s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Eu acho que você concorda que para ter uma sociedade ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – que parece ser mais importante saber os tipos de divisão lógica – será útil revisar algumas coisas para entender as regras. Lembra dos ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Baixa cultura é aquela que me faz bater o pé, mexer a ...

Ver mais

Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Uma coisa é comprar um televisor. Outra é adquirir cultura!

Ver mais

Cafezinho 438 – O homem cordial
Cafezinho 438 – O homem cordial
Brasileiro Cordial é aquele que age conforme a emoção, ...

Ver mais

Puxa-sacos

Puxa-sacos

Suely Pavan Zanella - Iscas Comportamentais -

 PUXA-SACOS

Lá vem
O Cordão dos puxa-sacos
Dando vivas aos seus maiorais
Quem está na frente é passado pra trás
E o Cordão dos puxa-sacos
Cada vez aumenta mais…

Roberto Martins

seguidores

O chefe conta uma piada sem graça, e ele ri. A celebridade escreve algo no Facebook e ele e curte e compartilha, esquecendo-se que um de seus amigos escreveu o mesmo horas antes, e ele nem sequer leu. Ricardo Amorim, aquele economista e apresentador do programa Manhattan Connection citou há algum tempo uma frase com autoria errônea em seu Twitter, e teve milhares de retuites, uma moça assinalou o erro, e ninguém retuitou. Uma mulher dá uma excelente ideia aos colegas de trabalho, todos são homens, é ignorada, minutos depois um colega homem dá a mesma Idea e todos da equipe viram suas cadeiras para ouvir atentamente o que o homem diz. Revistas, jornais e sites de notícias contam mentiras deslavadas, inventam matérias, e milhões de pessoas as repetem sem questionar. Professores despreparados, que não dão aulas, mas apenas entretém os alunos com piadas e brincadeiras são enaltecidos, enquanto aqueles que estudam, batalham e se preparam são tidos como “chatos” por esses mesmos alunos. O palestrante famoso e que ficou rico graças a um currículo falso é contratado em uma empresa, a plateia é inteligente e não se deixa intimidar, o questiona, ele não responde, e uma das participantes diz que seus exemplos só se baseiam em futebol e machismo. Ele encerra a palestra dizendo: Agora, vou pegar meu helicóptero para dar outra palestra à tarde em um grande shopping de São Paulo.

 

Parece até que o mundo hoje em dia se divide em três segmentos: Os puxa-sacos, ou seguidores cegos e burros, os famosos ou influenciadores nem sempre idôneos, e os raros questionadores, aqueles com poucos ou nenhum seguidor. E quando escrevo seguidor não pense que eu estou falando apenas de redes sociais, mas sim da malha social.

 

Mas, o tema aqui são os puxa-sacos, aqueles seres inseguros e que vivem à mercê da sombra alheia. São os baba-ovos, bajuladores, aduladores. Eles sempre existiram, mas hoje têm espaço garantido nas mídias a começar pela TV, e o pior, são respeitados. Particularmente sou da mesma opinião do escritor Umberto Eco. Segue matéria do UOL notícias publicada no dia 11/06/2015:

Crítico do papel das novas tecnologias no processo de disseminação de informação, o escritor e filósofo italiano Umberto Eco afirmou que as redes sociais dão o direito à palavra a uma “legião de imbecis” que antes falavam apenas “em um bar e depois de uma taça de vinho, sem prejudicar a coletividade”.

A declaração foi dada nesta quarta-feira (10), durante o evento em que ele recebeu o título de doutor honoris causa em comunicação e cultura na Universidade de Turim, norte da Itália.

“Normalmente, eles [os imbecis] eram imediatamente calados, mas agora eles têm o mesmo direito à palavra de um Prêmio Nobel”, disse o intelectual.

Segundo Eco, a TV já havia colocado o “idiota da aldeia” em um patamar no qual ele se sentia superior. “O drama da internet é que ela promoveu o idiota da aldeia a portador da verdade”, acrescentou.

O escritor ainda aconselhou os jornais a filtrarem com uma “equipe de especialistas” as informações da web porque ninguém é capaz de saber se um site é “confiável ou não”.

Hoje em dia bobagens e mais bobagens são disseminadas graças ao crivo inexistente das diferentes mídias, como diz Eco. Com isso um bando de puxa-sacos que não pesquisa, é preguiçoso, e além de tudo tem espaço para comentar e até promover a barbárie cresce vertiginosamente. Já li até dissertações e teses de mestrado e doutorado que fazem uso de livros questionáveis, sem que o orientador (provavelmente também um seguidor cego)  fizesse o mínimo questionamento sobre o que lá está escrito, é como se hoje as pessoas lessem e não mais pensassem à respeito. Se  antes tínhamos que beber da fonte para construir qualquer aspecto do conhecimento, hoje qualquer opinião é tomada como verdade e depois copiada e repetida centenas de vezes. E sabemos que tudo o que se repete como verdade, parece ser verdade, mesmo que não o seja.

A falta deste pensamento crítico tem levado bandos e bandos de famosos ou influenciadores não só ao enriquecimento como também à construção de falsas verdades, tais como diplomas inexistentes, pesquisas mentirosas, evidente falta de talento no que se refere às artes, por exemplo. É como se endeusássemos o bobo, o burro e o enganador. O vazio existencial e intelectual anda tão grande que a maioria dos puxa-sacos ou seguidores cegos hoje é constituída de gente de alta escolaridade (não confunda escolaridade com cultura).

 

Teria muito mais a escrever sobre este tema, já que eu penso, mas infelizmente pelos padrões internéticos atuais, ao menos aqui no Brasil, os textos devem ser curtos e preferencialmente vazios de significado. E com certeza pouca gente ou até ninguém tecerá um único comentário à respeito. Este é o destino dos que pensam.

Ver Todos os artigos de Suely Pavan Zanella