s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Por Manágua

Por Manágua

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A pequena república da Nicarágua tem vivido um banho de sangue desde os anos 60, quando do início da Revolução Sandinista. A revolta tinha esse nome em ao líder popular Augusto César Sandino, executado em 1934 por ordem de Anastasio Somosa Garcia, ditador derrubado em 1979 pelos sandinistas da Frente Sandinista de Libertação Nacional. Quem comandava a FSLN era Éden Pastora, o misterioso “Comandante Zero”. Dessa derrubada do governo ditatorial e construção de um novo, teoricamente (ou alegadamente) democrático, surgiu uma nova figura, da qual muito ainda se ouviria falar: Daniel Ortega.

Com a vitória sandinista, em pouco tempo um fato saltava aos olhos: Os sofridos nicaraguenses estavam apenas trocando uma ditadura por outra, comunista e disfarçada de “popular”. A turma de Pastora foi perdendo força e Ortega tornou-se presidente em 1985, prometendo justiça, prosperidade, paz e aquela coisa toda que nós brasileiros conhecemos muito bem pelos populistas governos de esquerda, bons de garganta e péssimos de realização.

Ortega nunca deixou de ser um bandido, assassino e assaltante de bancos. Pior, foi treinado pelos cubanos para aumentar o alcance do império comunista que tentaram estender pela América Latina toda. Tornou-se presidente, como tantos outros criminosos a mando do comunismo internacional, em eleições suspeitíssimas (quando não totalmente fraudadas), bem ao estilo cubano. Permaneceu no poder até 1990, quando o pobre e pequeno país passou por um curto período verdadeiramente democrático. Mas (e sempre há um “mas”) Ortega retomou o poder através de eleições mais sujas que as cuecas de Che Guevara, e ali permanece até hoje. Detalhe: A vice-presidente é sua mulher, uma bruxa completamente louca, que se arroga poderes sobrenaturais. Ambos torram o dinheiro do povo com roupas, carros, mansões e viagens, exatamente como seus colegas de ideologia sempre fazem.

Pois bem: Um dia a conta chega, mesmo para os fantoches do populismo de esquerda radical. Não existe almoço grátis; dinheiro não dá em árvore, embora alguns tenham recebido generosa mesada soviética por anos a fio. Gastar o cheque especial ou fazer fiado tem limite, tovarich. Macroeconomia não é conta de boteco nem se salva com discursos inflamados. Números, exatamente como baionetas, servem para muita coisa – menos para sentar em cima, parafraseando Emílio Castelar y Rippol, célebre intelectual e político espanhol, na segunda metade do século XIX.

Resumo da ópera: Exatamente como em Cuba, Venezuela ou qualquer outro lugar onde um grupo de psicopatas enfie goela abaixo do povo esse comunismo real ou ficto, de fachada, a miséria dá o tom. A Nicarágua está à beira da guerra civil, com a população violentamente reprimida pelos jagunços paramilitares da ditadura local. Os mortos e desaparecidos (traduzindo: mortos ainda não oficializados) passam de 600, e uma das últimas vítimas foi Raynéia Gabrielli Lima, jovem e inocente estudante brasileira assassinada covardemente pelos bandidos de Ortega. Onde isso vai parar? No fundo de uma oceânica poça de sangue, óbvio. Monstros como ele e Nicolás Maduro, seu colega de chicote, foice e martelo, só largam o osso quando nem tutano existe mais, fugindo para baixo das asas protetoras de alguma outra ditadura comunista. Felizmente esses países-fazenda estão rareando e vários dos tiranos boçais acabam na cadeia ou no cemitério, tal como ocorreu na Líbia, Romênia, Albânia e outros.

Exatamente como o câncer, esses ditadores assassinos comunistas nunca sabem quando é hora de parar; roem seus hospedeiros até a morte, mesmo que isso resulte também no seu fim. Como na famosa parábola do escorpião, faz parte da natureza deles. Não é apenas o vício ou a maldade, é a demência do poder absoluto. Bandidos.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes