s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Pobreza Teórica

Pobreza Teórica

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                            Considere o globo terrestre. Economicamente analisado, mostrará países ricos, pobres, remediados, miseráveis. E cada um vive mais ou menos de acordo com essas condições intrínsecas. E, mais importante, cada governo gasta de acordo com esse estado financeiro. Há exceções, claro, como as recorrentes ditaduras e demais barbaridades com as quais dividem essa nau dos insensatos esférica. Mas, como já é enredo de piada, o Brasil novamente se destaca pelo ineditismo: Nosso governo e seus representantes vivem não na miséria tipicamente brasileira, mas num outro plano denominado Pobreza Teórica.

                            Pobreza Teórica é (ou deveria ser) uma nova subdivisão classificatória da macroeconomia. Significa que não importa o quanto a grana falte, quem for do topo do governo vive e trabalha como se fosse mandatário num paraíso, onde o dinheiro brota em árvores. O povo tá na merda, mas seus governantes habitam outro País (ou outro planeta, vai saber), muito chique e rico, saboreando todas as benesses e mordomias que a nobreza naturalmente merece. Uma verdadeira Corte Imperial dentro da Favela Banânia. E nunca uma teoria foi tão válida na prática. Ê Brasilzão…

                            Pois bem: Definida a Pobreza Teórica, vamos aos exemplos práticos. A PT (não me culpem pela inocente coincidência) não é nova, embora esteja aprimoradíssima no governo Dillma-Lulla. Me lembro de um ótimo exemplo prático, ocorrido nos anos 80; meu grande amigo Zu era geólogo e prospectava minério na Amazônia. Contava, entre outras barbaridades, como a Funai, grosso modo obviamente, gastava milhões em caminhonetes caríssimas para entregar aos índios facões de 10 merréis, em vez de enviar a grana dos utensílios diretamente aos beneficiários. Brilhante case.

                            O tempo passou, e o lulismo tomou o Brasil de assalto (literal e metafórico), advindo a época áurea da Pobreza Teórica. A crise (a real e até a irreal, admitida pelo desgoverno) é gigantesca. A inflação explode, o desemprego grassa, a produção cai verticalmente, o dólar vai às alturas e a Bolsa despenca… e que faz a presidonta? Anuncia aumento de impostos, alertando que o remédio é amargo – faz as malas e vai passear nos EUA, alugando 22 limusines (uma para cada turista governamental e uma outra especial para a filha da… presidonta). Sem contar os carros blindados, ônibus e talvez até uns tanques de guerra. A esbórnia custou 200 mil dólares, sem contar 17 mil dólares diários pela suíte imperial ocupada pela humilde presidonta.

                            Some-se a essa esbórnia com dinheiro público uma outra fortuna, gasta com diárias aos turistas que acompanham a Dama de Vermelho, nossa Imelda Marcos tupiniquim; e contas de restaurantes, mimos, seguranças armados, traslados, tudo isso a bordo do inesquecível Aerolulla, o avião mais calhorda da face da terra, exemplo imbatível, emblema da Pobreza Teórica. Verdadeiro circo voador.

                            Em contrapartida, há a Riqueza Teórica, praticada em todos os países ricos (de fato) e decentes, como os EUA, Inglaterra, Canadá, França, Suécia, Alemanha, Dinamarca, Suíça e tantos outros. Esses bobos ficam nessa coisa pobre, jeca, de economizar com bobagens. Imaginem só, o primeiro ministro britânico nem tem um avião pra chamar de seu; quando viaja ao exterior decola e pousa em voo comercial – e na classe econômica. Deve ser bobo esse tal de David Cameron, coitado. E usa só os carros da embaixada.

                            O Canadá também não tem avião exclusivo. A Alemanha tem (comprado usado), mas nele nem o marido de Angela Merkel põe os pés. É de uso exclusivo em trabalho, e ninguém pega carona. Também não tem essa de hotéis caríssimos nem frota de limusines. Trouxas.

                            Ah, também se pratica a Pobreza Teórica aqui dentro: Em Brasília a ordem é torrar grana pública com frotas de carros novos, jatinhos, restaurantes, tudo pago pela viúva. E os três poderes parecem competir nessa disputa de quem gasta mais “pelo bem do Brasil”. Férias de 90 dias por ano, carros oficiais luxuosos, planos de saúde nababescos para essa gente e seus familiares, escritórios suntuosos e uma legião de assessores com gasto ilimitado em telefone, combustível, sorvete de pistache e kryptonita. Austeridade é coisa do capeta. Nas estatais então, esbanjar dinheiro do povo é esporte olímpico.

                            Abaixo o pessimismo, vamos torrar dinheiro! A onda agora é acolher refugiados de guerra sírios e demais vizinhos infelizes. Todos os ricos teóricos fazem o que podem, ajudam como dá. Dilma I avisa que estamos de braços abertos, e que a patuleia pode chegar aos montes que tem mingau pra todos e samba no pé.

                            Não basta a multidão de haitianos (mais de 250 mil) que invadiu São Paulo “exportada” pelo governador do Acre, transformando-se numa miserável massa de pedintes, disputando o sacrossanto Bolsa Família com os nossos pobres autóctones? Nem é bom mencionar bolivianos e africanos, chegando às dezenas de milhares. E os empréstimos (doações, na verdade) do BNDES a Cuba, Venezuela, Equador, Angola?

                            Taí outro grande dogma da Pobreza Teórica: Exportar milhões a fundo perdido e importar pobreza. A zorra com dinheiro público desconhece fronteiras ou parâmetros. Viva a gastança! Pobreza é psicológica!

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes