s
Iscas Intelectuais
Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Café Brasil 781 – Stalinismo tecnológico
Café Brasil 781 – Stalinismo tecnológico
Se você não é do ramo do marketing, da comunicação, da ...

Ver mais

Café Brasil 780 – LíderCast Barone & Priester
Café Brasil 780 – LíderCast Barone & Priester
Pronto. Chegou o dia de conversar com duas referências ...

Ver mais

Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Há quatro anos, uma amiga me relatou uma história ...

Ver mais

Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Um novo termo entrou em evidência: o cringe. A tradução ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Olímpica expectativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Olímpica expectativa “O esporte tem o poder de unificar, passar uma imagem de paz e resiliência, e nos dá esperança de seguir nossa jornada juntos.” Thomas Bach (Presidente do Comitê Olímpico ...

Ver mais

Economia do crime
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia do crime  O crime compensa?  “Na faculdade, fui atraído pelos problemas estudados por sociólogos e as técnicas analíticas utilizadas pelos economistas. Esses interesses começaram a se ...

Ver mais

Reprise
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Reprise  Já vi esse filme outras vezes… e não gostei do final A combinação de novas denúncias de irregularidades envolvendo membros do governo, o andamento da CPI da Covid e a sucessão de ...

Ver mais

O infalível ministro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A piada é antiga. Dá pra contar, se a turma do politicamente correto ainda não inventou o crime de lusofobia: A famosa cena bíblica do apedrejamento da adúltera, quando o Mestre teria dito… ...

Ver mais

Cafezinho 408 – Correlações e causalidades
Cafezinho 408 – Correlações e causalidades
Preste muita atenção nos discursos dos educadores, dos ...

Ver mais

Cafezinho 407 – A teoria do valor subjetivo
Cafezinho 407 – A teoria do valor subjetivo
Trocar um apartamento por um automóvel? Como assim?

Ver mais

Cafezinho 406 – Ressentimentos passivos
Cafezinho 406 – Ressentimentos passivos
Eu escolhi participar ativamente, usando as armas que tenho.

Ver mais

Cafezinho 405 – O babaca
Cafezinho 405 – O babaca
Qual tipo de reação você acha que levo em consideração ...

Ver mais

Polêmica indesejável

Polêmica indesejável

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Polêmica indesejável

“Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.”

José Ortega y Gasset

A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de junho[1], significou importante conquista para o governo, que comemorou o ocorrido como se fosse um gol em final de campeonato. Foi também uma conquista, em especial, para o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que sempre salientou que para o Brasil as questões urbanas merecem mais atenção do que as queimadas na Amazônia. Quase 100 milhões de brasileiros não têm acesso à coleta de esgoto apesar do direito estar assegurado pela Constituição. O caso torna-se mais dramático em meio à pandemia que infecta milhões, e mata milhares, especialmente os mais pobres. Como se sabe, uma das formas de evitar a doença é a higiene pessoal. Como consegui-la, porém, sem acesso à água tratada?

A questão ambiental tem sido, historicamente, foco de grande preocupação para sucessivos governos brasileiros, acusados de não adotarem posturas rígidas visando a sua preservação. Essas acusações têm se acentuado ultimamente, em razão da queimada de extensas áreas de florestas na Amazônia, originando diversos tipos de pressões por parte de países estrangeiros, que chegam até a ameaçar suspender investimentos no Brasil e interromper a importação de nossos produtos agropecuários. Nesse aspecto, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, se alinha ao titular da pasta do Meio Ambiente, alegando que as queimadas na Amazônia não são provocadas pelos produtores rurais. “O agro tem crescido nas áreas já desmatadas e a Amazônia, com seu clima e terras diferentes das demais regiões, não é atraente. Nossa tecnologia de agricultura foi feita para regiões como o cerrado, para o Sul e Sudeste. E essa tecnologia muda conforme a região”, diz a ministra. Enfática, ela afirma que “o agronegócio não precisa da Amazônia e que é uma defensora intransigente de se zerar o desmatamento ilegal”. Complementando sua argumentação, Tereza Cristina diz que além da inadequação da terra e do clima, “a Amazônia não conta com infraestrutura logística para escoar a produção”.

A polêmica em torno da questão ambiental é acirrada e em torno dela encontram-se posições radicalmente opostas. No livro Planeta azul em algemas verdes, que tem por subtítulo O que está correndo perigo: o clima ou a liberdade?, Vaclav Klaus, ex-presidente da República Tcheca, defende uma visão totalmente liberal para o meio ambiente, criticando o extremismo de ONGs e ativistas que espalham uma visão alarmista pelo planeta. O trecho a seguir sintetiza sua posição:

Como alguém que viveu sob o regime comunista durante grande parte da vida, sinto-me obrigado a dizer que a maior ameaça à liberdade, à democracia, à economia de mercado e à prosperidade, no começo do século XXI, não é o comunismo ou suas variações mais amenas. O que tomou o lugar do comunismo foi a ameaça representada pelo ambientalismo sedento de ambições. Essa ideologia tem como foco de seu discurso a Terra e a natureza e, sob o disfarce de palavras de ordem (à maneira dos antigos marxistas) da proteção do planeta e da natureza, ela deseja substituir a livre e espontânea evolução da humanidade por uma espécie de planejamento central (agora global) do mundo inteiro.

Há ainda, evidentemente, profundos interesses econômicos em jogo, uma vez que muitas pressões e ameaças ao Brasil são feitas por governos de países que há muito destruíram suas reservas florestais e agora cobram dos governantes brasileiros um tipo de cuidado que jamais demonstraram quando buscavam o maior crescimento econômico possível, pré-requisito para que alcançassem os níveis de desenvolvimento que hoje possuem e que garantem elevado padrão de bem-estar a suas populações.

Em minha opinião, tal polarização só atrapalha. Se, por um lado, é inegável a existência de certo exagero por parte de determinados ativistas, justificando, em parte, os argumentos de Vaclav Klaus, por outro, é indispensável maior equilíbrio e uma visão mais abrangente do governo brasileiro, olhando, simultaneamente, para as questões urbanas e para a preservação da Amazônia. Se isso não for feito, temo que as atuais pressões e ameaças se transformem em ações concretas que poderão acarretar sérios prejuízos aos interesses do País.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas

KLAUS, Václav. Planeta azul em algemas verdes: o que está correndo perigo: o clima ou a liberdade? Tradução de Juliana Lemos. São Paulo: DVS Editora, 2010.

‘O AGRONEGÓCIO não precisa da Amazônia’. Entrevista da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, a Andreza Matais e André Borges. O Estado de S. Paulo, 5 de julho de 2020, p. B 1.

 

[1] A aprovação do novo marco regulatório do saneamento básico (PL 4.162/2019)  pelo Senado se deu por sessão remota. O projeto, de iniciativa do governo, foi aprovado em dezembro do ano passado na Câmara dos Deputados e agora segue para a sanção presidencial. A matéria baseia-se na Medida Provisória (MP) 868/2018, que perdeu a validade sem ter sua apreciação completada no Congresso Nacional em 2019. Por essa razão, o governo enviou ao Legislativo um projeto com o mesmo tema.

 

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado