitos econômicos provenientes da disseminação do vírus, embora os números de janeiro não tenham sofrido ainda quase nenhum impacto.

Para concluir, vale destacar que eventuais déficits na balança comercial não se constituem, necessariamente, num problema grave para determinada economia, visão predominante nos primórdios do capitalismo, quando as principais metrópoles europeias estimulavam exportações e restringiam importações, pois o principal objetivo da política econômica era a obtenção de superávits comerciais. Registre-se que, na época, considerava-se que o montante de riqueza disponível no mundo, representada pelos metais preciosos, era fixo, de tal forma que para uma nação enriquecer, outra(s) tinha(m) que empobrecer. Essa visão, chamada de jogo de soma zero, está totalmente superada, ainda que, vez por outra, defrontemo-nos com argumentos dessa natureza.

 

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado