s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil – A chamada
Café Brasil – A chamada
Meu conteúdo vale muito desde que seja de graça.

Ver mais

Café Brasil 745 – Superhomem
Café Brasil 745 – Superhomem
O programa de hoje passa por igualdade de gêneros. E ...

Ver mais

Café Brasil 744 – Sinalização de virtude
Café Brasil 744 – Sinalização de virtude
Você já ouviu alguns ditados como “faça o que digo, não ...

Ver mais

Café Brasil 743 – A inveja
Café Brasil 743 – A inveja
Olha, tá pesado, viu? A cizânia plantada na sociedade ...

Ver mais

LíderCast 210 – Sarah Rosa
LíderCast 210 – Sarah Rosa
“Atriz pornô e acompanhante” como ela mesma se define. ...

Ver mais

LíderCast 209 – Gabriel Lima
LíderCast 209 – Gabriel Lima
CEO da Enext e uma das mais jovens referências nos ...

Ver mais

LíderCast 208 – Alon Lavi
LíderCast 208 – Alon Lavi
Bacharel em Engenharia Biotecnológica na Universidade ...

Ver mais

LíderCast 207 – Danilo Balu
LíderCast 207 – Danilo Balu
escritor, formado em educação física, corredor, que ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Vacinas para quem precisa
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não, o assunto não é a vacina contra a Covid-19. Por dois motivos: Primeiro, tem gente demais dando opinião sobre isso, e a maioria totalmente leiga no assunto. A coisa virou briga política, e ...

Ver mais

A montanha-russa peruana
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A montanha-russa peruana Peru em flashes  “Desde a década de 1970, a democracia na América Latina cresceu num clima internacional favorável, mas suas vantagens são prejudicadas pela fraqueza de ...

Ver mais

A nova esquerda e a ideologia ultraliberal
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Amigos, a nossa alienação nunca está onde nós acreditamos que ela esteja: a nossa alienação está justamente onde temos certeza de que enxergamos a realidade.   Digo isso porque percebo, em boa ...

Ver mais

A gangorra da concentração no setor bancário
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A gangorra da concentração no setor bancário  “Concorrência é como um jogo de tênis. Não tem contato físico. Não podemos impedir que ela crie jogadas e produza. Temos que ser eficientes em nosso ...

Ver mais

Cafezinho 338 – Cobertor de casal
Cafezinho 338 – Cobertor de casal
Ir de um post ao outro foi como sair de uma sauna e ...

Ver mais

Cafezinho 337 – Erebus e Terror
Cafezinho 337 – Erebus e Terror
A Expedição Franklin, no final do século 19, apesar de ...

Ver mais

Cafezinho 336 – Dê uma chance pra sorte
Cafezinho 336 – Dê uma chance pra sorte
Não dá pra provocar a sorte. Mas dá pra dar uma chance ...

Ver mais

Cafezinho 335 – Identidade
Cafezinho 335 – Identidade
Não me reconheço mais neste povo incompleto e perdido, ...

Ver mais

Prêmio Nobel de Economia 2020

Prêmio Nobel de Economia 2020

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Nobel de Economia 2020

Um prêmio em consonância com seu tempo

“A teoria dos leilões é uma das construções mais coletivas da teoria econômica, tendo recebido a contribuição de grande número de pesquisadores de primeiríssimo nível tanto no seu desenvolvimento teórico, como nas suas fantásticas aplicações.”
Maurício Bugarin

No dia 12 de outubro foram conhecidos os nomes dos dois ganhadores do Nobel de Economia, tradicionalmente o último das seis categorias do prêmio a ser anunciado.

Em realidade, o “Prêmio em Ciências Econômicas em memória de Alfred Nobel” foi criado apenas em 1969 pelo Banco Central da Suécia, para celebrar o aniversário de 300 anos da instituição, muitos anos depois, portanto, da premiação iniciada em 1901 pela Fundação Nobel.

Apesar de ser promovido independentemente pelo Banco Central da Suécia, a premiação segue à risca os processos e critérios dos outros prêmios, que são de responsabilidade da Academia Real de Ciências da Suécia e o(s) ganhador(es) recebem a láurea juntamente com os laureados nas outras cinco categorias em cerimônia realizada no dia 10 de dezembro.

Uma diferença em relação a outras premiações que ocorrem pelo mundo é que o Nobel revela apenas o nome do vencedor, que não raras vezes recebe a notícia pela imprensa de que ganhou as 10 milhões de coroas suecas, o equivalente a 1,1 milhão de dólares.

Vale destacar, adicionalmente, que há uma regra no regulamento do Nobel determinando que a lista de indicados seja mantida em sigilo por 50 anos, o que transforma em tarefa quase impossível dar um palpite certeiro de quem será o vencedor, ainda que com base nas últimas edições haja sempre especulações em torno de alguns nomes.

Os laureados de 2020 foram os professores Robert Wilson, de 83 anos, e seu ex-orientando, Paul Milgrom, de 72 anos, ambos vinculados à Stanford University. O nome de Paul Milgrom, aliás, encontrava-se entre os de economistas que figuravam já há algum tempo na relação de possíveis ganhadores.

A justificativa do júri da Academia de Ciências da Suécia foi de que os trabalhos de Wilson e Milgrom contribuíram para “melhorar a teoria dos leilões e inventar novos formatos de leilões, beneficiando vendedores, compradores e contribuintes em todo o mundo”.

A par dessa justificativa do júri, há uma série enorme de argumentos favoráveis à escolha dos laureados, que utilizam em suas pesquisas, além da teoria dos leilões, aspectos relacionados a diversas outras ramificações do pensamento econômico, entre os quais a teoria dos jogos, a teoria da firma, o conceito de equilíbrio sequencial e os modelos de sinalização e reputação.

Mesmo reconhecendo a relevância de todas essas contribuições, o argumento que mais me sensibiliza na escolha do Nobel de Economia deste ano, num contexto fortemente marcado por fake news, elevados níveis de corrupção e inúmeros exemplos de malversação de recursos, é o de favorecer a lisura e a transparência nos processos de concessão de serviços públicos.

Diante disso, encerro este artigo reproduzindo o destaque dado a esse aspecto pelo ex-ministro Maílson da Nóbrega, que, em seu livro O futuro chegou: instituições e desenvolvimento no Brasil, publicado em 2005, escreveu:

Observa-se também uma crescente introdução do sistema de mercado em transações com órgãos do governo. A forma mais conhecida é a dos leilões para a concessão de serviços de telecomunicações e energia, que são desenhados de maneira sofisticada, incluindo a utilização de raciocínios estratégicos proporcionados pela teoria dos jogos. Em vez de ser feita por burocratas, com todo o seu potencial de perdas, distorções e corrupção, a concessão acontece de forma impessoal e competitiva.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas e webgráficas

BUGARIN, Maurício. Teoria dos Leilões e Aplicações: A Teoria dos Jogos volta roubar a cena no Prêmio Nobel de Economia de 2020. Disponível em http://www.brasil-economia-governo.org.br/2020/10/16/teoria-dos-leiloes-e-aplicacoes-a-teoria-dos-jogos-volta-roubar-a-cena-no-premio-nobel-de-economia-de-2020/.

JUSTO, Gabriel. Quem deve ganhar o Nobel de Economia em 2020? Disponível em https://exame.com/economia/quem-deve-ganhar-o-nobel-de-economia-em-2020/.

MACHADO, Luiz Alberto. Viagem pela economia. São Paulo: Scriptum, 2019.

NÓBREGA, Maílson da. O futuro chegou: instituições e desenvolvimento no Brasil. São Paulo: Globo, 2005.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado