s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

Por que Bolsonaro exagera?

Por que Bolsonaro exagera?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Como se já não enfrentássemos todos os problemas possíveis – e mais uns imaginados – Bolsonaro parece se esforçar para piorar os reais e parir os imaginários. Por qual razão o presidente se esforça tanto ao atravessar a rua só para propositalmente escorregar na casca de banana?

Bolsonaro alega que suas maiores preocupações, desde a campanha eleitoral, são a família, os bons costumes, o civismo, patriotismo, a moral. No entanto, se dirige a autoridades das quais discorda (no Brasil ou no exterior) de forma chula, belicosa e absolutamente desnecessária. Mesmo se estivesse totalmente correto em suas invectivas – e não está – a educação, os bons modos, são absolutamente imprescindíveis ao presidente de um País da relevância do nosso. Grosserias não trazem nada de bom e nada capitalizam, nem coadunam o resgate dos bons costumes propalados no período eleitoral. Mas ele pensa diferente.

À guisa de explicação, disse ser “assim mesmo”, e que palavrões “escapam”. Pode ser, mas então as falas em público são absolutamente contra-indicadas. Pode soltar os cachorros e todas as pragas do mundo encerrado em seu gabinete ou dentro de casa. Do púlpito presidencial, não. Ser presidente eleito, democraticamente, não dá a ninguém carta branca para usar o maior cargo do País para defender suas ideias particulares. O cargo é de dirigente, não de dono.

Como já disse o político americano John Foster Dulles (1888/1959), países não tem amigos, tem interesses. E como diz meu querido amigo Spencer, sinceridade em excesso acaba virando falta de educação. Os dois estão certíssimos. Agrade e pode conquistar alguma coisa, mesmo que difícil. Reaja a tudo com berros e chutes, e atrairá muitos inimigos gratuitos. Seja sempre firme, mas nunca mal educado. Simples.

Pior: Bolsonaro imita (ou tenta imitar) Donald Trump sem o cacife daquele, presidente do país mais rico e poderoso do planeta. Essa estratégia polemista e ao mesmo tempo infantil tem tudo para dar errado. Se isso causa problemas aos EUA, avaliem pra gente, pobres fuleiros que ruminamos abaixo do Equador. Bater boca com Emmanuel Macron, que além de imbecil completo e arrogante é, infelizmente, presidente da França, é um desastre internacional. Tomar essa discussão como ofensa pessoal é um super desastre internacional. O mesmo ocorreu com a ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet, em dimensão muito pior. Além de tudo, o presidente ainda levanta a bola para a lulada cortar. Simplesmente desastroso. Até aliados de Bolsonaro avaliam que o estrago não pode continuar nesse ritmo.

Claro; antes que chovam as pedras, ninguém está defendendo o lulismo. Também é mais do que hora de entender que Bolsonaro não é o contrário de Lula. Muitas vezes é somente um avesso, feio e ruim de “vestir”.

Não há que se arrepender do voto dado a ele. Embora erre em algumas coisas, como nas grosserias gratuitas e inúteis via discursos e tuitadas, Bolsonaro está colocando a economia nos eixos, combatendo a miséria, arrumando a Previdência e fazendo muitas outras mudanças essenciais. Diferente de Lula e Dilma, que misturavam estupidez oceânica e desonestidade interplanetária a discursos melífluos, agradáveis, enganando a todos com mentiras bem educadas; assim, apesar dos governos desastrosos e incrivelmente desonestos, passavam a imagem de “bonzinhos”. As grosserias da dupla lulista eram piores e ainda mais toscas, mas sempre disfarçadas num bom-mocismo tão falso quanto calhorda ao extremo.

Bolsonaro não sabe disfarçar. Mas deveria. Faz parte da vida, do comércio mundial, da estratégia, da diplomacia, do bem-viver, do puro e simples relacionamento humano. Seja no micro ou no macro. Xingar a ONU ou seus comissários (mesmo os cafajestes, e sim, eles existem e lá estão lutando por interesses podres, como o lulismo) não leva a nada. E por favor, não chamem isso de hipocrisia; é necessidade. Ataques pessoais feitos a Macron e Bachelet, como se estivessem em briga de bar, prejudicam muito o Brasil.

Frase atribuída ao escritor irlandês Oscar Wilde (1854/1900): “Se todo mundo soubesse o que todo mundo pensa, ninguém mais falaria com ninguém”. Pois é.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes