s
Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 726 – Gently Weeps
Café Brasil 726 – Gently Weeps
Olha, algumas canções são tão sagradas que eu me sinto ...

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta. Todos sabemos: em período de pandemia, é ...

Ver mais

Polêmica indesejável
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Polêmica indesejável “Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.” José Ortega y Gasset A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de ...

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Puxa-sacos

Puxa-sacos

Suely Pavan Zanella - Iscas Comportamentais -

 PUXA-SACOS

Lá vem
O Cordão dos puxa-sacos
Dando vivas aos seus maiorais
Quem está na frente é passado pra trás
E o Cordão dos puxa-sacos
Cada vez aumenta mais…

Roberto Martins

seguidores

O chefe conta uma piada sem graça, e ele ri. A celebridade escreve algo no Facebook e ele e curte e compartilha, esquecendo-se que um de seus amigos escreveu o mesmo horas antes, e ele nem sequer leu. Ricardo Amorim, aquele economista e apresentador do programa Manhattan Connection citou há algum tempo uma frase com autoria errônea em seu Twitter, e teve milhares de retuites, uma moça assinalou o erro, e ninguém retuitou. Uma mulher dá uma excelente ideia aos colegas de trabalho, todos são homens, é ignorada, minutos depois um colega homem dá a mesma Idea e todos da equipe viram suas cadeiras para ouvir atentamente o que o homem diz. Revistas, jornais e sites de notícias contam mentiras deslavadas, inventam matérias, e milhões de pessoas as repetem sem questionar. Professores despreparados, que não dão aulas, mas apenas entretém os alunos com piadas e brincadeiras são enaltecidos, enquanto aqueles que estudam, batalham e se preparam são tidos como “chatos” por esses mesmos alunos. O palestrante famoso e que ficou rico graças a um currículo falso é contratado em uma empresa, a plateia é inteligente e não se deixa intimidar, o questiona, ele não responde, e uma das participantes diz que seus exemplos só se baseiam em futebol e machismo. Ele encerra a palestra dizendo: Agora, vou pegar meu helicóptero para dar outra palestra à tarde em um grande shopping de São Paulo.

 

Parece até que o mundo hoje em dia se divide em três segmentos: Os puxa-sacos, ou seguidores cegos e burros, os famosos ou influenciadores nem sempre idôneos, e os raros questionadores, aqueles com poucos ou nenhum seguidor. E quando escrevo seguidor não pense que eu estou falando apenas de redes sociais, mas sim da malha social.

 

Mas, o tema aqui são os puxa-sacos, aqueles seres inseguros e que vivem à mercê da sombra alheia. São os baba-ovos, bajuladores, aduladores. Eles sempre existiram, mas hoje têm espaço garantido nas mídias a começar pela TV, e o pior, são respeitados. Particularmente sou da mesma opinião do escritor Umberto Eco. Segue matéria do UOL notícias publicada no dia 11/06/2015:

Crítico do papel das novas tecnologias no processo de disseminação de informação, o escritor e filósofo italiano Umberto Eco afirmou que as redes sociais dão o direito à palavra a uma “legião de imbecis” que antes falavam apenas “em um bar e depois de uma taça de vinho, sem prejudicar a coletividade”.

A declaração foi dada nesta quarta-feira (10), durante o evento em que ele recebeu o título de doutor honoris causa em comunicação e cultura na Universidade de Turim, norte da Itália.

“Normalmente, eles [os imbecis] eram imediatamente calados, mas agora eles têm o mesmo direito à palavra de um Prêmio Nobel”, disse o intelectual.

Segundo Eco, a TV já havia colocado o “idiota da aldeia” em um patamar no qual ele se sentia superior. “O drama da internet é que ela promoveu o idiota da aldeia a portador da verdade”, acrescentou.

O escritor ainda aconselhou os jornais a filtrarem com uma “equipe de especialistas” as informações da web porque ninguém é capaz de saber se um site é “confiável ou não”.

Hoje em dia bobagens e mais bobagens são disseminadas graças ao crivo inexistente das diferentes mídias, como diz Eco. Com isso um bando de puxa-sacos que não pesquisa, é preguiçoso, e além de tudo tem espaço para comentar e até promover a barbárie cresce vertiginosamente. Já li até dissertações e teses de mestrado e doutorado que fazem uso de livros questionáveis, sem que o orientador (provavelmente também um seguidor cego)  fizesse o mínimo questionamento sobre o que lá está escrito, é como se hoje as pessoas lessem e não mais pensassem à respeito. Se  antes tínhamos que beber da fonte para construir qualquer aspecto do conhecimento, hoje qualquer opinião é tomada como verdade e depois copiada e repetida centenas de vezes. E sabemos que tudo o que se repete como verdade, parece ser verdade, mesmo que não o seja.

A falta deste pensamento crítico tem levado bandos e bandos de famosos ou influenciadores não só ao enriquecimento como também à construção de falsas verdades, tais como diplomas inexistentes, pesquisas mentirosas, evidente falta de talento no que se refere às artes, por exemplo. É como se endeusássemos o bobo, o burro e o enganador. O vazio existencial e intelectual anda tão grande que a maioria dos puxa-sacos ou seguidores cegos hoje é constituída de gente de alta escolaridade (não confunda escolaridade com cultura).

 

Teria muito mais a escrever sobre este tema, já que eu penso, mas infelizmente pelos padrões internéticos atuais, ao menos aqui no Brasil, os textos devem ser curtos e preferencialmente vazios de significado. E com certeza pouca gente ou até ninguém tecerá um único comentário à respeito. Este é o destino dos que pensam.

Ver Todos os artigos de Suely Pavan Zanella