s
Iscas Intelectuais
O Lado Cheio
O Lado Cheio
Aqui é o lugar onde você encontrará análises sobre o ...

Ver mais

Pelé e os parasitas.
Pelé e os parasitas.
Meu herói está lá, a Copa de 1970 está lá, o futebol ...

Ver mais

Branding a preço de banana.
Branding a preço de banana.
Quanto vale o branding? Pelo que estou vendo acontecer ...

Ver mais

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
Um grande comentário sócio-político sobre a divisão em ...

Ver mais

Café Brasil 765 – Foxes and Fossils
Café Brasil 765 – Foxes and Fossils
 Você já sabe que a Perfetto patrocina o Café Brasil ...

Ver mais

Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Medidas restritivas desproporcionais impostas pelos ...

Ver mais

Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Você já sabe que a Perfetto patrocina o Café Brasil,  ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

John Williamson e o Consenso de Washington
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
John Williamson e o “Consenso de Washington” “O Consenso de Washington já foi “aquela babaquice” reproduzida por Marcos Lisboa no início do governo Lula, citando a famigerada entrevista de Maria ...

Ver mais

Comércio Eletrônico no Brasil e que fazer em 2021
Michel Torres
No início de abril passávamos pela primeira experiência de fechamento do comércio na maioria das cidades no Brasil em função da pandemia do COVID-19. Esse grande desafio global estava apenas ...

Ver mais

Três livros sobre corrupção e como combatê-la
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A corrupção e o desafio de combatê-la em três livros “Ao contrário da maioria dos crimes violento ou passionais, a corrupção em larga escala é um crime absolutamente racional, baseado na análise ...

Ver mais

Richard Feynman desancando a universidade brasileira… de 1951
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Como acabar com o mito de que a educação brasileira dos anos 50 tinha boa qualidade…   Em 1951, o físico norte-americano Richard Feynman (que posteriormente ganharia o Nobel de Física) veio ...

Ver mais

Cafezinho 376 – Amizades supérfluas
Cafezinho 376 – Amizades supérfluas
Não tenho tempo de vida para amizades supérfluas.

Ver mais

Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Dias 26, 27 e 28 de abril vai acontecer o DESAFIO AS ...

Ver mais

Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Não brigue com seu amigo por causa da política. Depois ...

Ver mais

Cafezinho 373 – oladocheio.com
Cafezinho 373 – oladocheio.com
Venha para o lado dos que querem construir.

Ver mais

Puxa-sacos

Puxa-sacos

Suely Pavan Zanella - Iscas Comportamentais -

 PUXA-SACOS

Lá vem
O Cordão dos puxa-sacos
Dando vivas aos seus maiorais
Quem está na frente é passado pra trás
E o Cordão dos puxa-sacos
Cada vez aumenta mais…

Roberto Martins

seguidores

O chefe conta uma piada sem graça, e ele ri. A celebridade escreve algo no Facebook e ele e curte e compartilha, esquecendo-se que um de seus amigos escreveu o mesmo horas antes, e ele nem sequer leu. Ricardo Amorim, aquele economista e apresentador do programa Manhattan Connection citou há algum tempo uma frase com autoria errônea em seu Twitter, e teve milhares de retuites, uma moça assinalou o erro, e ninguém retuitou. Uma mulher dá uma excelente ideia aos colegas de trabalho, todos são homens, é ignorada, minutos depois um colega homem dá a mesma Idea e todos da equipe viram suas cadeiras para ouvir atentamente o que o homem diz. Revistas, jornais e sites de notícias contam mentiras deslavadas, inventam matérias, e milhões de pessoas as repetem sem questionar. Professores despreparados, que não dão aulas, mas apenas entretém os alunos com piadas e brincadeiras são enaltecidos, enquanto aqueles que estudam, batalham e se preparam são tidos como “chatos” por esses mesmos alunos. O palestrante famoso e que ficou rico graças a um currículo falso é contratado em uma empresa, a plateia é inteligente e não se deixa intimidar, o questiona, ele não responde, e uma das participantes diz que seus exemplos só se baseiam em futebol e machismo. Ele encerra a palestra dizendo: Agora, vou pegar meu helicóptero para dar outra palestra à tarde em um grande shopping de São Paulo.

 

Parece até que o mundo hoje em dia se divide em três segmentos: Os puxa-sacos, ou seguidores cegos e burros, os famosos ou influenciadores nem sempre idôneos, e os raros questionadores, aqueles com poucos ou nenhum seguidor. E quando escrevo seguidor não pense que eu estou falando apenas de redes sociais, mas sim da malha social.

 

Mas, o tema aqui são os puxa-sacos, aqueles seres inseguros e que vivem à mercê da sombra alheia. São os baba-ovos, bajuladores, aduladores. Eles sempre existiram, mas hoje têm espaço garantido nas mídias a começar pela TV, e o pior, são respeitados. Particularmente sou da mesma opinião do escritor Umberto Eco. Segue matéria do UOL notícias publicada no dia 11/06/2015:

Crítico do papel das novas tecnologias no processo de disseminação de informação, o escritor e filósofo italiano Umberto Eco afirmou que as redes sociais dão o direito à palavra a uma “legião de imbecis” que antes falavam apenas “em um bar e depois de uma taça de vinho, sem prejudicar a coletividade”.

A declaração foi dada nesta quarta-feira (10), durante o evento em que ele recebeu o título de doutor honoris causa em comunicação e cultura na Universidade de Turim, norte da Itália.

“Normalmente, eles [os imbecis] eram imediatamente calados, mas agora eles têm o mesmo direito à palavra de um Prêmio Nobel”, disse o intelectual.

Segundo Eco, a TV já havia colocado o “idiota da aldeia” em um patamar no qual ele se sentia superior. “O drama da internet é que ela promoveu o idiota da aldeia a portador da verdade”, acrescentou.

O escritor ainda aconselhou os jornais a filtrarem com uma “equipe de especialistas” as informações da web porque ninguém é capaz de saber se um site é “confiável ou não”.

Hoje em dia bobagens e mais bobagens são disseminadas graças ao crivo inexistente das diferentes mídias, como diz Eco. Com isso um bando de puxa-sacos que não pesquisa, é preguiçoso, e além de tudo tem espaço para comentar e até promover a barbárie cresce vertiginosamente. Já li até dissertações e teses de mestrado e doutorado que fazem uso de livros questionáveis, sem que o orientador (provavelmente também um seguidor cego)  fizesse o mínimo questionamento sobre o que lá está escrito, é como se hoje as pessoas lessem e não mais pensassem à respeito. Se  antes tínhamos que beber da fonte para construir qualquer aspecto do conhecimento, hoje qualquer opinião é tomada como verdade e depois copiada e repetida centenas de vezes. E sabemos que tudo o que se repete como verdade, parece ser verdade, mesmo que não o seja.

A falta deste pensamento crítico tem levado bandos e bandos de famosos ou influenciadores não só ao enriquecimento como também à construção de falsas verdades, tais como diplomas inexistentes, pesquisas mentirosas, evidente falta de talento no que se refere às artes, por exemplo. É como se endeusássemos o bobo, o burro e o enganador. O vazio existencial e intelectual anda tão grande que a maioria dos puxa-sacos ou seguidores cegos hoje é constituída de gente de alta escolaridade (não confunda escolaridade com cultura).

 

Teria muito mais a escrever sobre este tema, já que eu penso, mas infelizmente pelos padrões internéticos atuais, ao menos aqui no Brasil, os textos devem ser curtos e preferencialmente vazios de significado. E com certeza pouca gente ou até ninguém tecerá um único comentário à respeito. Este é o destino dos que pensam.

Ver Todos os artigos de Suely Pavan Zanella