s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Precisamos reaprender a olhar

Precisamos reaprender a olhar

Mauro Segura - Transformação -

O artigo “Sentados e observando” de Jonas Furtado, editor-chefe do Meio & Mensagem, diz que tem momentos na vida em que precisamos “sentar e observar”, não tomar nenhuma decisão da qual possamos nos arrepender depois. E conta uma história pessoal que marcou a sua vida.

Ele conta a experiência vivida com o irmão em dias de surf na praia, quando o irmão agia completamente diferente dele. Ao chegar na praia com o irmão, Jonas já queria se jogar direto no mar, sem se preocupar em montar uma estratégia prévia para “pegar” as ondas. Por outro lado, o irmão queria sentar e observar, sem pressa. Segundo o irmão, a observação era necessária para uma análise adequada das variáveis que influenciam um dia de surf: quanto tempo havia entre as séries de ondas; qual onda era a maior e qual a melhor da série; qual o fluxo e a força da correnteza; qual o melhor caminho para varar a arrebentação, levando o menor número possível de vagalhões na cabeça.

Num dia típico, quanto mais desafiadoras eram as condições das ondas, mais ficavam observando. Jonas olhava tudo distraído. Na maiorias das vezes, olhava e não via nada. Tudo que aquele contemplar propiciava a ele era ansiedade e, em dias de grandes ressacas, medo. Quando finalmente entravam na água, o irmão partia a largas braçadas pelo caminho rumo ao fundo, já planejado pela sua severa observação, enquanto Jonas agonizava em meio à zona de impacto com sua ausência de estratégia. E quando Jonas finalmente conseguia atravessar a arrebentação, o seu esforço tinha sido tamanho que ele chegava no pico com os níveis de energia e concentração tão baixos que minavam suas chances de sucesso. E então, quando a ação para valer realmente começava, muitas vezes só restava a ele sentar na prancha e olhar.

Obviamente que o Jonas dos dias de hoje já não é mais aquele camarada afoito descrito no artigo, mas certamente, como todos nós, ele segue aprimorando o seu “timing”. Essa história contada por ele é riquíssima e tem um incrível paralelo com a atualidade. Vivemos uma sociedade em que a velocidade parece ser determinante para tudo, na vida pessoal e, principalmente, na vida profissional.

Senso de urgência, fazer mais rápido, partir na frente, tudo isso nos tira o tempo de “sentar e observar”.  Muitas vezes fazemos planos de ação sem ter o conhecimento e o embasamento adequados, porque o mais importante é fazer o navio partir do porto, mesmo que as vezes não tenhamos muita certeza dos mares que vamos enfrentar e a clareza de onde queremos chegar. Estar minimamente na direção certa parece já ser suficiente, depois a gente corrige o curso. Metodologias como scrum e agile parecem referendar essa nova forma de trabalho.“Sentar e observar” provoca ansiedade, as vezes até a sensação de perda de tempo.

Em uma época em que as empresas montam salas de reunião sem cadeiras para que tudo seja mais rápido, focando na produtividade e agilidade, parece que “sentar” já começa a ser questionado. E o que dizer do “observar”? Esse fator “contemplação” parece ser ainda mais difícil. E tudo fica pior quando você consegue tempo para olhar, mas não consegue ver ou aprender nada.

Há muitos anos, bem no início da minha carreira, entrei numa empresa fabril onde o meu chefe tinha “cabeça branca”. Era um senhor muito experiente, afável e generoso. Lembro que, no primeiro dia de trabalho, ele me recebeu muito bem, apesar da minha ansiedade natural em começar logo a fazer alguma coisa, de colocar a mão na massa imediatamente. Entrei na sala dele, esperando receber uma tarefa ou serviço específico. Tenho a recordação clara dele olhando para mim, divertindo-se com a minha impetuosidade.

Ele falou algo mais ou menos assim: “Mauro, não fique ansioso. Passe os seus dois primeiros dias olhando como funciona a fábrica. Encontre um lugar para sentar e observar a produção. Veja a movimentação dos funcionários, o deslocamento dos carrinhos de peças e o que desejar. Pegue um caderno e anote tudo que achar interessante. O que funciona bem e o que não funciona. Também anote dúvidas e perguntas. No terceiro dia venha ao escritório dos desenhistas projetistas e faça a mesma coisa. No quarto dia vem falar comigo para me contar o que aprendeu”.

Confesso que duas coisas me incomodaram. A primeira foi não ter clareza do que ele queria. A segunda é que meus novos colegas de trabalho pudessem me ver como uma espécie de espião.

O resultado daquela experiência foi interessante. Nenhum dos colegas se sentiu espionado. Passei os dias anotando páginas e páginas das coisas que vi. Fiz desenhos, anotei o número de vezes que determinados funcionários iam de um lado para o outro, a distância que eles caminhavam para ir ao bebedouro, os motivos das paradas na linha de produção, etc. Aquela lista com dezenas de anotações se transformou num conversa de algumas horas com meu chefe, que mais tarde contribuíram no preparo de alguns planos de ação de mudanças de processos, redistribuição de tarefas e até dos espaços de circulação de pessoas e alimentação. O chefe tomou vantagem de pegar um cara novo como eu, sem nenhum conhecimento, vício ou relação pessoal dentro da empresa. Estou certo que levei para ele pontos e questões que ninguém dentro da empresa pensaria em colocar, até mesmo ele, simplesmente porque todos ali não conseguiam sair de “dentro da caixa” para observá-la de fora.

Essa foi uma experiência que carreguei para a minha vida. Toda vez que assumo uma nova tarefa ou responsabilidade, trato de controlar a minha ansiedade natural de partir imediatamente para ações e “mostrar serviço”. Não é fácil lidar com essa ansiedade, mas aprendi a dosar os meus impulsos. As vezes, em meu dia a dia, me sinto como naquele dia da fábrica. Fico sentado observando tudo ao meu redor, mais vendo do que sendo visto, mais ouvindo do que falando, tentando entender o vento, as ondas e os surfistas ao meu redor. Obrigado, Jonas.

Ver Todos os artigos de Mauro Segura