s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Quando a descriminalização não passa de hipocrisia

Quando a descriminalização não passa de hipocrisia

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Deixe-me ver se entendi:

O sujeito posta uma foto de baseado na mão pra fazer campanha pela descriminalização da maconha e se acha um iluminado das liberdades individuais, um defensor dos oprimidos?

Por ora, independentemente das intenções, a menos que tenha desenvolvido a semente, plantado e colhido em casa sem dividir com ninguém, conseguiu ser só um acionista do tráfico.

E o tráfico que dá barato na rapaziada liberal é o mesmo que dá porrada nos mais pobres.

A hipocrisia é mesmo ilimitada.

E os hipócritas estão “numa booaaa”.

 

Ps.: pra não transformar a discussão da descriminalização da maconha e outras drogas numa banalidade que não vai além do opinativo raso e ponto do “sou a favor” porque “outros países já liberaram”, “a repressão não funciona”, “essa é uma tendência” e “maconha não faz mais mal de álcool ou tabaco”, eu indico de forma muito veemente o artigo do doutor Ronaldo Laranjeira, professor e cientista da UNIFESP, verdadeiro conhecedor do assunto, publicado recentemente no Estadão( http://m.opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,a-favor-do-trafico–e-contra-a-populacao,1758712) .

Opinião

A favor do tráfico e contra a população

Ronaldo Laranjeira

09/09/2015 | 03h00

O Supremo Tribunal Federal (STF) merece a admiração de toda a sociedade brasileira. No entanto, em relação à descriminalização de todas as drogas ainda estamos longe de um consenso até mesmo entre os ministros. “Teremos, com certeza, a institucionalização do ‘exército das formigas do tráfico’” – assim o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, definiu a situação que o Brasil enfrentará caso o STF decida pela descriminalização do porte de drogas para uso pessoal. A Lei 11.343/06 é considerada um grande avanço nesse tema, pois flexibilizou a legislação anterior, desapenando o usuário e evitando que ele seja preso por portar drogas para consumo próprio.

Nossas leis atuais elegem a saúde do usuário, e também a pública, como prioridades, prevendo até medidas de cunho protetivo. O parágrafo 7 do artigo 28 da lei federal é claro: “O juiz determinará ao Poder Público que coloque à disposição do infrator, gratuitamente, estabelecimento de saúde, preferencialmente ambulatorial, para tratamento especializado”.Em sua explanação na abertura do julgamento no STF, o procurador-geral de Justiça de São Paulo, Márcio Fernando Elias Rosa, expôs dados do Tribunal de Justiça do Estado sobre o projeto Audiência de Custódia. Ele prevê, no caso de apreensão em flagrante por tráfico de drogas, a rápida realização de uma audiência entre o juiz, o acusado e sua defesa, além do Ministério Público. De cada quatro apreensões em flagrante, três são mantidas após cuidadosa apreciação do juiz, o que mostra o quanto é equivocado o argumento de que as prisões estão repletas de usuários, e não de traficantes com pequenas quantidades de entorpecentes.

Além disso, esse fato reforça uma característica peculiar do tráfico em nosso país, a pulverização. No Brasil, o crime organizado forma várias microrredes para a venda de drogas, nas quais os traficantes portam pouca quantia de cocaína, crack e maconha, entre outras, para venda.

Esse é um dado extremamente importante. Caso os ministros do STF decidam a favor da descriminalização do porte, será permitido inclusive aos traficantes andar com um pouco de crack ou heroína, por exemplo, permanecendo impunes dos crimes que cometem – afinal, aumentará a dificuldade de identificar o criminoso. É a institucionalização do exército de formiguinhas a que Janot se refere. Desmistifica também a imagem em torno do julgamento no Supremo, erroneamente interpretado por muitos como “o julgamento da descriminalização da maconha”.

Para se ter uma ideia de como não se limita a isso, até a produção de drogas é envolvida, pois a ação interfere também se será descriminalizado desde o plantio de pés de maconha ou até o processamento de crack em pequenas quantidades, com o argumento do uso próprio. Parece exagero? Não, se pensarmos que não foi mencionado pelos que defendem a medida nenhum tipo de regulação da produção de drogas.

Apesar de ter uma legislação moderna, o Brasil não dispõe de uma política de drogas eficiente em termos de prevenção, tratamento ou enfrentamento, como outros países, para seguir diretamente para a descriminalização. Um caminho que nenhuma nação trilhou sem antes criar regulamentações e estruturas de saúde eficazes para a população.

Pois o impacto na saúde do indivíduo e no sistema em geral é apenas uma questão de tempo, já que não existe consumo de drogas, especialmente ilícitas, que não provoque riscos para o organismo.

Não podemos esquecer que o tema não é exclusivo do Brasil, outras nações trilharam esse caminho antes. Países como Japão e Suécia já optaram por flexibilizar suas leis e, após constatarem os impactos negativos das medidas, voltaram atrás. Os dois figuram hoje na lista de países com o menor consumo de drogas do mundo, com leis rígidas, por sinal.

Sinais de que esse não é o caminho começam a aparecer em outros locais. Em Portugal, que desde 2001 descriminalizou o consumo de drogas (não sem antes criar políticas públicas e reforçar sua rede de atendimento), 66% dos jovens de 15 a 24 anos de idade entendem que a maconha deve permanecer ilegal, segundo dados do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências.

Outro exemplo está no Estado do Colorado (EUA). Desde que o referendo da legalização da maconha foi aprovado, em 2012, mais da metade dos 271 municípios do Estado decidiram proibir a venda da droga após constarem, por exemplo, um aumento no número de acidentes envolvendo motoristas sob os efeitos da maconha e também no uso do entorpecente por menores, até mesmo crianças consumindo doces com maconha.

Essas alterações se assemelham às medidas adotadas na Holanda em 2013, quando restringiu de forma significativa sua política de tolerância ao uso da maconha, pelos efeitos nocivos que causou.

Encarcerar o usuário não é a solução e isso já não ocorre hoje. É necessário, sim, oferecer a ele e à população prevenção e tratamento. Caso seja aprovada, a descriminalização do porte de drogas para uso próprio terá como principal resultado o aumento da disponibilidade de entorpecentes no Brasil, facilitando a ação dos traficantes e alimentando o crime organizado, assim como criando um enorme problema de saúde pública.

Se o custo social provocado por drogas legalizadas, como o álcool e o tabaco, é gigantesco, imaginem com a descriminalização de outras. O que precisamos hoje é criar políticas públicas realistas e humanas, baseadas nas melhores evidências científicas, e oferecer atendimento de qualidade à população, antes de promover alterações na legislação relacionada às drogas.

*Ronaldo Laranjeira é professor titular de Psiquiatria da Escola Paulista de Medicina(Unifesp), é presidente da Associação Paulista Para o Desenvolvimento da Medicina (Spdm)

 

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto